[email protected]

Em pleno Século XXI, diante da rapidez das informações e da pressa inadiável dos homens, estranhamente, quem rouba a cena é a apatia. Gestada ainda no século passado com a explosão da indústria e, conseqüentemente, dos bens de consumo e serviços, ela generalizou-se e, feito um espinho encravado na garganta, indaga-nos dia-a-dia uma amarga e fria dúvida: aonde queremos chegar realmente?

Muitos conhecem essa situação muito bem. Há tempos cruzam o repulsivo triângulo da mesmice: casa-trabalho-escola. E, como resvalo – pobre resvalo – sobram a TV e o controle remoto com a vazia e inútil ilusão de que o mundo todo está a seus pés. Nessa encarnação de voláteis e volúveis protoconsumidores que nos tornamos.

Apáticos, já não observamos mais a paisagem que nos cerca. Nada de perceber a beleza gratuita do ipê neste outono tocantino. Ou o flamboyant florado na esquina do nosso ir e vir diário. Muito menos de enxergar alguém doente ou esmolando ao nosso lado. Seguimos indiferentes, centrados no eu e em suas diversas correntes de obrigações e seus inesgotáveis compromissos.

Tragédias? Catástrofes? Guerras? Quem se importa? Almoçamos e jantamos essas desgraças na TV, anestesiados em relação à miséria do outro, agora, apenas um dado, um número, um objeto distante, inacessível e desinteressante.

Presos nessa rotina virtual, todas as nossas ações são cronometradas. Hora para o trabalho, para a escola, para as compras, para o lazer. E nada deve fugir a este cronograma. Assim, não há espaço para surpresas, emoções e… sustos. Isso mesmo! Nos afastamos demais das emoções e sentimentos, itens vitais para quem foi dotado de razão e intuição.

E a grande ironia é que, nessa redoma de vidro em que vivemos, não sabemos mais de nós. Fazemos coisas sem querer e até mesmo sem saber a finalidade. E tudo isso porque nos afastamos demais do outro. O outro que tem o poder de revelar-nos – através do espelho que ele é – com suas tragédias e sustos, coisas que algum tempo atrás eram chamadas de vida.

Obs: Imagem enviada pelo autor.

Texto retirado do livro do autor – Surtos & Sustos

Este texto expressa exclusivamente a opinião do autor e foi publicado da forma como foi recebido, sem alterações pela equipe do Entrelaços.


busca
autores

Autores

biblioteca

Biblioteca

Entrelaços do Coração é uma revista online e sem fins lucrativos compartilhada por diversos autores. Neste espaço, você encontra várias vertentes da literatura: atualidades, crônicas, reportagens, contos, poesias, fotografias, entre outros. Não há linha específica a ser seguida, pois acreditamos que a unidade do SER é buscada na multiplicidade de ideias, sonhos, projetos. Cada autor assume inteira responsabilidade sobre o conteúdo, não representando necessariamente a linha editorial dos demais.
Poemas Silenciosos

Flickr do (Entre)laços

ExposiçãoDesenhos

Série "Natureza"

Série Natureza

DeJanelaEmJanela

DeCostas

Série "Detalhes"

Série "MoradaImprovisada"

Série Morada Improvisada

Finados

Tratando de peixe

Série Flores

Série Flores

Esporte na Colônia

Série Natureza 01

Série Natureza 05

Caxambu

Caxambu

Caxambu - 02

Caxambu - 01

Penumbra...

Aglomeração...

Portão florido...

Barra Palace

Conjunto Harmonioso...

Reunião privada...

Espaços ocupados...

Arquitetura Perfeita...

Convergência II

Convergência I