15. O natal é convocação clara (Vinde!) e exigente para a nova ordem social, cujo centro é a partilha do pão. Só quem trabalha, quem vigia (sábios da periferia) e quem se dispõe (Vamos a Belém = casa do pão!) vai ver, celebrar e seguir o sinal dos tempos.

16. A nova era começa fora da cidade dos homens. Nessa sociedade não há lugar para a esperança. Só quem precisa ou se doa pela causa da justiça pode querer o mundo novo onde lobo e cordeiro se abraçam e onde não se chora senão de alegria.

17. O ano novo é o apelo para a mudança. Em geral, toda pessoa quer mudar de vida, de preferência por uma interferência caída do céu. Daí, tantas simpatias. Só que mudar, tanto é alegria, como aventura que exige entrega total, ativa e comprometida.

18. O tempo avança inexorável. O rio continua o mesmo porque muda. Quem não muda, desaparece. O medo de mudar, de tão resistente, se quebra como o vidro. Muros e armaduras – físicas e imateriais – protegem o patrimônio, mas aprisionam a felicidade.

19. Só depois de mudar se saboreia as vantagens da mudança. Vê-se que a segurança não passa de velharias – tralhas, crostas, espaços inúteis ocupados, becos sem saída… Renovação é liberdade, novidade, novos prismas, desafios, criatividade…

20. O entusiasmo de final de ano pode gerar o impulso para esse salto na imensidão da vida nova e solidária a ser construída. Diante dessa decisão, baseada em convicção, alguns se fecham, outros se diluem na moda de plantão, outros mudam por fora.

21. A mudança se alimenta de sonho, sem ilusões. A centelha que ainda fumega, no íntimo dos humanos, reacende nesse clima de fim de ano. E não sabendo que existe o impossível, sua sensibilidade pode ir lá fazer o que será para realizar a esperança.

Este texto expressa exclusivamente a opinião do autor e foi publicado da forma como foi recebido, sem alterações pela equipe do Entrelaços.


busca
autores

Autores

biblioteca

Biblioteca

Entrelaços do Coração é uma revista online e sem fins lucrativos compartilhada por diversos autores. Neste espaço, você encontra várias vertentes da literatura: atualidades, crônicas, reportagens, contos, poesias, fotografias, entre outros. Não há linha específica a ser seguida, pois acreditamos que a unidade do SER é buscada na multiplicidade de ideias, sonhos, projetos. Cada autor assume inteira responsabilidade sobre o conteúdo, não representando necessariamente a linha editorial dos demais.
Poemas Silenciosos

Flickr do (Entre)laços

ExposiçãoDesenhos

Série "Natureza"

Série Natureza

DeJanelaEmJanela

DeCostas

Série "Detalhes"

Série "MoradaImprovisada"

Série Morada Improvisada

Finados

Tratando de peixe

Série Flores

Série Flores

Esporte na Colônia

Série Natureza 01

Série Natureza 05

Caxambu

Caxambu

Caxambu - 02

Caxambu - 01

Penumbra...

Aglomeração...

Portão florido...

Barra Palace

Conjunto Harmonioso...

Reunião privada...

Espaços ocupados...

Arquitetura Perfeita...

Convergência II

Convergência I