Djanira Silva 24 de julho de 2008


djaniras@globo.com

Extraindo de mim o que não tenho
Corta minh’alma a aridez do mundo
O meu pesar é quase tão profundo
Quanto o abismo cruel de onde venho

Diante desta dor não me contenho
Procuro me encontrar e vou ao fundo
Deste abismo de dor tão infecundo
Do qual tento sair e me detenho

Perdida neste frio isolamento
Em que sinto minh’alma se esvair
E No qual sinto minh’alma mergulhar

Tenho a certeza – crucial momento –
De que não tenho sequer para onde ir
E se for, não terei pra quem voltar.

Obs: Imagem enviada pela autora

Este texto expressa exclusivamente a opinião do autor e foi publicado da forma como foi recebido, sem alterações pela equipe do Entrelaços.


busca
autores

Autores

biblioteca

Biblioteca

Entrelaços do Coração é uma revista online e sem fins lucrativos compartilhada por diversos autores. Neste espaço, você encontra várias vertentes da literatura: atualidades, crônicas, reportagens, contos, poesias, fotografias, entre outros. Não há linha específica a ser seguida, pois acreditamos que a unidade do SER é buscada na multiplicidade de ideias, sonhos, projetos. Cada autor assume inteira responsabilidade sobre o conteúdo, não representando necessariamente a linha editorial dos demais.
Poemas Silenciosos

Flickr do (Entre)laços

ExposiçãoDesenhos

Série "Natureza"

Série Natureza

DeJanelaEmJanela

DeCostas

Série "Detalhes"

Série "MoradaImprovisada"

Série Morada Improvisada

Finados

Tratando de peixe

Série Flores

Série Flores

Esporte na Colônia

Série Natureza 01

Série Natureza 05

Caxambu

Caxambu

Caxambu - 02

Caxambu - 01

Penumbra...

Aglomeração...

Portão florido...

Barra Palace

Conjunto Harmonioso...

Reunião privada...

Espaços ocupados...

Arquitetura Perfeita...

Convergência II

Convergência I