Therezinha Paiva 20 de janeiro de 2010

Festas e mais festas, fogos, música, esperança, alegria contagiante e hoje coisa alguma temos para ver a não ser um grande desastre em Angra dos Reis e chuva fortíssima em São Paulo, com suas conseqüências assustadoras.
Quanta tristeza, quanta dor e a expectativa do que mais virá.
O regozijo pela ausência de violência no Rio de Janeiro, na passagem do ano, foi abafado pela natureza que nos sacode e assusta. Dois milhões de pessoas unidas no amor, na Paz e logo a seguir o caos bem próximo de nós.
O que podemos fazer? Temos condições de acalmar a natureza enfurecida?
Podemos reconstruir o que no passado de errado fizemos?
Os governantes se reuniram e coisa alguma estará em prática.
Ficam os sustos, as desgraças, as destruições.
Para somar ao rol de sustos a degeneração crescente, galopante, dos valores morais, da ética, da convivência familiar, da integridade, da dignidade da pessoa humana.
Prostituição, drogas, assaltos, agressões físicas e verbais, desrespeito, indiferença, o estar junto e passar por amigo para tirar vantagens… Isso vejo no meu dia a dia. Só eu vejo? Só eu sinto?
Recebi um sem número de mensagens sublimes, religiosas, humanas, pela passagem do Natal de Jesus e depois a alegria, sonhos projetados, esperança no ano que se anunciava.
O ano chegou; estamos em 2.010.
E agora?
Onde estão contidos, imersos todos os bons propósitos clamados por todo um mês, o mês de dezembro. Foi tudo mais um “faz de conta”?
Agora no ar o carnaval. Mulheres, jovens, meninas despidas, muita bebida, sexo livre, alegria e mais alegria. Será mesmo alegria?
E depois? Ao que levará mais um festival desses? Com certeza a mais uma geração intitulada de “filhos do carnaval”, que será atirada à sua sorte, sem amor da mãe, do pai desconhecido.
Os programas de auditório, os transmitidos nas escolas de Samba nos mostram a cada ano meninas mais jovens exibindo seus corpos. Carnaval igual à exposição de meninas e jovens semi-nuas, cantando e dançando ao som de músicas para tal momento escritas.
Sou a favor do carnaval, festa popular maravilhosa. Mas o vejo como festa de alegria, música, dança compartilhada com a família, com os amigos, com novos amigos, com o povo, com os turistas, com todos os que buscam o bem viver, a cultura de um povo, a convivência pacífica. Mas não mais é assim, não é mesmo.
O que pensam vocês?
Estou completamente equivocada? Tomara esteja; tomara minha visão do mundo esteja distorcida e só esteja vendo o negativo onde o positivo impera. Gostaria de enxergar dessa forma.
Abram meus olhos!!!!!

02.01.2010
Um abraço e o meu carinho,
Este texto expressa exclusivamente a opinião do autor e foi publicado da forma como foi recebido, sem alterações pela equipe do Entrelaços.


busca
autores

Autores

biblioteca

Biblioteca

Entrelaços do Coração é uma revista online e sem fins lucrativos compartilhada por diversos autores. Neste espaço, você encontra várias vertentes da literatura: atualidades, crônicas, reportagens, contos, poesias, fotografias, entre outros. Não há linha específica a ser seguida, pois acreditamos que a unidade do SER é buscada na multiplicidade de ideias, sonhos, projetos. Cada autor assume inteira responsabilidade sobre o conteúdo, não representando necessariamente a linha editorial dos demais.
Poemas Silenciosos

Flickr do (Entre)laços

ExposiçãoDesenhos

Série "Natureza"

Série Natureza

DeJanelaEmJanela

DeCostas

Série "Detalhes"

Série "MoradaImprovisada"

Série Morada Improvisada

Finados

Tratando de peixe

Série Flores

Série Flores

Esporte na Colônia

Série Natureza 01

Série Natureza 05

Caxambu

Caxambu

Caxambu - 02

Caxambu - 01

Penumbra...

Aglomeração...

Portão florido...

Barra Palace

Conjunto Harmonioso...

Reunião privada...

Espaços ocupados...

Arquitetura Perfeita...

Convergência II

Convergência I