Num passado não muito longínquo, no decorrer de um dos seus incontáveis e memoráveis discursos, o papa do Direito, o ícone do saber brasileiro, o imortal Rui Barbosa afirmou: “A América não é dos americanos. A AMÉRICA É DA HUMANIDADE.”
          Esta afirmativa, além de apregoar a universalidade das nações, está em perfeita consonância com os divinos planos do CRIADOR, pois a Terra e todo o universo foram arquitetados, amorosa e poderosamente construídos para todos os homens, irmãos e filhos do mesmo PAI.
          Lembremos também de que a Pátria não está restrita a uma pessoa, a um grupo de pessoas, a uma seita ou a um sistema do governo. “A Pátria não é ninguém. Não TODOS”.
          Disse ainda o inigualável orador acima citado que a Pátria é o céu, o solo, o povo, a consciência, o lar, o berço dos filhos, o túmulo dos antepassados, a comunhão das leis, da língua, da LIBERDADE.
          Esta é, com certeza, entre todas as prerrogativas humanas, a que mais enobrece e define a cidadania.
          E numa feliz analogia, digamos com o grande poeta Castro Alves: “A praça é do povo, como o céu é do condor.”
          O homem é realmente detentor do direito de pensar e expressar livre e indefinidamente as suas idéias, os seus pensares a todos os concidadãos da grande Pátria TERRA.
          Do mesmo modo, àquele pássaro cabe voar, voar infinitamente nos mais altaneiros espaços.
          Entretanto, contrapondo-se a todas estas considerações, existe uma adversa e diferente pretensão.
          São os norte-americanos querendo usurpar os inalienáveis e sagrados direitos do homem, extorquindo-lhe a terra, as posses, a dignidade e até a própria vida.
          Ambicionam desregradamente o petróleo e, quem sabe, o curso d’água.
          Eles querem, contrariando os desígnios de Deus e o destino dos habitantes terrestres, tornar-se o dono, o proprietário número um do nosso Planeta. São apologistas da guerra, pregando hipocritamente a PAZ.
          Diante do terrível caos mundial de guerras, ambições e ódio, sentimo-nos, muitas vezes, desanimados e desesperançosos.
          Mas, algo de animador nos fortifica e anima, pois, parece que um novo mundo está a surgir, que os corações estão se comovendo e as almas se convertendo em busca da UNIDADE.
          Um exemplo dessa milagrosa realidade foi a receptividade despertada em várias potências européias ao projeto FOME ZERO, por ocasião do FÓRUM ECONÔMICO MUNDIAL, na Suíça.
          Esperamos que os nossos irmãos do NORTE adiram também a essa benfazeja conversão.
          Enfim, cultuemos e vivenciemos com entusiasmo, convicção e sobretudo AMOR, o grande e abençoado sentimento que une os HOMENS e salva o MUNDO:
          A FRATERNIDADE!…
(*) Autora do livro – Retalhos do Cotidiano.
Este texto expressa exclusivamente a opinião do autor e foi publicado da forma como foi recebido, sem alterações pela equipe do Entrelaços.


busca
autores

Autores

biblioteca

Biblioteca

Entrelaços do Coração é uma revista online e sem fins lucrativos compartilhada por diversos autores. Neste espaço, você encontra várias vertentes da literatura: atualidades, crônicas, reportagens, contos, poesias, fotografias, entre outros. Não há linha específica a ser seguida, pois acreditamos que a unidade do SER é buscada na multiplicidade de ideias, sonhos, projetos. Cada autor assume inteira responsabilidade sobre o conteúdo, não representando necessariamente a linha editorial dos demais.
Poemas Silenciosos

Flickr do (Entre)laços

ExposiçãoDesenhos

Série "Natureza"

Série Natureza

DeJanelaEmJanela

DeCostas

Série "Detalhes"

Série "MoradaImprovisada"

Série Morada Improvisada

Finados

Tratando de peixe

Série Flores

Série Flores

Esporte na Colônia

Série Natureza 01

Série Natureza 05

Caxambu

Caxambu

Caxambu - 02

Caxambu - 01

Penumbra...

Aglomeração...

Portão florido...

Barra Palace

Conjunto Harmonioso...

Reunião privada...

Espaços ocupados...

Arquitetura Perfeita...

Convergência II

Convergência I