Obras Públicas

([email protected])

Entre os males responsáveis pelo aumento exacerbado da dívida pública portuguesa, encontram-se as derrapagens dos custos das empreitadas de obras públicas (OPs). Face à crise financeira que Portugal atravessa, é fácil entender a necessidade de suspender a construção do TGV, do Novo Aeroporto de Lisboa e de outras idiossincrasias, muito embora eu continue a defender a necessidade de uma linha de mercadorias de velocidade alta para colocar o Terminal de Carga do Porto de Sines no centro da Europa. A derrapagem dos custos das OPs é uma doença crónica da gestão portuguesa, a pontos de o Tribunal de Contas ter puxado as orelhas ao governo a propósito da Ponte Europa (Coimbra, mais 73 milhões de euros), da Casa da Música (Porto; mais 77 milhões de euros), do Aeroporto Sá Carneiro (Porto; mais 99 milhões de euros), do Metro até S.ta Apolónia (Lisboa; mais 31 milhões de euros) e do Túnel de Rossio (Lisboa; mais 9,5 milhões de euros) que, no seu conjunto, equivale a um agravamento próximo do dobro. Na derrapagem das contas do Estado relativamente a 2010, existe também um custo adicional nas obras das Portas do Mar (Ponta Delgada) que, segundo dados provisórios, atingirá a cifra de 22 milhões de euros (cerca de 50%).

As derrapagens nas obras públicas portuguesas não são de agora. Na vigência do Estado Novo também derraparam algumas obras importantes, como a barragem de Cambambe (Quanza – Angola) e a barragem do Carrapatelo (Douro), tal como depois do 25 de Abril também houve uma ou outra empreitada que correu bem (ex: Ponte Vasco da Gama). Mas a excepção confirma a regra. Empreendimentos como a Expo 98 e o Centro Cultural de Belém são exemplos funestos, sem justificação técnica aceitável.

Há momentos em que é preciso recolhermo-nos ao sabor da introspecção que fluí ao compasso da vivência, para se poder perguntar «por que razão sucede isto?» Uma empreitada tem de ser bem gerida e tem três grandes intervenientes: o dono da obra representado pela fiscalização, o empreiteiro e o projectista. O projectista tem a obrigação de assessorar o dono da obra, e os empreiteiros sempre procuraram tirar proveito das omissões e erros dos projectos, tentando obter trabalhos a mais sem desconto dos trabalhos a menos e cobrar indemnizações e revisão de preços. Pela parte da fiscalização, também é prática corrente proceder à aquisição extra de bens e serviços não contratualizados. Por outro lado, o Estado é mau pagador e tudo isto gera situações cinzentas, tanto mais difíceis de dirimir quanto menos precisos forem os contratos assinados pelas partes. Face ao estado do conhecimento, é difícil justificar um elevado conjunto de trabalhos a mais, a não ser em obras de grande complexidade e dimensão, que tenham ampla interdependência com as características geológico-geotécnicas dos terrenos, nomeadamente grandes barragens, túneis e infra-estruturas marítimas a consideráveis profundidades, sujeitas a imprevistos que dão lugar a situações delicadas. A prospecção geológico-geotécnica, por mais meticulosa e elaborada que seja, usa sempre um quê de inferência e a Natureza gosta de pregar partidas entre locais consecutivos de sondagens e ensaios “in situ”, mesmo quando os programas de prospecção são assentes em bons estudos geológicos de superfície. Em termos de projectos de arquitectura, de cálculo estrutural, de electricidade e outros, a dimensão do erro só é passível de ser justificada por incompetência ou demasiado arrojo dos projectistas. Deste ponto em diante, a qualidade da execução da obra está nas mãos do empreiteiro e da fiscalização que, não devem ter o mesmo ângulo de visão relativamente aos cadernos de encargos e aos cronogramas de faseamento dos trabalhos. Por isso, é do interesse público que as grandes OPs tenham um corpo de fiscalização escolhido a rigor, pormenor nem sempre acautelado.

E, por tudo isto, é difícil divisar futuro para um país pequeno, como Portugal, pobre em recursos naturais, assimétrico e cavernoso, cuja sociedade aparenta ser minada por labirintos cársicos ao longo dos quais fluí o facilitismo, o desenrasca, a falta de produtividade e uma amálgama de variegados interesses. Ninguém é verdadeiramente um modelo de virtudes, a concentração da abundância é cada vez mais obscura e equívoca, enquanto a miséria é cada vez menos um desencontro. Resta-me admitir que, durante a nossa efémera existência, nem sempre o que está mal acaba mal e o amanhã deve ser vivido sob o desígnio da esperança.

«Não sei se esta doença também afecta o Brasil de hoje!».

Este texto expressa exclusivamente a opinião do autor e foi publicado da forma como foi recebido, sem alterações pela equipe do Entrelaços.


busca
autores

Autores

biblioteca

Biblioteca

Entrelaços do Coração é uma revista online e sem fins lucrativos compartilhada por diversos autores. Neste espaço, você encontra várias vertentes da literatura: atualidades, crônicas, reportagens, contos, poesias, fotografias, entre outros. Não há linha específica a ser seguida, pois acreditamos que a unidade do SER é buscada na multiplicidade de ideias, sonhos, projetos. Cada autor assume inteira responsabilidade sobre o conteúdo, não representando necessariamente a linha editorial dos demais.
Poemas Silenciosos

Flickr do (Entre)laços

ExposiçãoDesenhos

Série "Natureza"

Série Natureza

DeJanelaEmJanela

DeCostas

Série "Detalhes"

Série "MoradaImprovisada"

Série Morada Improvisada

Finados

Tratando de peixe

Série Flores

Série Flores

Esporte na Colônia

Série Natureza 01

Série Natureza 05

Caxambu

Caxambu

Caxambu - 02

Caxambu - 01

Penumbra...

Aglomeração...

Portão florido...

Barra Palace

Conjunto Harmonioso...

Reunião privada...

Espaços ocupados...

Arquitetura Perfeita...

Convergência II

Convergência I