dezembro 2009

1. Perguntar se um aniversário é um dia a mais ou um dia menos ou se um copo com água, até a metade, está meio cheio ou meio vazio parece uma brincadeira pra encher o tempo e botar conversa fora. Mas, como toda brincadeira é coisa séria essas perguntas também convocam à Elevação do pensamento. São perguntas que traduzem, na conversa cotidiana, uma preocupação transcendental e filosófica.

2. Dar respostas a esse tipo pergunta, não raro, causa medo, insegurança e até preconceito. A maioria prefere avançar às cegas pelos pantanosos terrenos do pragmatismo e seguir a música sem saber que existe uma pauta. Não percebe a grandeza do pensar e se cansam só em pensar no esforço que dá e na coerência que exige. Melhor mesmo, dizem, é viver a vida sem ter que dar satisfações nem a si mesma.

3. O senso comum foi ensinado a não lidar com a ambigüidade da vida e das perguntas. (Ambigüidade – propriedade de uma idéia de expressar vários sentidos, às vezes, contrários, contraditórios, simultaneamente). A cultura ocidental chegou a dogmatizar o principio de identidade onde uma coisa é uma coisa e não pode ser outra – o que é, é e não pode não ser; o que não é, não é e não pode ser.

4. Esse pensamento linear não dá conta da realidade e da vida. Não consegue explicar porque a sensitiva sendo planta se encolhe e porque as plantas ‘carnívoras’ comem animais. Quando chegam ao ornitorrinco os ‘cientistas’ na sua mania de classificar, tacharam de montagem – peixe, ave, põe ovos, mamífero…? Não sabem dizer o que tem a ver o começo com o fim, o presente com o futuro.

5. As perguntas sobre origem, finalidade e destino da vida (quem sou eu, de onde vim, para onde vou) são universais. Porque mestres, filósofos, religiosos, políticos… não contam ao povo o resultado de seus estudos. Não aprenderam ou tiram proveito de suas descobertas? O que o povo conhece são os demagogos e mistificadores vivendo de promessas de salvação, céu, reencarnação, imortalidade…

6. Os sábios marginais, como Sócrates, pagaram com a vida a ousadia de contar à juventude os caminhos para atingir o mistério. Usava a dialética para mostrar que mãe, criança e parteira sendo diferentes constituíam uma unidade. Assim não há segredo na unidade dos contrários como frio e calor, dia e noite… e que a negação da negação, como ovo e a galinha, é o movimento real que faz a história.

Obs: (anotações depois de ter lido “As intermitências da morte” de J. Saramago)

A PARTE II será postada no próximo dia 15.

Este texto expressa exclusivamente a opinião do autor e foi publicado da forma como foi recebido, sem alterações pela equipe do Entrelaços.


busca
autores

Autores

biblioteca

Biblioteca

Entrelaços do Coração é uma revista online e sem fins lucrativos compartilhada por diversos autores. Neste espaço, você encontra várias vertentes da literatura: atualidades, crônicas, reportagens, contos, poesias, fotografias, entre outros. Não há linha específica a ser seguida, pois acreditamos que a unidade do SER é buscada na multiplicidade de ideias, sonhos, projetos. Cada autor assume inteira responsabilidade sobre o conteúdo, não representando necessariamente a linha editorial dos demais.
Poemas Silenciosos

Flickr do (Entre)laços

ExposiçãoDesenhos

Série "Natureza"

Série Natureza

DeJanelaEmJanela

DeCostas

Série "Detalhes"

Série "MoradaImprovisada"

Série Morada Improvisada

Finados

Tratando de peixe

Série Flores

Série Flores

Esporte na Colônia

Série Natureza 01

Série Natureza 05

Caxambu

Caxambu

Caxambu - 02

Caxambu - 01

Penumbra...

Aglomeração...

Portão florido...

Barra Palace

Conjunto Harmonioso...

Reunião privada...

Espaços ocupados...

Arquitetura Perfeita...

Convergência II

Convergência I