[email protected]

Em um domingo ensolarado fomos passar o dia em casa de um compadre nosso, no engenho Outeiro de Pedro, no qual ele era administrador.  O engenho se situava a uns 3 km de nossa casa, que ficava localizada na escola agrícola aonde residíamos. Já tínhamos vivência de vida no campo, mas o engenho era diferente.   Para nós uma diversão, pois tínhamos muito o que ver, tudo muito pertinho da gente; curral, canavial, local onde as canas eram moídas, para fazer a cachaça, casa de farinha espaço que curto muito e que me faz lembrar a minha infância, pois sociologicamente diz muito da vida em família e em sociedade, é uma atividade em que todos trabalham, crianças e adultos. As tarefas mais simples são das crianças e das mulheres, raspar a mandioca. Mamãe me lembrou do detalhe ao raspar a mandioca. Eram necessário duas pessoas, uma raspava a metade e a outra, com  a mão limpa a outra metade. O avô de mamãe tinha casa de farinha. Passar a mandioca no rodete era uma tarefa extremamente perigosa, peça cheia de dentes e que é ligada a um motor que o fazia girar velozmente. Nas casas de farinha aonde não havia luz elétrica, o rodete era ligado a uma roda grande, com uma corda que partia dela, até o rodete e a medida que a grande girava,  impulsionada por  dois homens o rodete funcionava.  Para utilizá-lo é preciso muita atenção, pois qualquer distração o acidente é inevitável,  a mandioca é colocada com a mão. Fazer farinha é quase uma festa, cantam, se divertem e quando a farinhada termina, tem a partilha, de acordo com a participação de cada um, com o trabalho e com a quantidade de mandioca que cada um trouxe. No geral a farinhada como é chamada, é sempre feita entrando pela noite, dando assim um ar bucólico, muitas vezes iluminada por candeeiros, que na Bahia se chama “FIFO”. É sempre regada a um cafezinho quente, tapioca, iguaria feita de goma, sub-produto da mandioca, bem como dos mais variados tipos de beiju: de côco, assado debaixo da farinha e o sequinho, é o que mais gosto, com uma manteiga é uma delícia. Nunca tive oportunidade de participar de uma farinhada, porque era feita nas redondezas da escola  e no geral pelo pessoal mas simples, agricultores e também pelo fato de entrar pela  à noite. Vi os homens mexendo a farinha, outros prensando a massa que sai do rodete e umas mulheres e crianças raspando a mandioca e outras mulheres colocando a mandioca para passar no rodete. A casa de farinha é um bem economicamente caro, congrega muitos  para obter o produto final, a farinha. É assim composta de: rodete, prensa e forno a lenha. Hoje existem casas de farinha modernas, totalmente industrializadas. A poesia de fazer farinha está nas casas antigas, como em tudo o que é simples e manual. O pessoal mais simples alugava a casa de farinha, pagavam o aluguel com a própria farinha, pois o dinheiro só viria depois da venda da mesma.

É claro que naquele domingo não estavam fazendo farinha.  Andamos a cavalo, nos divertimos bastante. Fomos presenteados com um lauto almoço. Comentando com mamãe, disse-lhe que do almoço só lembrava da forma como foi servido o arroz. A filha mais velha da casa estava ajudando a mãe, como soe acontecer. Então ela colocou o arroz em uma forma de bolo, pressionou e virou em um prato de bolo, achei lindo. Foi servido peru guisado, criado no quintal, delicioso, salada, feijão verde e uma farofa de farinha amanteigada. Comida típica da zona rural, muito gostosa.

O grande detalhe daquele  dia maravilhoso, foi a volta para casa à noite, pois só saímos depois da ceia. Voltamos em um carro de boi, transporte que adorávamos. Tínhamos o hábito de pegar carona nos carros de boi  que  passavam em frente a nossa casa. Quando escutávamos o rangido das rodas, corríamos ao seu encontro, pedíamos permissão ao carreiro, o condutor do carro de boi, e vínhamos até em casa. Certa vez o carreiro não parou lá em casa, ou seja, não diminuiu a velocidade, saltei do carro e os meninos menores, meus irmãos, não conseguiram,  fiquei louca, sai correndo atrás pedindo para ele parar, o medo era que ele levasse os meus irmãos. Tudo isso era uma festa e acontecia nas férias, no período de aula não tínhamos tempos para essas peraltices.

Aquela viagem foi inesquecível, compadre Oscar mandou colocar um colchão no carro, candeeiros nas extremidades e seguimos de volta para casa. A lua cheia brilhava no céu. Cantamos todo o percurso. O canavial a balançar com o vento,  era o nosso guardião, nos dois lados da estrada. A beleza daquela cena era de fazer inveja aos grandes pintores. Sinto saudade e até me emociono quando lembro.   (Abril/2015)

Obs: Suely Telma Vieira Costa ( Lila Costa)   é Membro da Academia  Escadense de Letras – AELE e da Academia Morenense de Letras e Artes – AMLA.

Este texto expressa exclusivamente a opinião do autor e foi publicado da forma como foi recebido, sem alterações pela equipe do Entrelaços.


busca
autores

Autores

biblioteca

Biblioteca

Entrelaços do Coração é uma revista online e sem fins lucrativos compartilhada por diversos autores. Neste espaço, você encontra várias vertentes da literatura: atualidades, crônicas, reportagens, contos, poesias, fotografias, entre outros. Não há linha específica a ser seguida, pois acreditamos que a unidade do SER é buscada na multiplicidade de ideias, sonhos, projetos. Cada autor assume inteira responsabilidade sobre o conteúdo, não representando necessariamente a linha editorial dos demais.
Poemas Silenciosos

Flickr do (Entre)laços

ExposiçãoDesenhos

Série "Natureza"

Série Natureza

DeJanelaEmJanela

DeCostas

Série "Detalhes"

Série "MoradaImprovisada"

Série Morada Improvisada

Finados

Tratando de peixe

Série Flores

Série Flores

Esporte na Colônia

Série Natureza 01

Série Natureza 05

Caxambu

Caxambu

Caxambu - 02

Caxambu - 01

Penumbra...

Aglomeração...

Portão florido...

Barra Palace

Conjunto Harmonioso...

Reunião privada...

Espaços ocupados...

Arquitetura Perfeita...

Convergência II

Convergência I