2. PAIXÃO DE CRISTO, PAIXÃO DO POVO

[email protected]

É inevitável que a Semana Santa seja momento de tristeza e sofrimento interior. Não é “tristeza teologal”, mas afetiva e, acrescentaria, “tristeza política”. É que, em nós e em torno de nós, a cruz continua erguida. Estamos permanentemente ao pé da cruz, corajosamente, como Maria e João, ou com pavor a olhar à distância, como tantos outros naquela sexta-feira, ou a fugir, negar e trair, como tantos discípulos.

Num momento assim, é o caso de recitar o SL 133: “Como é bom estarmos aqui juntos!” Precisamos de aconchego, de consolo mútuo, de amparar-nos e ser suporte uns para os outros. Na verdade, a humanidade é um oceano de dor. Dores de natureza diversa, mas o que mais dói é a dor infligida pela incompreensível perversidade humana. No famoso filme “Paixão de Cristo”, Mel Gibson exagera em crueldade e sangue. Foi muito criticado por essa liberdade de “deturpar” a história. Pergunto-me se, por intuição de artista, não se sentiu impelido a concentrar em Jesus o que realmente caracteriza nossa época de crueldade e violência: “Eis o Homem”. Lembremo-nos de que o século XX é chamado o “século dos mártires”. Neste momento de profunda crise da civilização, revela-se sem máscaras o que de verdade alimenta o tecido do que temos construído, a vilolência. .

Tenho o costume de escolher um livro para leitura quaresmal, que me ajude a meditar e, de algum modo, reviver o mistério da Paixão, vivê-lo em sua atualidade. Nesta Quaresma estou lendo “A História Secreta do Império Americano”, de John Perkins. Seu livro anterior se intitula “Confissões de um Assassino Econômico”. É estarrecedor:

– das 53 nações africanas, 43 sofrem de fome crônica;

– as empresas estrangeiras multinacionais exploram todos os recursos naturais;

– as guerras e conflitos tribais são induzidos e provocados como fonte de lucro para a indústria e governos, sem falar nas guerras pelo petróleo;

– a expectativa média de vida é de 46 anos;

– cerca de trinta milhões de pessoas com HIV, e milhões de órfãos por causa da AIDS;

– em 1998, quatro milhões de pessoas foram mortas na República Popular do Congo e dois milhões de pessoas numa guerra que já dura vinte anos no Sudão;

– conflitos étnicos, culturais e tribais têm peso nas guerras, mas a causa principal é a apropriação de recursos minerais particularmente importantes para a produção de equipamentos eletrônicos como celulares e laptops;

– se um presidente de república anuncia reformas para que as riquezas do país sejam para benefício de seu povo, primeiro vem a tentativa de corrompê-lo; em seguida, a desestabilização política, e finalmente o assassinato, nem que seja mediante “acidente” aéreo… Isso não só na África.

Quando lemos depoimentos tão chocantes, percebemos com toda força o quanto é oportuno o tema da Campanha da Fraternidade e quão pedagógica é nossa participação: somos chamados em todo o país a refletir e agir para que se mudem os rumos da economia no mundo. Temos de pensar, decidir a atuar de nova maneira em relação ao dinheiro – não podemos “servir a Deus e ao Dinheiro”. O livro a que me referi é escrito por alguém que se confessa ter sido por anos um “assassino econômico” a serviço de governos e empresas que lucram da exploração e da morte das pessoas nos países mais pobres. Os caminhos do mundo estão empapados de sangue, e nossas vestes também. Ninguém é inocente. Se nossa culpa não vem pelo que fazemos, vem pelo que temos deixado de fazer. A pergunta de Deus é para cada qual de nós: o que eu mesmo posso fazer para que esta sociedade seja melhor? O que eu posso fazer com outras pessoas para que esta sociedade seja melhor? As pessoas sofredoras, pelo mundo afora, precisam de uma Igreja que possa recitar com toda verdade o Sl 133, uma Igreja que seja realmente comunidade a serviço da vida, uma Igreja que se importe com a sociedade e que seja solidária com a sorte dos pobres. Como manter nossos padrões, cada vez mais sofisticados de consumo, e o desperdício que degrada as fontes da vida, quando seres humanos estão morrendo a nosso lado e a própria terra implora e grita por cuidado e carinho?

(Em 11 de abril de 2010)

* Bispo da Diocese Anglicana do Recife – DAR
www.dar.ieab.org.br

Obs: A PARTE III (Conclusão) será postada no próximo dia 29

Este texto expressa exclusivamente a opinião do autor e foi publicado da forma como foi recebido, sem alterações pela equipe do Entrelaços.


busca
autores

Autores

biblioteca

Biblioteca

Entrelaços do Coração é uma revista online e sem fins lucrativos compartilhada por diversos autores. Neste espaço, você encontra várias vertentes da literatura: atualidades, crônicas, reportagens, contos, poesias, fotografias, entre outros. Não há linha específica a ser seguida, pois acreditamos que a unidade do SER é buscada na multiplicidade de ideias, sonhos, projetos. Cada autor assume inteira responsabilidade sobre o conteúdo, não representando necessariamente a linha editorial dos demais.
Poemas Silenciosos

Flickr do (Entre)laços

ExposiçãoDesenhos

Série "Natureza"

Série Natureza

DeJanelaEmJanela

DeCostas

Série "Detalhes"

Série "MoradaImprovisada"

Série Morada Improvisada

Finados

Tratando de peixe

Série Flores

Série Flores

Esporte na Colônia

Série Natureza 01

Série Natureza 05

Caxambu

Caxambu

Caxambu - 02

Caxambu - 01

Penumbra...

Aglomeração...

Portão florido...

Barra Palace

Conjunto Harmonioso...

Reunião privada...

Espaços ocupados...

Arquitetura Perfeita...

Convergência II

Convergência I