E O INSTITUTO GEOGRÁFICO E HISTÓRICO DA BAHIA

[email protected]

Mais uma vez o IGHB presenteia a comunidade acadêmica da Bahia com um Simpósio Internacional. Desta vez é para comemorar, refletir e discutir sobre a presença da Família Real no Brasil, dentro das comemorações dos 200 anos deste acontecimento. O tema oficial é :A Família Real na Bahia. A abertura foi no dia 13 de maio numa sessão comemorativa dos 114 anos de fundação daquela instituição. A palavra de abertura coube à Presidente Profª Consuelo Pondé de Sena acompanhada da palavra do orador oficial da casa que é o Prof. Edivaldo Boaventura. Ele fez uma homenagem aos sócios falecidos recentemente : o Senador Antonio Carlos Magalhães, Evandro Andrade. George Modesto, Iramaia Carvalho,Lafayete Ponde,Pedro Maia e Renato Mesquita. Como abertura dos trabalhos, houve a conferência do Prof. Arno Wehling, Presidente do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro sob o título : “O processo de crescente diferenciação do Brasil em relação a Portugal no período joanino”. Foi também lançado a 2ª edição do livro “Apontamentos da Imprensa na Bahia”.Sócios correspondentes também foram diplomados.

A programação oficial se desenvolve na sede do IGHB de 14 a 16 de maio.

No dia 14, houve pela manhã a palestra de Miguel Monteiro (Portugal) :”D. João VI,um rei amado ou odiado?” Em seguida Manuela Mendonça (Presidente da Academia Portuguesa de História) foi proferida a conferência intitulada : “Um reino na Europa com um rei na América”.À tarde teve lugar uma Mesa Redonda sob o título “A Família Real na Bahia”. Ainda à tarde houve a conferência de Antonio Pedro Vicente (Universidade Nova de Lisboa) sobre as “Conseqüências para o Brasil da transferência da Corte”.

No dia 15, haverá a palestra de Mary Del Priore (Universidade de S. Paulo) sob o título : “Domingos Borges de Barros: um baiano notável no tempo dos Braganças”.Em seguida Francisco José Falcon (Professor da Universo, Rio de Janeiro) terá como tema “A história da história da família real”. À tarde haverá a Mesa Redonda com o tema “Família e Sociedade”. Em seguida, às 16:00 h. haverá outra Mesa Redonda sob o tema “Religião e Gênero” onde estarei apresentando o tema : “Tollenare, século XIX- a religião na Bahia na visão de um viajante”.Marli Geralda falará sobre “Religião e etnia na história da sociedade baiana” e Elisete Silva sobre os “Anglicanos no Brasil e na Bahia”.

No dia 16, 6ª f., Pablo Sotuyo Blanco (Escola de música da Ufba) falará sobre “A música na Bahia em tempos de D. João VI”. Em seguida haverá a Mesa redonda com o título “Educação e Cultura”. À tarde haverá duas Mesas Redondas sob os temas “Economia e Política” e “Perspectivas historiográficas do século XIX: período joanino”.

Às 19:00h será o encerramento com apresentação musical.

Os Mini-Cursos serão realizados no Campus da Lapa da Ucsal e versarão sobre os temas : “As missões artísticas do período joanino”, e “Marcos de Noronha de Brito, um missionário na Corte de D. João VI”.

O tema que me coube na Mesa Redonda,foi “Tollenare,século XIX- a religião na Bahia na visão de um viajante”. Ele é um comerciante francês que aqui veio com o intuito preciso de comerciar o algodão da região. Mas nos legou uma obra ímpar com suas impressões sobre os dois estados que visitou, Pernambuco e Bahia, mesmo que não tivesse o objetivo de escrever um livro. Através de Ferdinand Denis, sabia-se da existência em Paris de um manuscrito na Biblioteca de Stª Genoveva sobre a viagem a Portugal, Pernambuco e Bahia de autoria do francês L.F. Tolennare.O livro é intitulado “Notas Dominicais” por ser o resultado de observações que ele elaborava aos domingos, uma vez que estava envolvido nas atividades comerciais durante a semana. Um século mais tarde chegou ao Brasil, traduzida por Alfredo de Carvalho na Revista do Instituto Arqueológico e Geográfico de Pernambuco a parte relativa a esse estado e no volume XIX do IGHB a segunda parte relacionada à Bahia.

Oliveira Lima conhece, descreve e comenta esse trabalho de Tollenare. Ele aqui chega no final de 1816 e só regressa no início de 1818, tendo vivido em Pernambuco todo o episódio da Revolução de 1817.

Aqui chegando , ele constata aquilo que mais tarde G. Freyre irá comentar em Casa Grande e Senzala, que o nosso catolicismo não era o dos Cânones tridentinos, mas sim aquele que, no contato com as formas afras, “como que se amorenou, os santos adquirindo da terra uma cor mais quente de carne que a européia”.Ele visitou conventos, como o de Stª Tereza em Olinda e lá se espantou que os frades fossem servidos por escravos. Diz ele:”Testemunhei o meu pasmo por ver cristãos manterem cristãos na escravidão;responderam-me que os beneditinos possuíam engenhos e por conseqüência, escravos.Parece que as leis canônicas o autorizam”. Também se admirou ao passar na rua e ver um padre levando o Santíssimo Sacramento e logo “todo mundo se ajoelhar e até os soldados, quando havia um corpo de guarda, rufarem os tambores e acompanharem o sacerdote”.Também lhe causou espécie a relação religião e escravidão por que testemunhou a chegada de muitos navios negreiros.Assistiu a batismos de escravos; mas os que vinham de Moçambique e Angola já eram batizados lá. Também assistiu a casamentos, permitidos pelo senhor, mas que, ao mesmo tempo, os casais poderiam ser vendidos separadamente.E também presenciou senhores cortarem a celebração da Missa aos escravos, para economizar o pagamento ao padre, alegando que “ o sacrifício da Missa é de ordem demasiado elevada para aquela gente”.

Sebastião Heber. Prof. adjunto da UNEB, da Faculdade 2 de Julho e da Cairu. Membro do Instituto Geográfico e Histórico da Bahia e da Academia Mater Salvatoris

Obs: Texto escrito em 05.2008

Este texto expressa exclusivamente a opinião do autor e foi publicado da forma como foi recebido, sem alterações pela equipe do Entrelaços.


busca
autores

Autores

biblioteca

Biblioteca

Entrelaços do Coração é uma revista online e sem fins lucrativos compartilhada por diversos autores. Neste espaço, você encontra várias vertentes da literatura: atualidades, crônicas, reportagens, contos, poesias, fotografias, entre outros. Não há linha específica a ser seguida, pois acreditamos que a unidade do SER é buscada na multiplicidade de ideias, sonhos, projetos. Cada autor assume inteira responsabilidade sobre o conteúdo, não representando necessariamente a linha editorial dos demais.
Poemas Silenciosos

Flickr do (Entre)laços

ExposiçãoDesenhos

Série "Natureza"

Série Natureza

DeJanelaEmJanela

DeCostas

Série "Detalhes"

Série "MoradaImprovisada"

Série Morada Improvisada

Finados

Tratando de peixe

Série Flores

Série Flores

Esporte na Colônia

Série Natureza 01

Série Natureza 05

Caxambu

Caxambu

Caxambu - 02

Caxambu - 01

Penumbra...

Aglomeração...

Portão florido...

Barra Palace

Conjunto Harmonioso...

Reunião privada...

Espaços ocupados...

Arquitetura Perfeita...

Convergência II

Convergência I