A onipotência divina inexplicavelmente transformada em desígnios de bondade preparou o aconchego da felicidade para todas as suas criaturas.

Construiu então, com sabedoria, o edifício da vida.

E com um simples faça-se, criou a água, a terra, a luz, as plantas, os pequenos e grandes animais que desfrutaram de um ambiente de perfeita integração.

Enfim, o onipotente apresentou suas obras primas à natureza já criada. Primeiro, o homem, Adão, depois, numa arremate magistral, a mulher, Eva. “Esta foi criada para ocupar uma posição de honra no mais unido e mais sublime trono da glória da vida – a glória do homem”.

A primeira mulher não correspondeu ao pensamento divino, não foi fiel ao criador.

Culpada!… Foi a palavra que ouviu como veredito pronunciado por Deus, depois que ela escutou as diabólicas propostas do maligno tentador, comendo o fruto proibido e envolvendo ainda o marido em sua rebeldia e desobediência.

Eva não constestou a sentença e conformou-se com a sua condição de pecadora.

Com certeza, dessa malfazeja realidade surgiu o pretenso destino de inferioridade da mulher.

Entretanto, um fato inusitado revolucionou o recém-criado universo. Eva deu à luz um filho, o que jamais havia acontecido na criação.

Eva ficou tranquila, pois, sentiu e sabia que o senhor estava presente em sua pessoa. Considerou-se perdoada, feliz e santificada.

Era o milagre da maternidade que surgia para a salvação de toda a humanidade. A tamanha dimensão do acontecimento chegou a anular a ira de Deus, transformando-a em perdão, prêmio, graça e amor.

De culpada, Eva, que quer dizer mãe de todos os seres humanos tornou-se alvo de reparação e mérito.

A maternidade transformou a Terra em Céu.

E a mulher-mãe é o símbolo desta transformação privilegiada. Pois, a mulher coopera quase divinamente na obra da criação humana.

As honras e glórias da maternidade estão condicionadas às suas responsabilidades.

Educar, cuidar e amar os filhos, sofrendo, dando-se e doando-se continuamente… A maternidade é o gesto divino por excelência e a razão de ser de toda a criação.

Sem querer chegar ao exagero do que disse Victor Hugo, lembremos as suas palavras: A sociedade mais moralizada e, direi até, mais feliz é aquela em que todas as mulheres são mães, incluindo aqui aquelas, abnegadas mães que apenas espiritualmente se dedicam ao empenho da formação e guarda de numerosos e privilegiados filhos.

E unidas ao universo inteiro, genuflexas numa atitude de mais fervorosa prece, prestemos o nosso preito de gratidão, admiração, respeito e amor a todas as mães do mundo.

Mãe, palavra sagrada, cuja rima ainda não foi descoberta pelos filósofos e amantes da nossa língua.

Mãe, cujas incontáveis definições ainda não satisfazem à grandiosidade que a palavra encerra.

Por isso, alguém chegou até a afirmar que a melhor, mas completa e mais perfeita definição, de mãe é:

Mãe é mãe…

(*) Autora do livro – Retalhos do Cotidiano.

Este texto expressa exclusivamente a opinião do autor e foi publicado da forma como foi recebido, sem alterações pela equipe do Entrelaços.


busca
autores

Autores

biblioteca

Biblioteca

Entrelaços do Coração é uma revista online e sem fins lucrativos compartilhada por diversos autores. Neste espaço, você encontra várias vertentes da literatura: atualidades, crônicas, reportagens, contos, poesias, fotografias, entre outros. Não há linha específica a ser seguida, pois acreditamos que a unidade do SER é buscada na multiplicidade de ideias, sonhos, projetos. Cada autor assume inteira responsabilidade sobre o conteúdo, não representando necessariamente a linha editorial dos demais.
Poemas Silenciosos

Flickr do (Entre)laços

ExposiçãoDesenhos

Série "Natureza"

Série Natureza

DeJanelaEmJanela

DeCostas

Série "Detalhes"

Série "MoradaImprovisada"

Série Morada Improvisada

Finados

Tratando de peixe

Série Flores

Série Flores

Esporte na Colônia

Série Natureza 01

Série Natureza 05

Caxambu

Caxambu

Caxambu - 02

Caxambu - 01

Penumbra...

Aglomeração...

Portão florido...

Barra Palace

Conjunto Harmonioso...

Reunião privada...

Espaços ocupados...

Arquitetura Perfeita...

Convergência II

Convergência I