Abril de 2007

6. A luta, como consciência moral, se manifesta em forma de pressão
“A violência não resolve, a violência corrompe, a violência não se desprende, se acostuma, cria vício, etc.”, repete a classe dominante. No entanto, as leis foram criadas para manter os pobres calados. É preciso crer firmemente que, aplicando as Leis, o povo não consegue nada. Para conquistar alguma coisa é preciso infringir a Lei. “É no ato de desobediência que aparece a consciência”.
Se uma pessoa desobedece vai para a cadeia. Porém, se um milhão de pessoas desobedece, questiona a lei, a lei tem que mudar. Ação coletiva constrói consciência coletiva. “Obedecer a Lei é agir além da Lei”. Repetindo: Toda lei é feita para defender as estruturas estabelecidas. Os sistemas democráticos jamais levaram à mudanças. É preciso ter outras estratégias para denunciar o sistema. Então, ter consciência moral é agir além da Lei.

7. É preciso agir com inteligência
É preciso estudar as posturas da classe dominante – não existe poder total e absoluto. Temos que agir nas brechas, nas fraquezas do sistema. E uma das fraquezas do sistema é a propriedade latifundiária; o sistema de propriedade rural, no Brasil, é um escândalo mundial. O governo atual poderia aproveitar esta brecha, desta fraqueza do sistema, infelizmente, até agora, parece que não se deu conta disso ou não acredita nisso.

8. Coragem
É preciso perseverar, enfrentar e vencer o desânimo, o cansaço, a desilusão. É preciso enfrentar a cumplicidade dos que apostam nas fraquezas. Coragem, perseverança, teimosia, nada se consegue, normalmente, sem coragem. Somente é derrotado quem se reconhece como derrotado; quem não se reconhece como derrotado não é derrotado; tudo continua – a militância nunca pode declarar-se derrotada.

9. Participação na vida dos pobres
Não basta um bom discurso, é preciso participar da vida coletiva. Ser solidário é estar junto. É insuficiente achar que “nós somos os conscientes, os justos, os verdadeiros e os outros, o povo são alienados, inocentes úteis”. Ser consciente é tomar parte nas ações.
De nada vale pensar que porque “eu fiz um curso, sou superior aos outros”. É preciso sentir-se semelhante ao outro. Do contrário, não se cria confiança, não se constrói cumplicidade coletiva. Achar-se superior, mais importante, desperta o ódio na grande maioria. Ser militante é ser participante na vida dos outros, um companheiro no meio de companheiros. Daí vem o poder de despertar as energias que estão adormecidas no meio do povo.
“O nosso maior aliado é o povo”, dizia D. Helder. Por isso, quem estuda e não volta à sua base, às suas raízes, se afasta da realidade e já não sabe mais o que acontece no meio do povo. É verdade, que pobre aprendeu a ter horror à pobreza; por isso, quando consegue sair, não quer voltar mais. Acha uma vantagem repetir “eu me salvei da pobreza, eu me salvei da ignorância” e se esquecer do seu irmão.

10. Toda ação supõe organização, ordem e disciplina
Toda ação coletiva supõe a necessidade da organização e da disciplina. Mas, o valor da disciplina está no fato da disciplina voluntária e consciente da militância – não a disciplina do medo, a disciplina dos quartéis.

Obs:- Notas a partir de palestra de Pe. Comblin.

O Teólogo e padre José Comblin tem uma vida dedicada à Teologia da Libertação e é militante da igreja, na Paraíba e no nordeste.

A Parte I foi postada no dia 07.10.2008

Este texto expressa exclusivamente a opinião do autor e foi publicado da forma como foi recebido, sem alterações pela equipe do Entrelaços.


busca
autores

Autores

biblioteca

Biblioteca

Entrelaços do Coração é uma revista online e sem fins lucrativos compartilhada por diversos autores. Neste espaço, você encontra várias vertentes da literatura: atualidades, crônicas, reportagens, contos, poesias, fotografias, entre outros. Não há linha específica a ser seguida, pois acreditamos que a unidade do SER é buscada na multiplicidade de ideias, sonhos, projetos. Cada autor assume inteira responsabilidade sobre o conteúdo, não representando necessariamente a linha editorial dos demais.
Poemas Silenciosos

Flickr do (Entre)laços

ExposiçãoDesenhos

Série "Natureza"

Série Natureza

DeJanelaEmJanela

DeCostas

Série "Detalhes"

Série "MoradaImprovisada"

Série Morada Improvisada

Finados

Tratando de peixe

Série Flores

Série Flores

Esporte na Colônia

Série Natureza 01

Série Natureza 05

Caxambu

Caxambu

Caxambu - 02

Caxambu - 01

Penumbra...

Aglomeração...

Portão florido...

Barra Palace

Conjunto Harmonioso...

Reunião privada...

Espaços ocupados...

Arquitetura Perfeita...

Convergência II

Convergência I