novembro 2009.

Formas de concretizar a mística

Não existe uma única explicação sobe a mística, assim como não há uma forma única de como manifestar a mística que alimenta a vida e a ação das pessoas. Tudo o que se pode dizer é que a mística tem um conteúdo que se expressa. Ela deve brotar, e as vezes, até explodir conforme o momento, o ritmo, a cultura das pessoas. Ela aparece:

* Na postura pessoal – Porque a mística é, sobretudo, a vivência de valores e convicções. Por isso, é na vida e nas atitudes pessoais que a mística mais se manifesta: a) o amor pelo povo; b) a solidariedade; c) o espírito de humildade, d) o espírito de superação, iniciativa e ousadia. e) o espírito de sacrifício; f) o companheirismo, g) a pedagogia do exemplo;

* Na beleza e acolhimento do ambiente – a mística deve aparecer e atrair pela simplicidade e significância dos adornos, pela simbologia, luz, cores, festa, música… São fatores que despertam as diversas dimensões do ser humano como a sensibilidade, subjetividade, cultura, história, espiritualidade….

* Na manifestação pública e coletiva – Cada grupo tem formas particulares de expressar seus valores, princípios e sua vida. Mas, a experiência recomenda que se leve em conta alguns critérios na manifestação pública da mística: a) Ser uma atividade onde as pessoas participam com o corpo, mente e sentimento; b) Não é um show para ser assistido; deve envolver as pessoas (o uso da poesia ou canção exige texto quem participa e alguém que saiba tocar); c) não combina com a preparação de surpresas, causar impacto, provocar sensação… d) A celebração da mística deve ser bonita, criativa, breve, com certa solenidade, simples e bem feita e sempre ligada ao tema do momento; e) É bom usar símbolos, gestos e incorporar expressões culturais, testemunhos pessoais… Mas, é preciso evitar que se torne mera apresentação teatral; f) A mística pode ser expressa no começo de uma atividade coletiva (concentra a atenção e recorda o espírito que une o grupo), mas pode e deve ser feita a qualquer momento: um canto, um grito de guerra, uma declamação, um silêncio… g) A preparação é necessária para evitar a improvisação, mas não pode virar um tormento para as pessoas que coordenam a celebração; h) Não é necessariamente uma “reza”, mas é momento sério, solene que não comporta dispersão, cochichos e brincadeiras descabidas.

Este texto expressa exclusivamente a opinião do autor e foi publicado da forma como foi recebido, sem alterações pela equipe do Entrelaços.


busca
autores

Autores

biblioteca

Biblioteca

Entrelaços do Coração é uma revista online e sem fins lucrativos compartilhada por diversos autores. Neste espaço, você encontra várias vertentes da literatura: atualidades, crônicas, reportagens, contos, poesias, fotografias, entre outros. Não há linha específica a ser seguida, pois acreditamos que a unidade do SER é buscada na multiplicidade de ideias, sonhos, projetos. Cada autor assume inteira responsabilidade sobre o conteúdo, não representando necessariamente a linha editorial dos demais.
Poemas Silenciosos

Flickr do (Entre)laços

ExposiçãoDesenhos

Série "Natureza"

Série Natureza

DeJanelaEmJanela

DeCostas

Série "Detalhes"

Série "MoradaImprovisada"

Série Morada Improvisada

Finados

Tratando de peixe

Série Flores

Série Flores

Esporte na Colônia

Série Natureza 01

Série Natureza 05

Caxambu

Caxambu

Caxambu - 02

Caxambu - 01

Penumbra...

Aglomeração...

Portão florido...

Barra Palace

Conjunto Harmonioso...

Reunião privada...

Espaços ocupados...

Arquitetura Perfeita...

Convergência II

Convergência I