Djanira Silva 3 de julho de 2008

(djaniras@globo.com)

Poderia estar em qualquer parte. Tanto fazia que fosse ali ou acolá, a tempestade que caia era ali e era assim que me metia medo. O imprevisível. O imponderável. O que não se pode conter, dominar.
Para afugentar o medo acendi o cachimbo. Procurei pensar em coisas as mais diversas – no gato que ficara embaixo do carro quando sai pela manhã, nas contas do cartão de crédito feitas por minha mulher, no macarrão salgado que comera no almoço. Tudo sempre igual. Somente o medo tinha o poder de mudar o curso do meu pensamento, não das coisas. Crescia, refletia-se em tudo.
Tentei lembrar uma conversa que tivera à tarde com um amigo. Não consegui. Naquela ocasião, permaneceramos horas um ao lado do outro tendo o silêncio como mediador. Tínhamos tanto a nos dizer, não sei se dissemos. Se tivéssemos falado, talvez fugíssemos da mesmice – filhos, esposas, coisas do dia a dia. Assuntos sem atrativos e sem finalidade. Histórias iguais.
A tempestade era o próprio medo. E o medo era eu. A sala às escuras.
Pior do que a tempestade era o tédio que há vários dias vinha sentindo. A falta de querer. O desejo de parar.
A casa encolhera dentro do silêncio. Dela, a não ser a sala, nada mais existia. E ali, o frio, o vento, as sombras imprecisas, o medo e eu.
Na sombra, o vulto, junto à porta, iluminado pela claridade dos relâmpagos. Veio-me ao pensamento um nome ” – Leni. Por que ela? Por que viera me visitar àquela hora?”
Continuava parada, os braços estendidos convidando-me a um abraço. Não deveria vir a minha casa. Não ela.
Um arrepio percorreu todo o meu corpo. O medo desaparecera. O vulto não se mexia. Tive a certeza de que era ela. O vestido fora presente meu. Os cabelos longos já os acariciara milhares de vezes; já estivera naqueles braços em outras tempestades.
Levantei-me, fui ao seu encontro.
Já não estava ali quando minha mulher recolheu o cachimbo, o livro que eu estivera lendo e, possivelmente, o que restara sobre a cadeira.

Este texto expressa exclusivamente a opinião do autor e foi publicado da forma como foi recebido, sem alterações pela equipe do Entrelaços.


busca
autores

Autores

biblioteca

Biblioteca

Entrelaços do Coração é uma revista online e sem fins lucrativos compartilhada por diversos autores. Neste espaço, você encontra várias vertentes da literatura: atualidades, crônicas, reportagens, contos, poesias, fotografias, entre outros. Não há linha específica a ser seguida, pois acreditamos que a unidade do SER é buscada na multiplicidade de ideias, sonhos, projetos. Cada autor assume inteira responsabilidade sobre o conteúdo, não representando necessariamente a linha editorial dos demais.
Poemas Silenciosos

Flickr do (Entre)laços

ExposiçãoDesenhos

Série "Natureza"

Série Natureza

DeJanelaEmJanela

DeCostas

Série "Detalhes"

Série "MoradaImprovisada"

Série Morada Improvisada

Finados

Tratando de peixe

Série Flores

Série Flores

Esporte na Colônia

Série Natureza 01

Série Natureza 05

Caxambu

Caxambu

Caxambu - 02

Caxambu - 01

Penumbra...

Aglomeração...

Portão florido...

Barra Palace

Conjunto Harmonioso...

Reunião privada...

Espaços ocupados...

Arquitetura Perfeita...

Convergência II

Convergência I