Dasilva 17 de julho de 2008

junho de 2008.

O governo Lula segue a orientação dos governos anteriores, na política econômica – prioriza o pagamento dos contratos, garante o lucro do setor financeiro e a estabilidade da empresas e com 0,2% do orçamento (bolsa família) controla a reação de 11.000.000 de famílias ou 45 milhões de habitantes.

Os ricos inteligentes até ensaiam a proposta de um terceiro mandato para Lula – têm maioria para impor ao país qualquer mudança. Afinal, quem da direita reuniria tantas qualidades para apoiar o capital agora travestido de nacional? Se fazem alguma marola é porque não conseguem ser oposição e precisam do show midiático para assegurar cargos eletivos. Tentam vários expedientes para desacreditá-lo, mas percebem que depois de todos, Lula sai mais fortalecido no apoio popular. A elite brasileira é reconhecidamente machista, patriarcal, racista e preconceituosa. Embora nunca tenha lucrado tanto como no governo Lula, a elite é tão arrogante que preferia, para continuar sua política, alguém que tivesse nascido rico, no sul maravilha e pudesse exibir um canudo acadêmico.

Já na turma que, durante 40 anos, apostou e pôs suas esperanças no projeto Lula, há pelo menos três tipos de comportamento. Os lulistas, cegos apoiadores que só vêem acertos no governo Lula e tudo que se diga contra é conspiração para desestabilizá-lo – (isso lhes rende uma pontinha na máquina?). Mesmo o sindicalismo dito combativo, por razões sérias ou oportunistas, se tornou oficialista e funcional ao poder. Na outra ponta e impotentes estão os esquerdistas que acusam Lula de traidor e só sabem repetir Fora Lula! Mas, além de não terem expressão na massa, não apresentam alternativas e acabam servindo de braço auxiliar da direita – (será verdade que se venderiam por um prato de lentilhas?).

Um terceiro grupo tenta uma postura crítica quanto ao rumo do governo, sua visão de progresso e o abandono dos seus aliados de trajetória. Mas, reconhece que não é um governo igual aos anteriores, vê avanços ainda que insuficientes, na política compensatória de Lula e, analisa sua importância dentro do contexto atual latino-americano, com sinais de afirmação e soberania. Ao afirmar que o governo é menos mal, este grupo não o defende – apenas constata que, na atual correlação de forças e desmobilização popular, o tempo é de preparação de uma conjuntura que possibilite mudanças estruturais.

Por que Lula reforça o projeto da elite? Sempre pensou isso, mas nunca falou ou encantou-se com o brilho da corte? Acha que as empresas transnacionais do agronegócio e do setor financeiro querem o progresso da nação e a produção de comida? E por que elogia os coronéis latifundiários como heróis? Sua estratégia é o enriquecimento do capital que possa deixar uma sobra para os pobres?

Um governo é popular quando estimula políticas que visam incorporar o povo como protagonista. E é populista, como na ditadura Vargas, quando sua intencionalidade é incorporar o povo como massa de manobra para a ampliação do capital. O populismo adora platéias e torcedores. Ou como dizia uma enfermeira, no coletivo urbano: “tem gente que tem medo, mas eu prefiro lidar com morto; a gente pode cometer erros e ninguém vai reclamar”.

Lula é popular ou é um populista de novo tipo? Quanto mais a elite o ataca, mais o povo o apóia. Parece que o povo, além de pequenas melhorias, se identifica no Lula – Lula é ele próprio ou, ao ser um povo que não é, prefere um salvador que o represente.

É fácil entender que, em um país com a mentalidade de escravo, o povo tenha aprendido a encostar-se numa árvore que dá sombra, a por em si nome de gente famosa e buscar padrinhos poderosos para aparecer na vida. Essa mentalidade de escravo se manifesta quando confunde direito com favor, gentileza com subserviência e agradecimento com puxa-saquismo. Mas, se manifesta, igualmente, quando mistura obrigação com bondade, esmola com solidariedade, amizade com favorecimento, remendo com mudança e resistência à crítica com perseguição. O pior de tudo é quando essa pessoa assimila os valores da opressão para se dar bem como rei do povo.

Este texto expressa exclusivamente a opinião do autor e foi publicado da forma como foi recebido, sem alterações pela equipe do Entrelaços.


busca
autores

Autores

biblioteca

Biblioteca

Entrelaços do Coração é uma revista online e sem fins lucrativos compartilhada por diversos autores. Neste espaço, você encontra várias vertentes da literatura: atualidades, crônicas, reportagens, contos, poesias, fotografias, entre outros. Não há linha específica a ser seguida, pois acreditamos que a unidade do SER é buscada na multiplicidade de ideias, sonhos, projetos. Cada autor assume inteira responsabilidade sobre o conteúdo, não representando necessariamente a linha editorial dos demais.
Poemas Silenciosos

Flickr do (Entre)laços

ExposiçãoDesenhos

Série "Natureza"

Série Natureza

DeJanelaEmJanela

DeCostas

Série "Detalhes"

Série "MoradaImprovisada"

Série Morada Improvisada

Finados

Tratando de peixe

Série Flores

Série Flores

Esporte na Colônia

Série Natureza 01

Série Natureza 05

Caxambu

Caxambu

Caxambu - 02

Caxambu - 01

Penumbra...

Aglomeração...

Portão florido...

Barra Palace

Conjunto Harmonioso...

Reunião privada...

Espaços ocupados...

Arquitetura Perfeita...

Convergência II

Convergência I