Sebastião Heber- In Memorian 31 de dezembro de 2010

DAS SIMPATIAS À BUSCA DA PAZ

[email protected]

A festa de Ano-Novo tem como origem a França do século XIX. Em si ela não tem nada a ver com a religião, é apenas uma festa para marcar a virada do ano de acordo com o nosso calendário. A corte francesa aproveitava essa festa para fazer um banquete com comidas diferentes das do dia-a-dia, trazendo certas especiarias para a mesa. Para o catolicismo o Advento marca o novo ano litúrgico, os judeus e muçulmanos têm seus calendários próprios. De qualquer forma, a passagem do ano é sempre um rito de passagem importante.

Todos vemos como a imprensa privilegia essa festa de modo tradicional, isto é, há um recurso e um espaço próprio para as simpatias tão difundidas em todo o país nesse período do ano. As manchetes traduzem esse espírito (pelo menos aqui em Pernambuco, onde passo as férias com meus familiares), vê-se isso claramente: Ano-novo, casa renovada – Purificação: esotéricos recomendam fazer mudanças pontuais e uma boa faxina doméstica antes do dia 31 – Reveillon de ofertas – Rituais de boa sorte – Entrar com o pé direito. E há recomendações pontuais “para receber 2009 pela porta da frente” – diga-se, de passagem, que algumas recomendações são bastante pertinentes, como : “ Limpe a pia da cozinha e aplique no pote de lixo bicarbonato de sódio com eucalipto; também se desfaça de pilhas de papéis e da bagunça do ano velho; o banheiro deve ser higienizado pois o desinfetante ajuda a reorganizar a mente”.

A grande verdade dessa época, é que após as festas natalinas, a tradicional troca de presentes, todos se apressam em recepcionar o novo ano que está começando. E todo desejo de boa sorte nessa época é bem-vindo. A mídia em geral faz as retrospectivas do ano e relembra as atrocidades acontecidas naquele período: pais que matam filhos e vice-versa, desastres, corrupções e tantos outros infortúnios. Quem não quer dias diferentes e melhores? E são muitos os recursos para tentar obtê-los. O trajeto é percorrido por vias múltiplas : eles vão das superstições às rezas fortes, passando por aqueles que depositam confiança em pequenos rituais para afastar o mau agouro e atrair bons fluidos.

Para a Liturgia Católica a celebração do Ano Novo está dentro da “Oitava do Natal”. No dia primeiro celebra-se Maria a Mãe de Cristo, como a portadora da Paz. Na verdade as leituras da Missa põem a tônica mais no Cristo do que na Mãe, pois a mais sã doutrina católica pauta-se por uma centralidade cristocêntrica. O livro dos Números traduz a antiga crença judaica de que ser abençoado é invocar o Nome do Senhor: ”Assim, os filhos de Israel ficarão sob a tutela do meu nome e eu os abençoarei”. A carta aos Gálatas fala nesse tempo como “a plenitude dos tempos no qual Deus enviou o seu Filho nascido de uma Mulher”. O Evangelho da Missa diz que Cristo, como bom judeu, foi “circuncidado no oitavo dia e nessa ocasião foi-Lhe dado o nome de Jesus, conforme o chamou o Anjo antes de ser concebido”.

O primeiro dia do ano é consagrado à PAZ. Não a paz dos antigos romanos – “se queres a paz prepara a guerra ”- mas aquela PAZ que Cristo veio trazer para aqueles que acreditam no amor. No sentido bíblico, PAZ é um dom messiânico por excelência, é a salvação trazida por Jesus, é a nossa reconciliação e pacificação com Deus. É também um valor humano a ser realizado no plano social e político e que tem suas raízes na mensagem de Cristo e de toda religião, pois na verdade, todas convergem para um princípio de unidade. É por isso que o mundo todo deposita tanta esperança na ascensão de Barack Obama que, pela sua história e origem, não poderia trair a confiança do mundo. Recordo-me de um estudante meu, que durante a campanha americana disse que “não sabia porque o mundo todo não podia votar nesse novo presidente americano…”

Que o Ano-Novo nos recorde a palavra do Papa Paulo VI na ONU: ”Nunca mais uns contra os outros. A humanidade deve por fim à guerra ou a guerra porá fim à humanidade”.

Sebastião Heber Vieira Costa. Professor Adjunto de Antropologia da Uneb, da Faculdade 2 de Julho, da Cairu. Membro do Instituto Geográfico e Histórico da BA, da Academia Mater Salvatoris e do Instituto Genealógico.

Este texto expressa exclusivamente a opinião do autor e foi publicado da forma como foi recebido, sem alterações pela equipe do Entrelaços.


busca
autores

Autores

biblioteca

Biblioteca

Entrelaços do Coração é uma revista online e sem fins lucrativos compartilhada por diversos autores. Neste espaço, você encontra várias vertentes da literatura: atualidades, crônicas, reportagens, contos, poesias, fotografias, entre outros. Não há linha específica a ser seguida, pois acreditamos que a unidade do SER é buscada na multiplicidade de ideias, sonhos, projetos. Cada autor assume inteira responsabilidade sobre o conteúdo, não representando necessariamente a linha editorial dos demais.
Poemas Silenciosos

Flickr do (Entre)laços

ExposiçãoDesenhos

Série "Natureza"

Série Natureza

DeJanelaEmJanela

DeCostas

Série "Detalhes"

Série "MoradaImprovisada"

Série Morada Improvisada

Finados

Tratando de peixe

Série Flores

Série Flores

Esporte na Colônia

Série Natureza 01

Série Natureza 05

Caxambu

Caxambu

Caxambu - 02

Caxambu - 01

Penumbra...

Aglomeração...

Portão florido...

Barra Palace

Conjunto Harmonioso...

Reunião privada...

Espaços ocupados...

Arquitetura Perfeita...

Convergência II

Convergência I