Janeiro 2012.

  1. Nestes dias, falou-se muito do goleiro Marcos que resolveu aposentar-se, depois de muitos anos, no time do Palmeiras. Ele que resume, na sua figura e postura, a mística do Verdão, não teve coragem de anunciar sua saída porque a decisão, de ficar ou sair, lhe era igualmente dura. Para permanecer teria que suportar as dores, contidas por medicamentos, e conviver com a diferença entre a vontade que comanda e o corpo que já não obedece, na mesma presteza. Já para sair, significa o início da invisibilidade de quem sai do foco, o fim do prazer de jogar, o vazio da convivência com os colegas, o carinho dos fás, o rebaixamento salarial e o desafio de pensar no que fazer, a seguir.
  2. Em todos os campos, é sempre difícil entender e admitir a hora exata de sair. Não pode ser antes, para não parecer abandono, arrefecimento da paixão…; não pode ser depois porque, então, a contribuição já seria dispensável, ou até um obstáculo. Os bons conselhos dizem que se deve sair “em alta”, em momento produtivo. E que todo o segredo reside no equilíbrio entre pressa e lentidão, percepções aparentemente contraditórias. Em toda decisão há sempre algo como um “salto no escuro”. A convicção da causa e o senso de responsabilidade podem ser a bússola para discernir, ou vislumbrar, a hora de sair de cena e permitir que “outros cresçam”, no interesse da equipe, do grupo, do povo.
  3. No permanente jogo pela dignidade humana, a militância não tem hora de “pendurar a chuteira”. Porque essa paixão é uma entrega, até ao extremo, para a construção de uma nova ordem social. Se não se pode mudar de luta, se pode e se deve, mudar de esquina, de ritmo. Quando uma árvore cresce muito e se enraíza, ainda que não pretenda, impede que novas floresçam, à sua volta. Além disso, o tempo traz a tentação da perpetuação das formas de ver e de atuar, até como maneira de dissimular a insegurança, a caduquice e a natural “fadiga de material”. Sem falar na fantasia, nada humilde, das experiências absolutizadas ou das pessoas “insubstituíveis” que ao continuar, atrasam.
  4. É verdade que sendo cada pessoa um ser único, ela é, de certa forma, insubstituível. Outra pessoa igual a ela não existe, pois, ninguém substitui ninguém. A chegada do novo não é para substituir os precedentes da antiga ordem. O novo vem para dar continuidade a uma causa pertinente, em outro momento histórico. Porque, é preciso admitir que, diante dos novos desafios, nem sempre a idade nos faz sábios. Os tempos mudam e os humanos mudam com eles. Assim, a velha guarda não pode agarrar-se a segurança do já feito, mas racional e pedagogicamente, vencer a desconfiança na capacidade da nova geração e apostar na sua criatividade de propor novas formas de encarar o presente.
  5. A tarefa educativa exige encantamento, vigor renovado e respostas adequadas a cada novo tempo. Por isso, uma saída responsável será um ato de reconhecimento de que “a fila anda” e a profissão de fé na nova geração que, a seu modo, terá capacidade, criatividade e dedicação para seguir nessa batalha pelo resgate da vida fraterna, sempre. Será, simultaneamente, um ato de coragem largar um reconhecimento construído, muitos afetos, a profissão, a sustentação… Seria, talvez, a suprema atitude, humilde e pedagógica, de alguém que tendo colocado seu grão de areia, agora, sem espalhafato, cede lugar ao novo e vai recomeçar, em outro posto de luta.

Este texto expressa exclusivamente a opinião do autor e foi publicado da forma como foi recebido, sem alterações pela equipe do Entrelaços.


busca
autores

Autores

biblioteca

Biblioteca

Entrelaços do Coração é uma revista online e sem fins lucrativos compartilhada por diversos autores. Neste espaço, você encontra várias vertentes da literatura: atualidades, crônicas, reportagens, contos, poesias, fotografias, entre outros. Não há linha específica a ser seguida, pois acreditamos que a unidade do SER é buscada na multiplicidade de ideias, sonhos, projetos. Cada autor assume inteira responsabilidade sobre o conteúdo, não representando necessariamente a linha editorial dos demais.
Poemas Silenciosos

Flickr do (Entre)laços

ExposiçãoDesenhos

Série "Natureza"

Série Natureza

DeJanelaEmJanela

DeCostas

Série "Detalhes"

Série "MoradaImprovisada"

Série Morada Improvisada

Finados

Tratando de peixe

Série Flores

Série Flores

Esporte na Colônia

Série Natureza 01

Série Natureza 05

Caxambu

Caxambu

Caxambu - 02

Caxambu - 01

Penumbra...

Aglomeração...

Portão florido...

Barra Palace

Conjunto Harmonioso...

Reunião privada...

Espaços ocupados...

Arquitetura Perfeita...

Convergência II

Convergência I