Jose-Albertoatualizado

Ex-Director do INETI (Coimbra)
([email protected])

 Graças à magia da memória, tudo surge à minha frente e à minha volta, como se estivesse no miradoiro do tempo, enquanto a esperança do governo parece mais uma maldição do que um augúrio. Sabemos que vimos dos ventos e que a eles voltaremos, dado que a vida não passa de um nó na tranquilidade eterna. Tempos houve, durante os quais, fugidos e flagelados, os emigrantes chegavam à gare de Austerlitz para inundar Paris com os seus cestos de vime, sacos de serapilheira e malas de cartão, contendo as preciosas misérias de um país, para depois chorar e limpar os olhos impregnados desse indefinível sentimento que se dá pelo nome de saudade.  

Por tradição, o país vive o futuro preso à necromancia expressa na evocação dos heróis que fizeram de Portugal uma potência hegemónica, que calcorreou vários oceanos e continentes. Como diz Jaime Nogueira Pinto, no seu livro “Ascensão e Queda de Portugal” vivemos num limbo virtual, que é uma espécie de purgatório entre a mediana sobrevivência de uma União Europeia, que não sabe para onde vai, e as vagas memórias de uma grandeza passada.

Quer os políticos queiram quer não, o certo é que o país está acorrentado à irracionalidade da angústia que precede o pânico, ali bem amarrado pela corda nodosa e vulnerável da demagogia, expressa por mentirosos de terceira linha. Mário Soares, Sá Carneiro, Freitas do Amaral e Álvaro Cunhal ainda eram pessoas coerentes e respeitáveis, gostasse-se ou não das ideias que perfilavam, enquanto hoje somos governados por gente que não abraça causas sociais, mas tão-somente interesses pessoais. Não é por isso de admirar que a irracionalidade da angústia espalhe o pânico, muito em especial quando a demagogia se transforma no elo mais vulnerável do ato de fazer política.

Infelizmente, por debaixo das bravatas irónicas desta politiquice dispendiosa, encontra-se uma maioria de almas tão vulneráveis que até um qualquer diabo desencartado sabe o que deve fazer delas, enquanto as cidades exprimem a repulsa sobre o olhar atónito do campo. Trata-se de uma situação embaraçosa que incendeia a comiseração, muito embora existam setores da sociedade que festejam, com desdém, a indulgência passiva enleada em desprezo, quantas vezes untada com mentiras e promessas falsas, esquecendo-se que este procedimento é um investimento de risco em época de turbulência económica e financeira. O valor da abstenção nas recentes eleições revela que Portugal e a União Europeia trilham maus caminhos.

Não quero dizer com isto que o PM viva, de modo alienado, uma existência eivada de perverso deleite, mas vive certamente de vislumbres que têm o selo da anestesia perante o sofrimento dos mais carenciados, dos doentes, dos velhos e até dos novos sem trabalho. Hoje, na animação do paraíso democrático, já ninguém entrega ninguém. A maioria dos políticos sofisticou-se e aprendeu a vender-se a si próprio, enquanto o povo imbuído de uma fúria escurentada, sem pinga de ânimo, olha o futuro encolhido no recanto das amarguras, à espera do alívio etéreo. O sistema está a evoluir no mau sentido e vai apodrecendo por dentro. Infelizmente, as exceções não abundam, mas é nas exceções que a esperança tem de residir. O tempo é demasiado curto e a solidez da situação cavernosa parece ter fundações profundas, facto que desinquieta a paz, conferindo ao futuro um travo maligno de obscura inocência. Cegueira e ansiedade fundem-se numa única substância que além de ser opressiva é também temporal.

«Animus meminisse horret» foram as palavras com que Eneias iniciou a narrativa dolorosa do cerco de Troia.

Este texto expressa exclusivamente a opinião do autor e foi publicado da forma como foi recebido, sem alterações pela equipe do Entrelaços.


busca
autores

Autores

biblioteca

Biblioteca

Entrelaços do Coração é uma revista online e sem fins lucrativos compartilhada por diversos autores. Neste espaço, você encontra várias vertentes da literatura: atualidades, crônicas, reportagens, contos, poesias, fotografias, entre outros. Não há linha específica a ser seguida, pois acreditamos que a unidade do SER é buscada na multiplicidade de ideias, sonhos, projetos. Cada autor assume inteira responsabilidade sobre o conteúdo, não representando necessariamente a linha editorial dos demais.
Poemas Silenciosos

Flickr do (Entre)laços

ExposiçãoDesenhos

Série "Natureza"

Série Natureza

DeJanelaEmJanela

DeCostas

Série "Detalhes"

Série "MoradaImprovisada"

Série Morada Improvisada

Finados

Tratando de peixe

Série Flores

Série Flores

Esporte na Colônia

Série Natureza 01

Série Natureza 05

Caxambu

Caxambu

Caxambu - 02

Caxambu - 01

Penumbra...

Aglomeração...

Portão florido...

Barra Palace

Conjunto Harmonioso...

Reunião privada...

Espaços ocupados...

Arquitetura Perfeita...

Convergência II

Convergência I