Emanuela Cristo  Quaresma

[email protected]

Parte III –“DEIXAI-VOS RECONCILIAR COM DEUS” (2 COR 5,20)

Situando-nos 

Quarenta dias antes da Páscoa, a Igreja inaugura solenemente o tempo forte de conversão – a Quaresma – em preparação à celebração da Páscoa: é a Quarta feira de Cinzas.

            Neste dia, após a Liturgia da Palavra, na qual se proclama, no Evangelho, a recomendação de Jesus sobre a oração, o jejum e a esmola, como exercícios de conversão (cf Mt 6,1-6.16-18), realiza-se o rito da imposição das cinzas, sinal de penitência, no sentido de conversão. Reconhecemos a nossa condição de criaturas limitadas, mortais e pecadoras. “Convertei-vos e crede no Evangelho” (Mc 1,15): ouvimos no gesto da imposição das cinzas sobre nossas cabeças. A conversão consiste em crer no Evangelho. Crer é aderir a ele, viver segundo os ensinamentos do Senhor Jesus.

            Certamente, não é fácil aceitar ser cinza. Contudo, a fé em Jesus Cristo ressuscitado faz com que a vida renasça das cinzas. Jesus Cristo faz brotar a vida, onde o ser humano reconhece sua condição de criatura necessitada da ação de Deus: é entrar na atitude pascal.

            A Campanha da Fraternidade inicia, neste dia, na Igreja do Brasil, com o tema “Fraternidade: Igreja e Sociedade”. E o lema: “Eu vim para servir” (cf Mc 10,45).

Recordando a Palavra

A Quaresma começa, hoje, fazendo ecoar novamente em nossos ouvidos as inquietantes palavras do profeta Joel: “rasgai o coração, e não as vestes” (2,13a). Após descrever a invasão dos gafanhotos, presságio de que está próximo o dia de Javé (2,1), o profeta mostra que, para o juízo de Deus, não basta preparar-se com um rito penitencial meramente exterior (“rasgar as vestes”), que não seja acompanhado do gesto interior de mudança de vida (“rasgar o coração”). É preciso que o ser humano, em sua inteireza, se volte para Deus. Assim, criaremos em nós o espaço para que a graça de Deus nos refaça e nos preencha. Nosso Deus é misericórdia, e toma sempre de novo, a iniciativa de nos perdoar.

                 Com o Sl 50(51) respondemos à exortação do profeta Joel. Este salmo nos transporta do mundo do pecado para o reino da graça. Confessando-nos pecadores e pedindo o perdão de Deus, começamos a ressuscitar: “dai-me de novo a alegria de ser salvo” (Sl 50(51),14).

                 Paulo nos convoca, em nome de Cristo, a nos deixar reconciliar com Deus, a não deixar passar em vão a sua graça (cf 2Cor 5,20.6,1). E o Senhor nos diz: ”no momento favorável eu te escutei, no dia da salvação eu te ajudei” (Is 49,8). “É agora o momento favorável, é agora o dia da salvação” (cf 2Cor 6,2). O movimento da reconciliação começa com a iniciativa divina. Cabe a nós deixar-nos reconciliar com ele.

                 O Evangelho repete três vezes: “o Pai vê o que está oculto”. Ele sabe o que se passa dentro de nós, conhece nossas verdadeiras intenções e os valores para os quais orientamos nossa vida. A oração, a esmola e o jejum, as “obras de piedade” do judaísmo antigo, são gestos que marcam a nossa experiência com Deus, mas podem ser pura exterioridade, não terem ligação alguma com o nosso coração. O Pai é quem sabe com que intenção eu rezo, faço caridade e jejuo.

Atualizando a Palavra

Tendo escutado com o ouvido do coração a Palavra proclamada na celebração, resta-nos atualizá-la. Entramos em diálogo com Deus, fazendo perguntas que procuram trazer o texto para dentro do horizonte da nossa vida. O que há de semelhante e de diferente entre a situação do texto e a nossa vida de hoje? O que a mensagem destes textos diz para a nossa situação concreta? Que mudança de comportamento sugere para nós, que vivemos no Brasil, em tal região, em tal cidade?

                 A conversão quaresmal para a qual os textos bíblicos apontam é sempre um caminho de reconhecimento de nossa condição de criaturas limitadas, pecadoras. Conversão é mudança de vida, que consiste em crer no Evangelho, isto é, aderir a ele, viver segundo o ensinamento de Jesus, entrar no caminho pascal de Jesus que é caminho de salvação.

                 Reconhecer-nos necessitados da ação de Deus em Cristo e no Espírito coloca-nos em uma atitude pascal, faz-nos passar, com Cristo, da morte para a vida.

                 A conversão quaresmal é também um caminho de amor e solidariedade: quem se converte a Deus, encontra e reencontra os irmãos e irmãs, fortifica-se no espírito fraterno e cresce no aprendizado da misericórdia.

                 A Campanha da Fraternidade, que celebramos na Quaresma nos estimula a abrir o coração ao que o Senhor pede a cada um de nós em particular e a sintonizar com a realidade social, política, econômica e cultural na qual vivemos.

                 Em contraposição à Cultura Moderna, caracterizada pelo individualismo, relativismo,  fundamentalismo e pelo consumismo exacerbado, que gera a cultura do descartável, “encontra-se  em muitos homens e mulheres, crentes ou não, os sinais da formação de uma nova Cultura, que respeita e ajuda a desenvolver a pluridimensionalidade da pessoa humana, sua autonomia e abertura ao outro e a Deus.

                 Esta Cultura em formação é marcada pelo respeito à consciência de cada um, pela tolerância e abertura à diferença e multiculturalidade, pela solidariedade com todo o criado, a rejeição da injustiça e uma nova sensibilidade para com os pobres” [1].

                 Uma verdadeira conversão do coração atinge todas as dimensões de nosso ser e repercute em nossas relações com as pessoas, na sociedade em que vivemos, em sintonia com a ação e o anúncio de Jesus Cristo cuja centralidade é o projeto do Reino de Deus: serviço, luta por dignidade, por justiça e igualdade.

Ligando a Palavra com a ação eucarística

Em todas as celebrações litúrgicas, somos desafiados a viver a ligação entre fé e vida. O mistério pascal de Jesus Cristo celebrado na liturgia, ou seja, o mistério de sua morte-ressurreição precisa ser vivido no dia-a-dia, tanto individual como comunitariamente.

                 Na Quaresma, celebramos a Páscoa de Jesus em cada um/a que se volta ao Senhor de todo o coração e pratica o que é agradável aos seus olhos.

                 Exortados à reconciliação com Deus, neste início da Quaresma, participamos da mesa da Palavra e da mesa da eucaristia, que nos convidam a nos desprendermos dos nossos bens e dividi-los com os outros.

                 Trazemos para a eucaristia os acontecimentos da vida, a realidade pessoal e política. A Eucaristia que celebramos é expressão dinâmica do Cristo Ressuscitado e do Espírito vivificador, que está presente em tudo, renova todas as coisas, transforma nossos corações, fazendo-nos buscar mais profundamente a coerência com o projeto de Deus.

                 Os textos bíblicos proclamados nesta Quarta-feira de Cinzas se tornam Palavra viva, Palavra que alimenta nossas vidas. Deus continua atuando nos acontecimentos de nossa vida diária e em nossa caminhada histórica.

                 A nossa atenção amorosa e a abertura do nosso coração nos ajudam a perceber, nas leituras proclamadas, a presença ativa e libertadora de Deus em nossa vida pessoal, comunitária e social. Isto nos ajuda a reconhecer, nos textos sagrados do Primeiro e do Segundo Testamentos, nossa própria vida, nossa história atual, a história de nossa comunidade, da sociedade em que vivemos. Neste tempo favorável, a Palavra proclamada na liturgia nos motiva à conversão, à mudança de vida, à intensificação da oração, do jejum, de gestos concretos de solidariedade.

                 Para melhor vivermos a liturgia eucarística, precisamos voltar à última ceia de Jesus. Ele celebrou a ceia na noite em que ia ser entregue. E todas as vezes que celebramos a eucaristia, há pessoas sendo entregues, sofrendo perseguição, passando fome, sendo injustiçadas em nosso país, em nossa região, em nossa cidade.

                 A eucaristia é sinal profético, que antecipa e apressa o Reino de Deus, que é Reino de fraternidade, de partilha. A eucaristia é sinal de um mundo sem fome, sem miséria, sem exclusão.

                 O projeto de uma nova sociedade, de uma nova Cultura, proposto pela Campanha da Fraternidade 2015, é anunciado na celebração da eucaristia, que é sinal profético, “escola” de cidadania, de convivência respeitosa, justiça e solidariedade; exercício de partilha e de distribuição de bens.

Sugestões para a celebração

 1 – Recordamos, mais uma vez, que a Quaresma requer sobriedade, despojamento, austeridade. O clima geral é de recolhimento, retiro. De outro lado, devemos valorizar e destacar o que é realmente essencial para a celebração do mistério de Cristo, ou seja, o altar, o ambão, a cadeira presidencial e a pia batismal.

2 – A celebração da Quarta-feira de Cinzas se realiza na missa, na celebração da Palavra ou no Ofício Divino. A cinza deverá estar preparada antecipadamente, se possível, com a queima dos ramos usados no Domingo de Ramos do ano anterior. Lembram, portanto, o Cristo vitorioso sobre a morte: a palma é símbolo de vitória. As cinzas que recebemos na testa ou na cabeça são sinal de penitência, de conversão, de arrependimento e luto pelo pecado, colocando-nos no caminho de conversão em preparação à Páscoa. Colocar a vasilha na qual estão as cinzas, em um lugar visível para a assembleia.

3 – Neste dia, é feito o lançamento da Campanha da Fraternidade, de preferência, após a homilia. Sugere-se, pois, que participem da procissão de entrada uma pessoa levando a cruz, o presidente, os ministros ou a equipe de celebração e pessoas com o cartaz da CF 2015, que será apresentado na frente e posto em lugar que possa ser bem visualizado.

4 – É importante que a homilia seja bem preparada e ajude a comunidade a dar uma resposta adequada à Palavra, na celebração e na vida. É o momento do confronto entre a Palavra proclamada, que nos exorta à penitência, à mudança de vida, à retomada do caminho do Evangelho: Converte-te e crê no evangelho! Convém mostrar, na homilia, a ligação entre a imposição das cinzas e o tema da CF.

5 – Os cantos carregam a “marca” do tempo litúrgico celebrado. E os cantos de Quaresma são cantos que brotam “das profundezas do abismo”, em que nos colocaram nossos pecados (Sl 130) [2]. Dispomos de um bom repertório de cantos de Quaresma, conforme já mencionamos anteriormente. A repetição de cantos conhecidos nos ajuda a vivenciar o mistério celebrado, a fazer uma experiência penitencial. Repetindo cantos como: “Senhor, eis aqui o teu povo”, “Reconciliai-vos com Deus”, “Pecador, agora é tempo”, “Agora o tempo se cumpriu” e outros, recordamos e revivemos o Mistério que encerram estes quarenta dias, nos quais somos convidados a nos aproximar mais de Deus, na oração pessoal e comunitária, escutando sua palavra e deixando que ele purifique a nossa fé.

Obs: a) publicado pela CNBB nacional.
b) Com autorização da autora, alguns subtítulos foram alterados para a postagem.
c) imagem enviada pela autora (retirada da internet)

 

[1] Texto Base da CF 2015 – VER n.57-58.

[2] Hinário Litúrgico da CNBB, 2º Fascículo. Introdução. p.5.

Este texto expressa exclusivamente a opinião do autor e foi publicado da forma como foi recebido, sem alterações pela equipe do Entrelaços.


busca
autores

Autores

biblioteca

Biblioteca

Entrelaços do Coração é uma revista online e sem fins lucrativos compartilhada por diversos autores. Neste espaço, você encontra várias vertentes da literatura: atualidades, crônicas, reportagens, contos, poesias, fotografias, entre outros. Não há linha específica a ser seguida, pois acreditamos que a unidade do SER é buscada na multiplicidade de ideias, sonhos, projetos. Cada autor assume inteira responsabilidade sobre o conteúdo, não representando necessariamente a linha editorial dos demais.
Poemas Silenciosos

Flickr do (Entre)laços

ExposiçãoDesenhos

Série "Natureza"

Série Natureza

DeJanelaEmJanela

DeCostas

Série "Detalhes"

Série "MoradaImprovisada"

Série Morada Improvisada

Finados

Tratando de peixe

Série Flores

Série Flores

Esporte na Colônia

Série Natureza 01

Série Natureza 05

Caxambu

Caxambu

Caxambu - 02

Caxambu - 01

Penumbra...

Aglomeração...

Portão florido...

Barra Palace

Conjunto Harmonioso...

Reunião privada...

Espaços ocupados...

Arquitetura Perfeita...

Convergência II

Convergência I