do11dete1

”Dorme filhinho, meu bem
Anjos dos céus logo vêm,
Junto ao teu berço vigiar
E docemente cantar… ”

          É a majestade materna diante do trono do recém-nascido, exaltando-lhe a realeza com uma maviosa canção de ninar.

Assim atua e continuará atuando por toda a vida, aquela que tem o nome ímpar de MÃE, cuja rima ainda não foi descoberta pelos eruditos e filólogos e que, de início, SINGULARMENTE carrega dentro de si apenas a origem e a raiz da vida.

Depois, PLURALIZA-SE, multiplicando suas atribuições, velando o sono do pequenino rei, cuidando de sua saúde, dando-lhe paz, felicidade, AMOR. Age, luta, trabalha, alimenta, ensina, protege e, sobretudo, AMA.

Esta é uma metamorfose que santifica e quase diviniza a emblemática figura da MÃE.

Metamorfose que transforma milagrosamente a palavra MÃE do SINGULAR, pois, é única para cada um, no PLURAL do universo de fatos e realidades que
envolvem a simbiose MÃE-FILHO.

MÃE quer dizer FILHO. MÃE quer dizer AMOR.
São as lágrimas maternas quando os filhos crescem, separam-se, partem … O sofrimento é o preço do AMOR.

São os risos benfazejos quando os filhos voltam, vencem, são bem-sucedidos …

A trajetória materna é realmente heróica, santa, inigualável desde o conceber o filho no seu ventre acolhedor, dispensando-lhe cuidados e condições vitais humanas, psíquicas e emocionais até a infância, adolescência, juventude, maturidade, velhice.

Diz um bem conhecido adágio: A mulher carrega o filho no seu útero por nove meses, no colo por dois anos e no coração por toda a vida.

O pensamento exclusivo, o desejo exclusivo da MÃE é a completa e verdadeira felicidade do filho.

MÃE e FILHO se completam, misturam-se, confundem-se e são autenticamente a concretização do sentimento máximo da humanidade – O AMOR.

Na condição de MÃE, quero atribuir todas as honras às MÃE do mundo inteiro e devotar-lhes gratidão, carinho e muito AMOR, alertando-lhes ainda que há maior mérito em lembrar-se mais de suas responsabilidades do que de seus privilégios.

A autêntica MÃE considera o FILHO como o seu mundo, sua vida, seu tesouro, sua riqueza.

Lembremos aqui um fato acontecido há milhares de anos. Perguntando certa
vez a Cornélia, uma grande e rica dama romana, como eram as suas jóias, ela simplesmente respondeu:
MEUS FILHOS SÃO AS MINHAS JÓIAS.

Obs: Texto retirado do livro da autora – Retalhos do cotidiano.

Este texto expressa exclusivamente a opinião do autor e foi publicado da forma como foi recebido, sem alterações pela equipe do Entrelaços.


busca
autores

Autores

biblioteca

Biblioteca

Entrelaços do Coração é uma revista online e sem fins lucrativos compartilhada por diversos autores. Neste espaço, você encontra várias vertentes da literatura: atualidades, crônicas, reportagens, contos, poesias, fotografias, entre outros. Não há linha específica a ser seguida, pois acreditamos que a unidade do SER é buscada na multiplicidade de ideias, sonhos, projetos. Cada autor assume inteira responsabilidade sobre o conteúdo, não representando necessariamente a linha editorial dos demais.
Poemas Silenciosos

Flickr do (Entre)laços

ExposiçãoDesenhos

Série "Natureza"

Série Natureza

DeJanelaEmJanela

DeCostas

Série "Detalhes"

Série "MoradaImprovisada"

Série Morada Improvisada

Finados

Tratando de peixe

Série Flores

Série Flores

Esporte na Colônia

Série Natureza 01

Série Natureza 05

Caxambu

Caxambu

Caxambu - 02

Caxambu - 01

Penumbra...

Aglomeração...

Portão florido...

Barra Palace

Conjunto Harmonioso...

Reunião privada...

Espaços ocupados...

Arquitetura Perfeita...

Convergência II

Convergência I