[email protected]

Todos sentimos nessa época de tom especial, o tempo natalino, algo que contrasta com o espírito inerente a esse ciclo: o que deveria ser paz de espírito e de confraternização com amigos e familiares, converte-se em dor de cabeça, irritação e cansaço. Certamente esse não deve ser o “presente” que o Deus-Menino tem a nos dar na celebração do seu nascimento. Isso tudo é fruto de um ritmo acelerado em cumprir todos os compromissos que essa época costuma nos impor. Outro dia eu próprio tinha cinco compromissos a cumprir numa mesma noite. Consegui reduzi-los a dois : o Natal do Instituto Geográfico e Histórico da BA, sempre organizado sob a batuta da grande Consuelo Pondé e o do Grupo da Melhor Idade Integração, realizado tradicionalmente no Othon – esse grupo está cada vez mais aprimorado, com cantos natalinos e até números de danças realizados pelas integrantes, que percorrem a idade dos sessenta e cinco aos noventa e dois anos . Nos dias anteriores houve o Natal da Academia Mater Salvatoris e da Fundação João Fernandes da Cunha.

Esses dias tão marcados por uma forte espiritualidade, são levados por um turbilhão de compromissos e corrida às compras, tudo gerando uma estafa crônica – é a síndrome do Natal. Nos EUA o distúrbio desse estresse natalino chama-se “multitasking”, múltiplas tarefas . E o agravante no Brasil, é que as pessoas deixam as compras para a última hora.

De acordo com dados do Centro Psicológico do Controle do Stress (CPCS), de Campinas, as situações de estresse aumentam uma média de 70% nas últimas seis semanas do ano.

O jornal Diário de PE sugere até algumas “Dicas para sobreviver a dezembro”, como por exemplo: 1- Delegar as tarefas do Natal; 2- Optar por fazer compras em horários alternativos; 3- Evitar levar as crianças às compras; 4- Desligar-se da obrigação de comprar presentes e não comparecer a todas as confraternizações; 5- Negociar os presentes com os filhos.

A grande verdade subjacente a todos esses problemas é a importância de deslocar o foco do consumo desenfreado e que as pessoas recuperem a essência do objetivo original do encontro natalino. O Natal conserva uma mensagem necessária e atual para crentes e não-crentes : desejar o bem ao próximo e construir um mundo de paz sem tantas desigualdades: será que só há Natal para quem pode ter uma boa ceia natalina?

Sob o ponto de vista bíblico-teológico, Jesus Cristo representa o encontro de Deus com a pessoa humana. Toda essa reflexão nos é propiciada no Natal através do grande mistério da Encarnação do Filho de Deus e da “divinização do homem”, como diziam os teólogos dos primeiros séculos. Por isso João, o evangelista, diz que “o Verbo se fez carne e habitou entre nós”. Nessa afirmação está contido o máximo que podemos dizer de Deus e o máximo que podemos enunciar do homem. O Menino que repousa no presépio, em sua singeleza despretensiosa, contém a chave que ilumina o mistério da humanidade e o de Deus. Nele ambos se encontram, Deus e a criatura, numa absoluta imediatez: olho a olho, coração a coração, frente a frente. Esse mistério, a despeito do seu segredo, da sua misteriosidade, não nos aterra. Ao contrário, nos alegra sobremaneira. Os limites da nossa compreensão não nos entristecem; ao invés, nos aproximam do Amor Divino, por causa de sua simpatia para com a causa humana.

Há no coração da pessoa uma inquietação constante, uma busca de valores que a transcende. Santo Agostinho já manifestou essa busca : “Meu coração está inquieto , ó Deus (…)”. Essa sede infinita do homem trai a presença do Mistério de Deus dentro do seu coração. Quanto mais ele comungar com o Infinito, mais pessoa humana ele se torna.

A nossa pobreza e limite é a forma que Deus toma para se fazer presente no homem. É o lado divino do homem e não apenas no homem.

O Natal revela o lado humano de Deus e o lado divino do homem. O homem é uma parábola de Deus. Se ele é comunhão, transcendência, abertura para outrem é porque reproduz, ao nível da criatura, o próprio modo de ser de Deus.

Vamos concluir fazendo nossas as palavras do Papa S. Leão Magno (falecido em 461), num célebre sermão na noite de Natal : ”A união das duas naturezas, a divina e a humana, numa só Pessoa, eis o que a palavra não pode explicar, se a fé não o crer. Alegremo-nos, portanto, de nossa incapacidade para falar de tão grande mistério de misericórdia, e, não podendo expressar o que há de sublime em nossa salvação, reconheçamos o que é bom para nós ser assim vencidos. Humildemente, tentemos nos achegar a esse mistério. De onde partir, do homem ou de Deus? Sendo Cristo o encontro de ambos, qualquer ponto de partida é excelente, porquanto nos conduz ao mesmo fim: o encontro do homem em Deus e de Deus no homem”.

Sebastião Heber, Professor Adjunto de Antropologia da Uneb, da Faculdade 2 de Julho e da Cairu. Membro do Instituto Geográfico e Histórico da Bahia, da Academia Mater Salvatoris .

Este texto expressa exclusivamente a opinião do autor e foi publicado da forma como foi recebido, sem alterações pela equipe do Entrelaços.


busca
autores

Autores

biblioteca

Biblioteca

Entrelaços do Coração é uma revista online e sem fins lucrativos compartilhada por diversos autores. Neste espaço, você encontra várias vertentes da literatura: atualidades, crônicas, reportagens, contos, poesias, fotografias, entre outros. Não há linha específica a ser seguida, pois acreditamos que a unidade do SER é buscada na multiplicidade de ideias, sonhos, projetos. Cada autor assume inteira responsabilidade sobre o conteúdo, não representando necessariamente a linha editorial dos demais.
Poemas Silenciosos

Flickr do (Entre)laços

ExposiçãoDesenhos

Série "Natureza"

Série Natureza

DeJanelaEmJanela

DeCostas

Série "Detalhes"

Série "MoradaImprovisada"

Série Morada Improvisada

Finados

Tratando de peixe

Série Flores

Série Flores

Esporte na Colônia

Série Natureza 01

Série Natureza 05

Caxambu

Caxambu

Caxambu - 02

Caxambu - 01

Penumbra...

Aglomeração...

Portão florido...

Barra Palace

Conjunto Harmonioso...

Reunião privada...

Espaços ocupados...

Arquitetura Perfeita...

Convergência II

Convergência I