[email protected]

Cada dia de nossa vida é vivido sob o olhar de Deus. E da nossa parte deve haver esse desejo de viver, de caminhar sob o olhar de Deus, conscientes de nossas fragilidades, mas também com a convicção de que somos profundamente amados. E o olhar de Deus é um “olhar insistente e sério” como diz um grande poeta.

Com freqüência encontramos na Sagrada Escritura esta palavra: “caminha na minha presença”. Encontramos isso ao longo de toda a História da Salvação e, de outro modo, nos Evangelhos.

Eis porque somos continuamente convidados a permanecer em Deus com uma consciência mais aguda de Deus: de Deus que nos vê; de Deus que nos olha, mas também e, sobretudo, de Deus que nos ama. São Bento que fez essa experiência de maneira muito forte fez também essa recomendação aos seus discípulos e a colocou em sua regra: “Caminha na presença de Deus. Caminha sob o olhar de Deus”.

Na Sagrada Escritura encontra-se outra afirmação que merece a nossa atenção. “Ele, porém, conhece o meu caminho” (Jó 23, 9), isto é, a minha conduta, todos os meus passos; até os meus passos interiores, os mais difíceis de conhecer. Deus tudo vê e tudo conhece. Aos seus olhos nada há que possa estar escondido, sob pregas. E saber que Deus conhece todos os nossos passos nos incomoda, mas, ao mesmo tempo, nos dá paz.

O olhar de Deus incomoda, porque é um olhar que vê todos os espaços de nossa vida, é um olhar criador que faz caírem todos os disfarces com que nos cobrimos a nós mesmos; que faz cair a imagem razoável e apresentável que temos de nós mesmos. Estar sob o olhar de Deus com simplicidade, sem problemas, faz com que apareçamos aos nossos próprios olhos tal como somos e não segundo a idéia que tínhamos de nós.

O olhar de Deus é perscrutor, afasta todas as desculpas a que recorremos para justificar nossa conduta. Esse olhar de Deus faz-nos compreender a responsabilidade que temos e o dever a cumprir, evitando o que acontece com freqüência, os falsos pretextos e as razões sem razão.

O olhar de Deus é com um farol de um automóvel, ao atravessar uma região de nevoeiro, ajuda a ver a sinalização da estada. Quando nos pomos sob o olhar de Deus, o nosso caminho e toda a realidade da nossa vida ficam verdadeiramente demarcados, tornam-se claros. Portanto, não é bom alimentar, consciente e voluntariamente, neblinas equívocas. Elas não permitiriam ver claro, e nos conservariam vivendo mais comodamente, mas seria uma vida ilusória.

Mais do que incômodo, colocar-nos sob o olhar de Deus, nos conduz a uma experiência de paz. E isso por várias razões. E a razão fundamental é que o olhar de Deus é sempre criador e re-criador. Se Deus deixasse por um só instante de nos olhar, o que aconteceria? O salmista responde: “voltaríamos ao pó, pois é o que temos de próprio”.  Colocamo-nos sob o olhar de Deus, e nos mantemos sob Seu olhar, porque esse olhar é vivificante e rejuvenescedor. Neste tempo histórico que carrega as marcas profundas e desastrosas da pós-modernidade, quando tudo precisa renascer das cinzas, temos necessidade de uma renovação interior profunda. Permanecendo sob o olhar eterno e infinitamente rejuvenescedor de Deus, teremos a coragem necessária para nos manter em estado de vida nova, a partir desse olhar, e nos renovar segundo a sua Palavra criadora e redentora, pelo Seu olhar criador e recriador.

A segunda razão é que o olhar de Deus é um olhar de amor. A nossa vida, repito, é vivida sob o olhar de Deus e, portanto, nesta dinâmica: Deus nos olha e nós nos deixamos olhar por ele. Deus nos ama e nós nos deixamos amar por ele. Creio que isto nos deixa em paz.

Lembro ainda outro exemplo do Evangelho. Jesus no decurso de sua Paixão encontra o olhar de Pedro que o havia traído. O encontro desses dois olhares tem como conseqüência o que já conhecemos. Pedro ficou profundamente abalado, mas também profundamente feliz na sua grande dor, que se traduziu num mar de lágrimas – “ele chorou amargamente”.

Esse exemplo de Pedro nos oferece uma terceira razão: o olhar amoroso de Deus quando acolhido torna-nos capazes de amar. Transforma a vida, numa vida à imagem desse amor que se expressa no olhar. E Pedro, então, convertido pelo olhar amoroso de Jesus, poderá dizer depois: “Tu sabes que eu te amo”. O olhar amoroso de Jesus que transformou a vida de Pedro, o tornou capaz de amar. Todos nós, no íntimo de nosso ser, queremos aprender a amar a partir do olhar amoroso de Deus para sermos mais capazes do anúncio desse amor.

Deus nos enche de alegria com o seu olhar, com o seu rosto. Esta deve ser a nossa certeza. Como não será uma grande alegria, uma grande felicidade, sentir-se envolvido, atraído por esse olhar criador, por esse olhar de amor? Precisamos aprender sempre de novo a assumir a vida com a alegre certeza de quem se sabe conhecido e amado. Conhecido não por qualquer conhecimento, mas por um conhecimento de amor, do amor de Deus.

Vamos reaprender a viver nossa existência sob o olhar de Deus, reconhecendo que, muitas vezes, estamos inclinados para o contrário, isto é, pretendemos viver a partir de nós próprios: nossos projetos, sentimentos, previsões, inquietações, apreensões, etc… Mas a nossa vida, na verdade, deve ser vivida na submissão a Deus que jamais se deixa possuir, alcançar e diante de Quem só há uma atitude adequada: adoração e submissão. A fecundidade de nossa vida dependerá da contínua e amorosa submissão a Deus que nos olha com amor.

Este texto expressa exclusivamente a opinião do autor e foi publicado da forma como foi recebido, sem alterações pela equipe do Entrelaços.


busca
autores

Autores

biblioteca

Biblioteca

Entrelaços do Coração é uma revista online e sem fins lucrativos compartilhada por diversos autores. Neste espaço, você encontra várias vertentes da literatura: atualidades, crônicas, reportagens, contos, poesias, fotografias, entre outros. Não há linha específica a ser seguida, pois acreditamos que a unidade do SER é buscada na multiplicidade de ideias, sonhos, projetos. Cada autor assume inteira responsabilidade sobre o conteúdo, não representando necessariamente a linha editorial dos demais.
Poemas Silenciosos

Flickr do (Entre)laços

ExposiçãoDesenhos

Série "Natureza"

Série Natureza

DeJanelaEmJanela

DeCostas

Série "Detalhes"

Série "MoradaImprovisada"

Série Morada Improvisada

Finados

Tratando de peixe

Série Flores

Série Flores

Esporte na Colônia

Série Natureza 01

Série Natureza 05

Caxambu

Caxambu

Caxambu - 02

Caxambu - 01

Penumbra...

Aglomeração...

Portão florido...

Barra Palace

Conjunto Harmonioso...

Reunião privada...

Espaços ocupados...

Arquitetura Perfeita...

Convergência II

Convergência I