[email protected]

Pe. Sadoc sempre preferiu a data de ordenação sacerdotal como comemoração, à data de nascimento. Diz ele que não escolheu o nascimento mas a ordenação, sim, escolheu como momento de entrega e de serviço aos irmãos e ao próximo.

Por isso é que essa data sempre foi tão festejada pelos amigos. Cada ano o amigo Claudelino Miranda sempre organizou, além da missa na Vitória, um grande almoço para amigos especialmente convidados a fim de prestigiarem o ilustre aniversariante.

Este ano está sendo diferente, por conta da cirurgia a que o Pe. Sadoc teve que se submeter. Mas, graças a Deus, já está bem melhor e até já se fala na sua volta à casa mesmo que tenha que retornar eventualmente para exercícios de fisioterapia.

De fato, a data é magna, pois ele é o decano da Arquidiocese. Grande parte do clero ainda não tem 60 anos e ele, só de sacerdócio, já completa 69 anos e em plena lucidez.

Pe. Sadoc nasceu em Santo Amaro da Purificação no dia 20 de março de 1916 e se ordenou como padre no dia 30 de novembro de 1941, sendo a celebração na Sé com o 1º Cardeal D. Augusto. Seus pais: José Porcino e Esmeralda da Natividade. Ele é o segundo de 8 filhos: Mª das Dores (falecida), Gaspar Sadoc, Judite (falecida), Judite, Baltazar, Melchior, Domingas (falecida) e Suzana.

Iniciou seus estudos na Escola que ficava na Rua dos Humildes com a profª Mª do Carmo Guimarães. Depois passou para o Ginásio de Santo Amaro, sendo da turma inaugural cujo fundador foi o Sr. Videu Costa. Ele gostava muito da farda escolar, que era do tipo de uma roupa de soldado e tinha até perneira de couro.

Antes de entrar para o seminário, ajudava o pai no 1º bar da cidade – era o Centro Recreativo. Lá também havia mesa de bilhar. O menino Sadoc era encarregado do controle dos bilhares, isto é, controlava o tempo e o dinheiro que entrava. Dessa forma, tornou-se um exímio jogador de bilhar, mas precisava subir num banco, pois como ainda era muito criança, não tinha altura suficiente.

Mas muito cedo entrou para o seminário Menor de Santa Tereza em Salvador. O apoio para isso veio do capelão dos Humildes, Mons. José de Andrade Lima. Em 15 de fevereiro de 1922 entrou para o Seminário. Seu pai veio trazê-lo e prometeu que no dia seguinte viria visitá-lo. Mas demorou muito para voltar, recorda-se ele. Seu primeiro diretor foi o Pe. Manuel dos Santos, considerado por ele e outros colegas como “o santo das nossas vidas. Foi ele quem segurou as nossas vocações”. Do seminário ele conserva boas e tristes memórias. Por exemplo, o Pe. Luiz Negreiro tinha uma rigidez excessiva e inexplicável. Ele despovoava o seminário. Uma centena de seminaristas ficava reduzida a uns 30. Tudo era motivo para ser colocado para fora do seminário. Até rir em hora inconveniente. E os castigos não eram dos mais pedagógicos. “Às vezes tínhamos que copiar uma frase mil vezes: devo me comportar bem no refeitório, no dormitório“ – e isso na hora do recreio …

No seminário fez amizades que duraram toda a vida. O Pe. Francisco Silvino dos Reis, que era um deles. Era de Itaparica e exerceu a função na Paróquia de S. Pedro, durante muito tempo até a sua morte. Também o Pe. Francisco Pinheiro Lima, amizade que continua até hoje e que depois se casou. Dele diz o Pe Sadoc “foi a maior cabeça que o clero baiano já teve.

Pe Sadoc teve sua 1ª Missa Solene na sua cidade natal, Santo Amaro. Seus familiares ainda se recordam da quantidade de seminaristas e amigos que lá estiveram.

O Jornal da Cidade, chamado de Oficial, deu destaque especial à sua “Missa Nova”: A Cidade recebeu sob intenso entusiasmo popular no dia 7 de dezembro, o Pe. Gaspar Sadoc da Natividade, recém-ordenado pelo Seminário Arquiepiscopal da Bahia, onde fez um curso brilhantíssimo, conquistando bem assim a estima dos mestres e condiscípulos.

As festas de recepção ao novo padre que é filho dileto desta terra, foram organizadas pelas classes operárias locais e com o concurso da sociedade santamarense e do povo em geral. Ao desembarque do Rev. Pe. Sadoc, que aqui aportou acompanhado de brilhante comitiva de representantes do clero baiano, compareceram autoridades, representações sindicais, a Filarmônica Lira dos Artistas, e o povo numa consagradora expressão de sinceridade. Recebendo-o em nome da Comissão Organizadora das festas, falou o Sr. Mizael Braz Pereira , redator da ‘Mocidade’. O Pe. Gaspar Sadoc celebrou sua missa nova no dia 8 do mês em curso, estando a matriz da Purificação repleta de fiéis”.

Sebastião Heber. Professor adjunto de antropologia da Uneb, da Cairu, da faculdade 2 de Julho. Membro do Instituto Geográfico e Histórico da Bahia e da Academia Mater Salvatoris.

Este texto expressa exclusivamente a opinião do autor e foi publicado da forma como foi recebido, sem alterações pela equipe do Entrelaços.


busca
autores

Autores

biblioteca

Biblioteca

Entrelaços do Coração é uma revista online e sem fins lucrativos compartilhada por diversos autores. Neste espaço, você encontra várias vertentes da literatura: atualidades, crônicas, reportagens, contos, poesias, fotografias, entre outros. Não há linha específica a ser seguida, pois acreditamos que a unidade do SER é buscada na multiplicidade de ideias, sonhos, projetos. Cada autor assume inteira responsabilidade sobre o conteúdo, não representando necessariamente a linha editorial dos demais.
Poemas Silenciosos

Flickr do (Entre)laços

ExposiçãoDesenhos

Série "Natureza"

Série Natureza

DeJanelaEmJanela

DeCostas

Série "Detalhes"

Série "MoradaImprovisada"

Série Morada Improvisada

Finados

Tratando de peixe

Série Flores

Série Flores

Esporte na Colônia

Série Natureza 01

Série Natureza 05

Caxambu

Caxambu

Caxambu - 02

Caxambu - 01

Penumbra...

Aglomeração...

Portão florido...

Barra Palace

Conjunto Harmonioso...

Reunião privada...

Espaços ocupados...

Arquitetura Perfeita...

Convergência II

Convergência I