Alguém me disse uma vez que não ia ao padre, mas diretamente a Deus para o perdão, como se aquele fosse um desvio. Também no início da missa rezam: (Sacerdote) “O senhor Jesus, que nos convida à mesa da Palavra e da Eucaristia, nos chama à conversão. Reconheçamos ser pecadores e invoquemos com confiança a misericórdia do Pai. Confessemos os nossos pecados: (todos) Confesso a Deus todo-poderoso e a vós, irmãos e irmãs […]” São perdoados assim, é a verdade. E é um bom início que todos se sintam de bem com Deus. Mas, que tal aqueles a quem ofendemos? Ainda faltam os últimos passos para ficar de bem com a comunidade ou paróquia e com os vizinhos.

O padre não está no confessionário por curiosidade. Primeiro ele tem que julgar se a pessoa está arrependida de seus pecados. Agindo no nome da comunidade de fé, ele está aí para nos perdoar no nome dela e de nos ajudar a ficar de bem com o mundo todo. Ele deve procurar nos dirigir ao arrependimento e à reconciliação total.

Quando o penitente fica com os frutos do pecado e diz: “Contei umas mentiras do vizinho,” aonde pode o padre ir com isso? É bem diferente de quem reconhece os pecados e diz: “Tive muito ciúmes e tanta raiva do vizinho que contei umas mentiras sobre a sua vida. Ajudei a destruir o seu nome.” Agora o padre tem várias pistas para dirigir a pessoa para endireitar o mal feito e de ajudá-la a achar pistas para se reconciliar com o vizinho e sua família. Pode ver que a confissão não é nem como um banho da alma, nem uma brincadeira. Ela é um instrumento que nos ajuda a modificar as nossas vidas, ajudado pelos conselhos do confessor e pela graça de Deus e o poder do seu Espírito.

Sobre o mal

Todas as seis raízes, de uma maneira ou de outra, alimentam o pecado dominante, o próprio orgulho da gente. Todos os sete pecados principais são motivos maus que agem contra o temor de Deus e a fé. O temor de Deus não é medo dele, mas receio de ofendê-lo. Assim, quando a Bíblia condena o rico, o poderoso, o farto, é que dificilmente eles temem a Deus. Eles põem a sua segurança nas suas posses e bens e não nEle. Vê-se isso no cântico de Maria: “Sua misericórdia se estende, de geração em geração, sobre os que o temem. Manifestou o poder do seu braço, desconsertou os corações dos soberbos. Derrubou do trono os poderosos e exaltou os humildes […]” (Lc 1:50-52).

Por uma mistura destes sete pecados as estruturas governamentais e os sistemas econômicos e sociais são humanos e vão mal. Facilmente se vê como as estruturas da família e da sociedade estão se desintegrando por cause do mal: esposos abandonados, gangues de crianças e jovens morando na rua, aborto provocado, e muito mais. E vemos como os sistemas econômicos e políticos escravizam povos inteiros e produzem fome, guerra, desemprego, opressão, grilagem, tortura, assassínios e mil outras coisas, por causa desses pecados. Todos são atos maus e frutos da árvore do pecado (Lc 6:43-45). São resultados da fraqueza humana separada do amor e do poder de Deus.

Os sistemas e estruturas são humanos e imperfeitos, mas não são maus. Um sistema pode ser melhor para um povo do que a outro, mas quem condena um sistema por se mau é como alguém que condena uma faca porque ela matou alguém.

Nós somos responsáveis pelos sistemas que temos se não trabalharmos para modificá-los e melhorar. Se os cristãos crêem que Jesus tirou o pecado do mundo (Jo 1:29), é a missão de eles todos aceitar esta libertação e a levar para os outros. Eles têm que pregar a Boa Nova, o Evangelho, pela palavra e por sua vida, a toda criatura (Mc 16:15). Eles têm que lutar pela libertação sua e da toda humanidade, do pecado e dos frutos do pecado como o fez São Paulo. Se Jesus e outros sofreram pregando e fazendo isso, o cristão pode esperar sofrimento e oposição pelas agentes do Reino do Mal (Rom 8:17; 2Cor 1:6).

Questionário

1. Como era feito o sacramento da reconciliação dentro das comunidades cristãs antigas conforme a carta de Tiago?
2. O que é arrependimento? Por que ele é importante?
3. Dê dois exemplos de como um pecado pode ofender outras pessoas.
4. Quais as palavras de Jesus que nos mostram que o perdão e a reconciliação são importantes na vida do cristão?
5. O que são frutos do pecado? Cite cinco deles.
6. Qual é a diferença entre os pecados e os seus frutos?
7. O que é mais fácil ver, o pecado ou os seus frutos? Por quê?
8. Como é que os meios de comunicação social – o rádio, a televisão, as revistas e os jornais etc. – provocam em nós o impulso ou a tentação para a ganância e a cobiça?
9. Quais são as más ações causadas pela inveja e o ciúme?
10. Quais são uns males causados na família pelo pecado? Na sociedade? Nos sistemas políticos?
11. O que deve um penitente confessar no confessionário, pecados ou os seus frutos? Por quê?
12. Como é a diferença entre o perdão quando alguém confessa a) diretamente a Deus, b) no início da missa, e c) no confessionário? Qual é mais vantajoso ao penitente? Por quê?

Este texto expressa exclusivamente a opinião do autor e foi publicado da forma como foi recebido, sem alterações pela equipe do Entrelaços.


busca
autores

Autores

biblioteca

Biblioteca

Entrelaços do Coração é uma revista online e sem fins lucrativos compartilhada por diversos autores. Neste espaço, você encontra várias vertentes da literatura: atualidades, crônicas, reportagens, contos, poesias, fotografias, entre outros. Não há linha específica a ser seguida, pois acreditamos que a unidade do SER é buscada na multiplicidade de ideias, sonhos, projetos. Cada autor assume inteira responsabilidade sobre o conteúdo, não representando necessariamente a linha editorial dos demais.
Poemas Silenciosos

Flickr do (Entre)laços

ExposiçãoDesenhos

Série "Natureza"

Série Natureza

DeJanelaEmJanela

DeCostas

Série "Detalhes"

Série "MoradaImprovisada"

Série Morada Improvisada

Finados

Tratando de peixe

Série Flores

Série Flores

Esporte na Colônia

Série Natureza 01

Série Natureza 05

Caxambu

Caxambu

Caxambu - 02

Caxambu - 01

Penumbra...

Aglomeração...

Portão florido...

Barra Palace

Conjunto Harmonioso...

Reunião privada...

Espaços ocupados...

Arquitetura Perfeita...

Convergência II

Convergência I