Saulo Marden 13 de setembro de 2008

([email protected])

Há muitos anos, conheci um relojoeiro cuja dedicação pelos relógios de parede o destacava dos demais profissionais do ramo e todos na cidade o conheciam por “Meyer relojoeiro”, a oficina era em sua própria casa, contribuindo assim para tornar o horário de trabalho interminável, e consertos difíceis eram passatempo; ao descobrir o defeito, sentia a alma renovada, e quando, algumas vezes, o corpo, a vista, indicavam que era chegado o momento de parar, resistia; a idéia de não ter o que fazer o impulsionava mais e mais ao trabalho, e driblando o cansaço ficava a limpar, a polir as ferramentas até que as badaladas da meia noite nos mais variados tons indicasse a hora de se recolher e num desses serões, após a melodia da zero hora, notou um relógio parado e ficou surpreso, pois durante o dia o deixara funcionando, agora os ponteiros estavam superpostos no número doze, e cansado, sem coragem àquela hora, entregou-se ao repouso, mas a mente não o deixou dormir e, no estado de torpor, quando não se distingue sonho de realidade, pensou: “interessante, não é a primeira vez que conserto este relógio e sempre os ponteiros ficam superpostos o ano passado aconteceu a mesma coisa a engrenagem estava perfeita os ponteiros não se tocavam portanto não deviam parar e ouviu uma voz não sabe que os ponteiros também têm os mesmos problemas que vocês humanos que precisamos de tempo para conversar se entender e amar… não… não acredito no que ouvi estou cansado enlouquecido e de novo a voz acredite no que ouviu aqui quem lhe fala é o ponteiro dos segundos o responsável pela vida dos outros dois. E ele perguntou: “podem os ponteiros falar pensar… “Sim… também agir a hora e o minuto formam um casal e estão sujeitos ao dia a dia e aos desencontros”.
Meyer levantou-se e ainda no estado de torpor comentou para si mesmo em voz alta: “Preciso descansar, hoje trabalhei demais, já estou atribuindo sentimentos aos ponteiros”.
No dia seguinte, veio-lhe a idéia de mudar o mecanismo dos relógios, criar engrenagens, fazer os ponteiros pararem juntos e que com um simples toque em um botão voltassem a funcionar com a hora e os minutos atualizados e assim, discutiriam com mais calma os problemas que os afligem: “Meu Deus estou mesmo louco estava dormindo ou acordado terá sido sonho o dia que vivo agora, é real ou imaginário de onde veio a voz que quer ensinar a trabalhar a quem não admite sugestão” Essas perguntas tornaram-se fixas obsessivas e, dia após dia, pensava em encontrar uma solução fabricando peças, iniciando a montagem e, no fim de algumas semanas, concluiu o trabalho e radiante, pendurou o relógio na parede: “Hoje vocês terão tempo para conversar e espero que daqui em diante quando estiverem juntos se encontrem mas ao voltarem a funcionar não atrasem indiquem a hora e os minutos certos… com precisão”
Durante toda a semana o funcionamento foi perfeito: nenhum minuto ou mesmo segundo foi prejudicado e ele, entusiasmado com o feito, esqueceu que era chegado o dia da devolução daquela máquina conforme prometido ao dono, e a angústia voltou a lhe perturbar com a idéia de encontrar uma alternativa para não devolvê-lo e, viu que a solução seria alegar que o relógio não tinha mais conserto; que era melhor vendê-lo, comprar outro; aquele apenas se prestava para a retirada de algumas peças e a decisão caberia ao dono: vender ou ficar para relíquia, e no dia da entrega, estava nervoso, a concentração falha, o trabalho difícil; quando o dono perguntou por quanto ele ficaria, a emoção dobrou, pois aquele relógio lhe revelara que até os mecanismos de aço precisam ter descanso e deste dia em diante, todas as vezes que olhava para os ponteiros lembravam-lhe pessoas, e para tanto, deveria dar-lhes conforto por cumprirem a jornada de trabalho, e duas vezes por dia permitia-lhes a chance de estarem juntos e numa delas, o tempo era bem maior; o relógio não mais se atrasou nem se quebrou, mesmo após a morte de Meyer quando passou a pertencer a outras pessoas comprometidas em dar continuidade à operação.

* * *
Obs: Imagem enviada pelo autor.

Este texto expressa exclusivamente a opinião do autor e foi publicado da forma como foi recebido, sem alterações pela equipe do Entrelaços.


busca
autores

Autores

biblioteca

Biblioteca

Entrelaços do Coração é uma revista online e sem fins lucrativos compartilhada por diversos autores. Neste espaço, você encontra várias vertentes da literatura: atualidades, crônicas, reportagens, contos, poesias, fotografias, entre outros. Não há linha específica a ser seguida, pois acreditamos que a unidade do SER é buscada na multiplicidade de ideias, sonhos, projetos. Cada autor assume inteira responsabilidade sobre o conteúdo, não representando necessariamente a linha editorial dos demais.
Poemas Silenciosos

Flickr do (Entre)laços

ExposiçãoDesenhos

Série "Natureza"

Série Natureza

DeJanelaEmJanela

DeCostas

Série "Detalhes"

Série "MoradaImprovisada"

Série Morada Improvisada

Finados

Tratando de peixe

Série Flores

Série Flores

Esporte na Colônia

Série Natureza 01

Série Natureza 05

Caxambu

Caxambu

Caxambu - 02

Caxambu - 01

Penumbra...

Aglomeração...

Portão florido...

Barra Palace

Conjunto Harmonioso...

Reunião privada...

Espaços ocupados...

Arquitetura Perfeita...

Convergência II

Convergência I