O tema da liberdade está presente na teoria de filósofos como Descartes e Leibniz, ambos associaram a vontade ao entendimento, porém a razão condicionava a liberdade. Portanto, parte da Escola de direito naturalista, consideravam homem livre, mas somente por meio da racionalidade.

Thomas Hobbes, filósofo inglês, é quem apresenta o melhor conceito sobre o tema da liberdade do humano:“Por liberdade entende-se (…) a ausência de impedimentos externos, impedimentos que muitas vezes tiram parte do poder que cada um tem de fazer o que quer, mas não podem obstar a que use o poder que lhe resta, conforme o que seu julgamento e razão lhe ditarem”.

Percebe-se no trecho do Leviatã que o homem é livre para fazer tudo que aquilo que deseja, somente os limites do seu corpo pode impedi-lo de fazer o que anseia. Pois não há nenhum impedimento moral que o impeça de proceder da forma que deseja.

A liberdade hobbesiana se explica, porque o sujeito possui uma extrema necessidade de preservar sua própria natureza, inclusive sua vida, pois no estado de natureza hobbesiano, o sujeito tem que se auto-defender, sua vida está em constante perigo. Por outro lado, muitas das ações dos homens são legitimadas pelo direito natural. Logo, o homem busca a paz, mas ao mesmo tempo corre o risco de depositar a sua paz em outro homem e ser dominado por ele. Assim já não terá mais liberdade sobre suas ações.

Kant, filósofo alemão, critica a razão clássica e o direito natural, embora ainda haja resquício da razão classe na filosofia Kantiana. E a essência ainda aparece precedendo a existência. Pois Kant considerava a razão classe como dogmática, mas no cerne da sua filosofia ele assegura que entendimento é quem garante a essência e a liberdade do humano.

Sartre, combate essa filosofia racionalista que vimos acima, pois ele acredita e defende que o primeiro fato na vida do homem, é a existência e que tudo vem depois desse fato: “Se Deus não existe, há pelo menos um ser no qual a existência precede a essência; um ser que existe antes de poder ser definido por qualquer conceito. E que este ser é o homem como diz Heidegger, a realidade humana.

A não possível existência de um ser que cria o homem, o (homem) faz não possuir uma essência pré-definida. Assim o homem, enquanto sujeito primeiro existe, se encontra no mundo, somente depois ele passa a se definir juntamente com os outros homens, pois seu engajamento no mundo é essencial para a sua definição.

Percebe-se que Sartre concebe o homem primeiramente como um nada, pois ele no início somente existe e está no mundo para depois se constituir livremente como sujeito no projeto humano. Sendo o homem o único responsável pela sua definição como sujeito no mundo, “o homem é responsável por aquilo que é” diz Sartre.
Mas o projeto humano não está limitado à subjetividade do sujeito, “pois esse sempre está se projetando para fora de si mesmo, buscando fins transcendentes” como nos disse Sartre. Porque o projeto humano não se restringe à subjetividade de cada sujeito, ele adquire um caráter universal para toda a humanidade. Por isso Sartre nos fala que o “homem não escolhe a si próprio, mas a todos os homens”.

A solidão e angústia, temas presentes na teoria de filósofos cristãos, para esses tanta a solidão como a angústia são caminhos essenciais para que o sujeito caminhe para Deus, ou do finito ao infinito. Mas em Sartre esses são momentos em que o sujeito encontra-se consigo mesmo, pois suas angústias quase sempre são acompanhadas por uma decisão que o indivíduo deve tomar, e tal decisão não é somente para si, mas envolve outros seres, diz Sartre: “… uma responsabilidade direita frente aos outros homens que ela envolve.”. Posso presumir aqui que os homens estão condenados a sozinhos, por meio de acontecimentos na vida, tomarem as decisões de sua existência.

A existência do outro para a constituição da subjetividade de um sujeito é essencial para o existencialismo. Ao contrário do pensamento cartesiano, no qual a subjetividade é constituída através do pensamento, e esse como exercício individual. Portanto, em Sartre o “outro é indispensável à minha existência”. Essa frase comprova que o sujeito é “um no mundo”. “Um no mundo” não se refere simplesmente ao fato de existir, mas ao fato de está no mundo com outros sujeitos que também se encontram nele, embora o sujeito não perca a sua liberdade de ser no mundo aquilo que escolheu ser.

Não devemos deixar de ressaltar a importância de Nietzsche na teoria existencialista de Sartre. A declaração “da morte de Deus” proferida pelo filósofo alemão, foi essencial para que Sartre depositasse no próprio humano, a responsabilidade por seus atos e principalmente pela sua definição como “sujeito no mundo”. Não era mais um ser supremo que definia previamente o sujeito, mas o sujeito, depois de sua existência no mundo, em contato com ele (mundo) constituía seu projeto humano como sujeito no mundo.

Portanto, o Existencialismo foi enriquecido com o pensamento de vários filósofos no decorrer da história, sendo que alguns forneceram elementos de contestação e outros corroboraram para a consolidação do pensamento existencialista. Esse teve como intuito dar ao humano uma possível esperança e compreensão da sua própria existência como humano no mundo.

Este texto expressa exclusivamente a opinião do autor e foi publicado da forma como foi recebido, sem alterações pela equipe do Entrelaços.


busca
autores

Autores

biblioteca

Biblioteca

Entrelaços do Coração é uma revista online e sem fins lucrativos compartilhada por diversos autores. Neste espaço, você encontra várias vertentes da literatura: atualidades, crônicas, reportagens, contos, poesias, fotografias, entre outros. Não há linha específica a ser seguida, pois acreditamos que a unidade do SER é buscada na multiplicidade de ideias, sonhos, projetos. Cada autor assume inteira responsabilidade sobre o conteúdo, não representando necessariamente a linha editorial dos demais.
Poemas Silenciosos

Flickr do (Entre)laços

ExposiçãoDesenhos

Série "Natureza"

Série Natureza

DeJanelaEmJanela

DeCostas

Série "Detalhes"

Série "MoradaImprovisada"

Série Morada Improvisada

Finados

Tratando de peixe

Série Flores

Série Flores

Esporte na Colônia

Série Natureza 01

Série Natureza 05

Caxambu

Caxambu

Caxambu - 02

Caxambu - 01

Penumbra...

Aglomeração...

Portão florido...

Barra Palace

Conjunto Harmonioso...

Reunião privada...

Espaços ocupados...

Arquitetura Perfeita...

Convergência II

Convergência I