[email protected]

A nossa memória olfativa é fantástica, os aromas nos levam aos mais distantes rincões.

Hoje, quando sinto o cheiro do milho cozinhando, volto no tempo. Lembranças agradabilíssimas vem à tona. Lembro do quanto papai gostava de milho cozido e de tomar o caldo.

Preparar as comidas de milho era e continua sendo um verdadeiro ritual. Pois congrega todos da família, são trabalhosas e tem que ser bem cozidas, para que atinjamos o  objetivo maior, a satisfação de todos que vão participar desse banquete típico das mesas nordestinas, nessa época tão pródiga, tão farta, o Santo Antonio, São João e São Pedro.

Comida forte, rica em carboidratos e que dá sustância. Trazida pelo nossos irmãos africanos. Saída da senzala para a mesa da casa grande.

Lá em casa quando éramos crianças e adolescentes, já amanhecíamos na véspera de São João cada um com a sua tarefa, de acordo com a idade.

Primeiro passo descascar o milho com cuidado para aproveitar as melhores palhas para fazer a pamonha. Isto requeria habilidade e experiência. Antes quando éramos menores só mamãe fazia. Depois tirar os cabelos do milho, tarefa dos menores. Cotar  o milho, ou seja tirar os grãos do sabugo, dos maiores. Em muitas casa o milho era ralado, na nossa não. Depois era passado na máquina manual. Aí era entregue a mamãe que ia peneirá-lo e separar a massa para fazer a pamonha, cujas palhas de milho já estavam sendo devidamente escaldadas, para em seguida serem colocadas para escorrer e esfriar.

 A massa para pamonha era mais grossa. A massa mais fina (líquida) que escorria máquina abaixo, aonde um recipiente já esperava este líquido, era reservado para fazer a canjica, que requeria um processo de cozimento que levava horas, para ficar bem cozida e não queimar no fundo da grande panela. Cada um de nós mexíamos por 30 minutos e assim íamos revezando. Quem estivesse em casa que tinha vindo passar o São João conosco, colegas de colégio, Yolanda a nossa amiga paraense, também ajudava a mexer, até os namorados que aparecessem naquele momento tinham também a sua meia hora de quentura no fogão.

Todo o sucesso das nossas comidas de milho se deviam a grande quituteira que mamãe era e é. Só ela é quem fazia e até hoje eu a consulto quando vou fazer canjica e pamonha de forno, pois nunca a fiz na palha, requer muita habilidade. Em umas casas as palhas são costuradas na máquina, aqui em casa não. Mamãe utiliza uma espiga de milho bem gordinha, para dar forma a pamonha. Envolve  as palhas no milho, amarra a extremidade inferior, tira o milho de dentro, fica tipo um copo, aí coloca o líquido mais grosso,  devidamente peneirado e saborosamente temperado, amarra a extremidade superior e vai colocando em um grande caldeirão, cuja água já está fervendo, é aquela que foi utilizada para escaldar as palhas do milho. A casa já começa a ser invadida por aquele adorável aroma.  Perfume este que nos estimulava a mexer a canjica com todo o cuidado, para podermos ser premiados com a panela para raspar o resíduo que ficou, depois da distribuição nas travessas apropriadas.

 Tínhamos também o milho cozido, cujo preparo é muito simples. Forra-se o funda da panela com as palhas do milho abertas. O milho é passado ligeiramente no ralo e vai sendo colocando na panela, por último coloca-se mais palha de milho, depois a tampa.

Outras delícias características daqui de casa, são os bolos feitos de massa de mandioca úmida. Na Bahia não se chama massa de mandioca e sim carimã. É costume de lá, nas ruas, nas festas de Igreja, nas feiras, venderem mingaus, de carimã, milho verde, tapioca, como chamam lá (goma) e às vezes de aveia. Estes mingaus, em especial o de milho verde e de carimã são deliciosos. São  servidos em copos com canela, para quem gosta. Tem sempre uma baiana vestida de branco, a mesa forrada com toalha branca, os caldeirões brilhando, cobertos com panos  branquinhos com bicos bordados. É um hábito de  manhã cedo. Quando vamos caminhar já levamos dinheiro, para tomar o mingau, já faz parte da caminhada. Depois da África Salvador é o local  onde existe mais afro-descentes, assim estes costumes são muito arraigados.

Tanto o bolo de massa de mandioca, como o pé de moleque de mamãe são únicos. Minha cunhada diz que não existe igual. O pé de moleque enfeitado com castanhas, previamente escolhidas, dão um visual lindo e apetitoso ao bolo.

Todas estas iguarias já citadas são temperadas com os mais genuínos ingredientes nordestinos: leite de coco tirado na hora, manteiga, açúcar, mascavo para o pé de moleque, que dá aquela cor escura, açúcar cristal para as demais iguarias e o sal, para dar o equilíbrio. Pois tanto nas comidas de milho, como nas de massa de mandioca, os sabores do açúcar e do sal tem que ser nítidos e equilibrados.

   Imaginem a mistura de todos esses aromas, há memória que possa esquecer. A memória visual não pode ser relegada. A mesa rica de tantas iguarias, fica bela, com aquela toalha junina. Não podemos esquecer aquele café quentinho para acompanhar tudo isso.

Às 18h é a hora de acender a fogueira, tarefa realizada normalmente pelo pai da casa, ficávamos junto de papai para vê-lo realizar a simbologia do nascimento de São João, conforme Santa Isabel combinou com Nossa Senhora quando o menino nascesse, São João. O fogo, fogueira,  significam, anúncio, aconchego.

 Depois da ceia, vinha a sessão dos fogos, normalmente soltados pelo adultos, era tarefa de papai. Para nós crianças, cabia apenas traque de massa, ou de sala, para os menores,  estrelinhas e cobrinhas para os maiores. Os fogos são sempre muito perigosos e requerem muito cuidado.

  E vamos à mesa, a festa culmina ao redor da mesa, como todos os eventos importantes da vida. A mesa fica servida para quem chegasse. Comer é um ato de comemoração e festa. (Junho de 2015)


Suely Telma Vieira Costa ( Lila Costa)   é Membro da Academia  Escadense de Letras – AELE e da Academia Morenense de Letras e Artes – AMLA.

Este texto expressa exclusivamente a opinião do autor e foi publicado da forma como foi recebido, sem alterações pela equipe do Entrelaços.


busca
autores

Autores

biblioteca

Biblioteca

Entrelaços do Coração é uma revista online e sem fins lucrativos compartilhada por diversos autores. Neste espaço, você encontra várias vertentes da literatura: atualidades, crônicas, reportagens, contos, poesias, fotografias, entre outros. Não há linha específica a ser seguida, pois acreditamos que a unidade do SER é buscada na multiplicidade de ideias, sonhos, projetos. Cada autor assume inteira responsabilidade sobre o conteúdo, não representando necessariamente a linha editorial dos demais.
Poemas Silenciosos

Flickr do (Entre)laços

ExposiçãoDesenhos

Série "Natureza"

Série Natureza

DeJanelaEmJanela

DeCostas

Série "Detalhes"

Série "MoradaImprovisada"

Série Morada Improvisada

Finados

Tratando de peixe

Série Flores

Série Flores

Esporte na Colônia

Série Natureza 01

Série Natureza 05

Caxambu

Caxambu

Caxambu - 02

Caxambu - 01

Penumbra...

Aglomeração...

Portão florido...

Barra Palace

Conjunto Harmonioso...

Reunião privada...

Espaços ocupados...

Arquitetura Perfeita...

Convergência II

Convergência I