[email protected]

A Bíblia sempre surpreende a crentes e não crentes, pois sua mensagem é universal. Von Goethe, tocado por esse sentimento, diz:”A grande reverência de muitos povos da terra outorgada à Bíblia, deve-se ao seu valor interno. Ela não é, por assim dizer, um livro, mas o livro dos povos, porque coloca o destino de um único povo, como símbolo dos demais”.Acompanhando a mesma linha de pensamento, Heine também manifesta seu espanto e admiração:”Que livro(…) todo o drama da humanidade, tudo está nesse livro(…).É o livro dos livros”. O mistério da Bíblia é que ela fala da trama humana – por isso há passagens tão obscuras, mesmo no Novo Testamento – mas é lá que a presença divina aparece, parecendo até que Ele quer fazer desse caminho o seu caminho.

Mas o que é a Bíblia? Basta um simples olhar lançado sobre esse livro para ver que ele é uma coleção de livros, é uma “biblioteca”.Quando as introduções desses livros são consultadas, a primeira impressão se confirma: distribuindo-se por mais de dez séculos: os livros provêm de dezenas de autores diferentes. Uns estão escritos em hebraico (com algumas passagens em aramaico), outros em grego; apresentam gêneros literários tão diversos quanto a narrativa histórica.

Todos esses livros provêm de homens e mulheres com uma convicção comum: Deus os destinou a formar um povo que toma lugar na história, com legislação própria e normas de vida pessoal e coletiva. Foram todos eles testemunhas daquilo que Deus fez por eles. Relatam os apelos de Deus e as reações dos homens: indagações,queixas, louvor,ações de graças.

Este povo posto a caminho por Deus foi, primeiramente, Israel, envolvido nos movimentos que agitaram o Oriente Próximo até os inícios da nossa era. No entanto, sua religião os tornava um povo à parte. Israel conhecia um único Deus, invisível e transcendente: o Senhor Javé. Exprimia a relação que o unia ao seu Deus com um termo jurídico: Aliança.

O antigo povo judaico, cuja dispersão se acelerou com a destruição de seu centro religioso, Jerusalém, em 70 d.C., prolonga-se na comunidade judaica, cuja história movimentada e freqüentemente trágica, se desenvolve na maior parte do tempo em terra de exílio. Independente das múltiplas tendências do povo judaico, todas têm por fundamento a Escritura e notadamente a Lei, venerada como a própria Palavra de Senhor..

O século I da era cristão, ao mesmo tempo que vê o desaparecimento da nação judaica, assiste ao nascimento da comunidade cristã, que se afastou progressivamente do judaísmo, apesar dos seus teólogos terem afirmado que a “Igreja é filha da Sinagoga”. Para os cristãos, a história do Povo de Deus, tinha encontrado cumprimento em Jesus de Nazaré; foi por Ele que Deus reuniu as pessoas de todas as origens para formar um povo regido por Nova Aliança, um Novo Testamento.

Os discípulos de Jesus e seus sucessores imediatos que redigiram o Novo Testamento viam Nele como aquele que concretizaria a esperança de Israel e responderia à expectativa universal tal qual expressa no seio desse próprio povo. Com toda naturalidade, utilizaram a linguagem dos livros santos de Israel com toda a sua densidade histórica e experiência religiosa acumulada no decorrer dos séculos. Conseqüentemente, a comunidade cristã reconheceu no Antigo testamento a Palavra de Deus. As Escrituras judaicas vieram a ser, então, a primeira Bíblia dos cristãos. Mas iluminado pela fé em Jesus Cristo, o Antigo Testamento tomou um sentido novo para eles, tornou-se como que um novo livro. São Jerônimo, no século V dizia que a chave de leitura do AT é Jesus Cristo, pois ela não fala de outra coisa a não ser profetizar Aquele que viria como Messias prometido. Assim, judeus e cristão se vinculam à Bíblia, mas não a lêem com os mesmos olhos.

O leitor constata que a Bíblia não constitui simplesmente um antigo tesouro literário ou uma mina de documentação sobre a história das idéias morais e religiosas de um povo. A Bíblia não é somente um livro no qual se fala de Deus; ela se apresenta como um livro no qual Deus fala ao homem, como atestam os autores bíblicos.

“Não se trata de uma palavra sem importância para vós, é vossa vida”, diz o livro do Deuteronômio 32,47. Também diz o evangelho de João 20,30-31 :”Estes sinais foram escritos neste livro para que creiais que Jesus é o filho de Deus, e para que crendo, tenhais a vida em seu nome”.

Nenhum livro poderá desconhecer essa função do texto bíblico, essa interpretação constante, essa vontade de transmitir uma mensagem vital e de atrair a adesão do leitor. O leitor é livre para resistir e pode apreciar a Bíblia apenas como um literato ou apreciador da história antiga. Mas se lê aceitar entrar em diálogo com os autores que dão testemunho da própria fé e suscitam a necessidade de uma decisão, a questão fundamental,o sentido da vida, não deixará de ser enfrentada por ele. Mas a Bíblia e a fé,embora estejam profundamente enraizadas numa história particular e bastante longa, ultrapassam a História. Os autores bíblicos querem ser os porta-vozes de uma Palavra que se dirige a toda pessoa, em todo tempo e lugar. Através dos séculos, as comunidades cristãs de todas as línguas e de todas as culturas encontraram e encontram alimento neste livro, cuja mensagem meditam e atualizam.

Sebastião Heber. Professor Adjunto de Antropologia da UNEB, da Faculdade 2 de Julho e da Cairu. Membro do IGHB ,do Instituto Genealógico e da Academia Mater Salvatoris.

Este texto expressa exclusivamente a opinião do autor e foi publicado da forma como foi recebido, sem alterações pela equipe do Entrelaços.


busca
autores

Autores

biblioteca

Biblioteca

Entrelaços do Coração é uma revista online e sem fins lucrativos compartilhada por diversos autores. Neste espaço, você encontra várias vertentes da literatura: atualidades, crônicas, reportagens, contos, poesias, fotografias, entre outros. Não há linha específica a ser seguida, pois acreditamos que a unidade do SER é buscada na multiplicidade de ideias, sonhos, projetos. Cada autor assume inteira responsabilidade sobre o conteúdo, não representando necessariamente a linha editorial dos demais.
Poemas Silenciosos

Flickr do (Entre)laços

ExposiçãoDesenhos

Série "Natureza"

Série Natureza

DeJanelaEmJanela

DeCostas

Série "Detalhes"

Série "MoradaImprovisada"

Série Morada Improvisada

Finados

Tratando de peixe

Série Flores

Série Flores

Esporte na Colônia

Série Natureza 01

Série Natureza 05

Caxambu

Caxambu

Caxambu - 02

Caxambu - 01

Penumbra...

Aglomeração...

Portão florido...

Barra Palace

Conjunto Harmonioso...

Reunião privada...

Espaços ocupados...

Arquitetura Perfeita...

Convergência II

Convergência I