Neste domingo chega à sua culminância o Ano Paulino, instituído para celebrar os dois mil anos do seu nascimento, ocorrido na cidade de Tarso, integrada no mapa das terras dominadas pelo império romano.

A festa da conversão de S. Paulo nos motiva a acompanhar os passos mais significativos da vida deste grande apóstolo.

Foi decisiva sua experiência de vida comunitária em Antioquia, para onde foi levado por Barnabé. Paulo nunca mais esqueceu Antioquia, e fez dela o ponto de partida, e o ponto de retorno, de toda a sua intensa atividade missionária.

Conta o livro dos Atos dos Apóstolos, que a comunidade de Antioquia teve um surpreendente crescimento, que chamou a atenção da opinião pública. Tanto que foi lá que os discípulos de Jesus, pela primeira vez, foram chamados de “cristãos”. Foi cunhado um apelido, que acabou ficando na história, e dela nunca mais sairá, com certeza.

Conforme testemunha a Bíblia, certo dia, quando a comunidade de Antioquia estava reunida, fez-se ouvir o apelo de Deus para a sua responsabilidade missionária. Perceberam que não podiam guardar só para si próprios a riqueza de vida que a fé cristã lhes tinha outorgado. O mundo estava próximo a Antioquia, aguardando a boa nova da salvação em Cristo.

De tal modo que Antioquia passou a exercer a missão de intermediária entre Jerusalém, o nascedouro da fé cristã, e o mundo pagão, também destinatário desta mesma fé. Sem Antioquia, não teria acontecido a surpreendente expansão do cristianismo pelas terras do império romano.

Para simbolizar que a fé cristã transborda de uma experiência de vida, a comunidade de Antioquia, reunida em oração, invocou a força de Deus sobre os dois que ela estava enviando em missão, e impuseram as mãos sobre Barnabé e Paulo, simbolizando que estavam partindo em nome de Deus e em nome da comunidade, que os enviava.

Assim partiram, conduzidos pelo Espírito, que se encarregaria de indicar os caminhos por onde o Evangelho devia ir sendo semeado em terras pagãs.

Mas periodicamente, eles voltariam a Antioquia, para se reabastecer de motivações, e para enriquecer a comunidade com a experiência da missão.

O missionário nunca pode perder o contato com a comunidade que o impulsionou para a missão. Comunhão e missão são duas dimensões indispensáveis para o crescimento da Igreja e para a difusão do Evangelho.

(*) (www.diocesedejales.org.br)

Este texto expressa exclusivamente a opinião do autor e foi publicado da forma como foi recebido, sem alterações pela equipe do Entrelaços.


busca
autores

Autores

biblioteca

Biblioteca

Entrelaços do Coração é uma revista online e sem fins lucrativos compartilhada por diversos autores. Neste espaço, você encontra várias vertentes da literatura: atualidades, crônicas, reportagens, contos, poesias, fotografias, entre outros. Não há linha específica a ser seguida, pois acreditamos que a unidade do SER é buscada na multiplicidade de ideias, sonhos, projetos. Cada autor assume inteira responsabilidade sobre o conteúdo, não representando necessariamente a linha editorial dos demais.
Poemas Silenciosos

Flickr do (Entre)laços

ExposiçãoDesenhos

Série "Natureza"

Série Natureza

DeJanelaEmJanela

DeCostas

Série "Detalhes"

Série "MoradaImprovisada"

Série Morada Improvisada

Finados

Tratando de peixe

Série Flores

Série Flores

Esporte na Colônia

Série Natureza 01

Série Natureza 05

Caxambu

Caxambu

Caxambu - 02

Caxambu - 01

Penumbra...

Aglomeração...

Portão florido...

Barra Palace

Conjunto Harmonioso...

Reunião privada...

Espaços ocupados...

Arquitetura Perfeita...

Convergência II

Convergência I