novembro 2009

Atitudes a evitar na celebração da mística

 Achar que mística é apenas motivação, abertura, enfeite, emoção porque há gente que diz “bem, feita a mística… vamos agora ao que interessa”;

 Não pode virar tarefa de especialistas; embora exista gente que cultivou mais a sensibilidade e a criatividade que outras; quem se acha dirigente também deve tomar a iniciativa de celebrar a mística.

 Não confundir a expressão pública da mística com o que lhe é essencial: “não participei do encontro porque estava preparando a mística”;

 Evitar que as experiências de mística se torne uma competição: “a mística de fulano foi melhor que a de sicrana”;

 Repetir no NE um jeito de fazer que deu certo no sul – fica falso, fora do contexto, cansativo, formal e burocrático;

 A manifestação pública não pode ser orientada pela improvisação. Ao mesmo tempo, não pode virar um tormento para quem coordena sua realização.

Para Recordar

 O importante na expressão pública da mística é a reafirmação dos objetivos e o fortalecimento da militância de um determinado grupo. Não existe receita, mas tem que ser participada, simples, atraente, bem feita, conforme o assunto, a hora e o grupo.

 Às vezes, a mística tem o tom de alegria, outras de protesto e da dor; às vezes, o tom da política; outras a linguagem cultural e a tradição religiosa. Mas, nunca pode virar um show para ser assistido; as pessoas devem sentir-se bem e participantes.

 A celebração é bonita quando é participada, dentro do tema que tratado, breve, com certa solenidade, simplicidade e bem feita. É bom usar símbolos, gestos, expressões culturais, testemunhos pessoais… mas, sempre evitar que vire simples apresentação teatral.

 Deve ser uma atividade onde as pessoas participem com o corpo, mente e sentimento. Não pode ser show para ser assistido: as pessoas devem ser envolvidas no ato. É falso preparar surpresas, causar impacto, sensação.

 A mística pode ser expressa no começo de uma atividade coletiva porque ajuda a concentrar a atenção, recorda o espírito que une o grupo; mas, pode se fazer em qualquer momento adequado – um canto, um grito de guerra, a declamação de um poema, um testemunho, um silêncio…

Nota – essas idéias foram juntadas de muita gente que reflete e se preocupa com o profundo da mística. Quem sabe, um convite à contribuição de mais gente.

Este texto expressa exclusivamente a opinião do autor e foi publicado da forma como foi recebido, sem alterações pela equipe do Entrelaços.


busca
autores

Autores

biblioteca

Biblioteca

Entrelaços do Coração é uma revista online e sem fins lucrativos compartilhada por diversos autores. Neste espaço, você encontra várias vertentes da literatura: atualidades, crônicas, reportagens, contos, poesias, fotografias, entre outros. Não há linha específica a ser seguida, pois acreditamos que a unidade do SER é buscada na multiplicidade de ideias, sonhos, projetos. Cada autor assume inteira responsabilidade sobre o conteúdo, não representando necessariamente a linha editorial dos demais.
Poemas Silenciosos

Flickr do (Entre)laços

ExposiçãoDesenhos

Série "Natureza"

Série Natureza

DeJanelaEmJanela

DeCostas

Série "Detalhes"

Série "MoradaImprovisada"

Série Morada Improvisada

Finados

Tratando de peixe

Série Flores

Série Flores

Esporte na Colônia

Série Natureza 01

Série Natureza 05

Caxambu

Caxambu

Caxambu - 02

Caxambu - 01

Penumbra...

Aglomeração...

Portão florido...

Barra Palace

Conjunto Harmonioso...

Reunião privada...

Espaços ocupados...

Arquitetura Perfeita...

Convergência II

Convergência I