Dasilva 14 de setembro de 2010

Saber tem a ver com saborear. E envelhecer é voltar ao humus do qual os seres humanos são feitos. Como sabedoria é um aprendizado, é possível preparar-se para apreciar os tempos que nos são dados para viver.

Para degustar um vinho, há um ritual que prepara as condições, ambientais e psicológicas, para sorvê-lo, com o máximo de prazer. Para viver, é indispensável conhecer as possibilidades e limites de cada idade.

Uma das marcas dos idosos, em nossa sociedade, é sua invisibilidade. Mesmo depois das conquistas que garantem dignidade e direitos, eles são esquecidos porque velho traz a conotação de atrasado, inútil e descartável.

Já a ideia de jovem rima com vida, com potência, promessa, status, virilidade… Então, para escapar da caduquice se criou a fantasia da eterna fonte de juventude e, com ela, a indispensável indústria do rejuvenescimento.

Por isso, para remoçar, o mercado oferece milagres em recauchutagem. A ditadura da aparência naturalizou a necessidade de uma infinidade de produtos, de tal modo que, quem não faz uso deles se passa por careta.

No entanto, o pavor de envelhecer é real. Na atual civilização a velhice é vista como objeto da caridade e da assistência social. Até a aposentadoria já tem um sabor de castigo e de isolamento para quem já não serve.

Como rende imagem e votos, em geral, se criam palavras e políticas, como se fossem reconhecimento. Por isso, muita gente, em quase tudo carente e abandonada, prefere acreditar que sua terceira idade é a melhor idade.

Um olhar mais profundo, porém, mostra que o jeito de encarar a idade esconde formas diferentes de olhar o mundo. Tem gente que vê, no fim da larva, só a lagarta, outros, preferem ver nela o anúncio de uma borboleta.

Essas visões revelam o medo da finitude da matéria e a vontade de eternizar-se. Nesse clima fértil, nascem profetas e charlatões cujo ofício é pregar a reincarnação, a imortalidade e as várias formas de ressurreição.

Seria trágico entregar-se à decadência, à depressão, à baixa autoestima e ao saudosismo, da mesma forma que viver na obsessão ridícula e contraproducente de mostrar uma vitalidade que os anos não trazem mais.

O bom jogador sabe a hora de pendurar as chuteiras, quando ainda em alta. É cômico ver um velho que, para dizer que está em forma, não aceita sentar-se no banco do ônibus cedido pela mocinha quando ela diz “sente aqui, tio”.

A sabedoria, quem sabe, consiste em encarar a vida, atuando como se tudo dependesse de nós, mas aceitar a fatalidade do fim do novelo e alegrar-se que outros cresçam enquanto diminuímos. E, como Chaplin exultar e feliz cantar:

“Vidas que se acabam, a sorrir, Luzes que se apagam, nada mais, É sonhar em vão, tentar aos outros, iludir, Se o que se foi, pra nós não voltará, jamais. Para que chorar o que passou, Lamentar perdidas ilusões, Se o ideal que sempre nos acalentou, Renascerá em outros corações”

Este texto expressa exclusivamente a opinião do autor e foi publicado da forma como foi recebido, sem alterações pela equipe do Entrelaços.


busca
autores

Autores

biblioteca

Biblioteca

Entrelaços do Coração é uma revista online e sem fins lucrativos compartilhada por diversos autores. Neste espaço, você encontra várias vertentes da literatura: atualidades, crônicas, reportagens, contos, poesias, fotografias, entre outros. Não há linha específica a ser seguida, pois acreditamos que a unidade do SER é buscada na multiplicidade de ideias, sonhos, projetos. Cada autor assume inteira responsabilidade sobre o conteúdo, não representando necessariamente a linha editorial dos demais.
Poemas Silenciosos

Flickr do (Entre)laços

ExposiçãoDesenhos

Série "Natureza"

Série Natureza

DeJanelaEmJanela

DeCostas

Série "Detalhes"

Série "MoradaImprovisada"

Série Morada Improvisada

Finados

Tratando de peixe

Série Flores

Série Flores

Esporte na Colônia

Série Natureza 01

Série Natureza 05

Caxambu

Caxambu

Caxambu - 02

Caxambu - 01

Penumbra...

Aglomeração...

Portão florido...

Barra Palace

Conjunto Harmonioso...

Reunião privada...

Espaços ocupados...

Arquitetura Perfeita...

Convergência II

Convergência I