Djanira Silva 7 de junho de 2008

(djaniras@globo.com)

Os olhos de Luzia me perturbavam. Faziam mal. Onde quer que estivesse, sentia-me vigiado. No banheiro quando folheava minhas revistas preferidas; na intimidade do meu quarto e o pior, até nos meus sonhos.
Eram azuis, de um azul profundo. Poderiam ser bonitos não fosse a dureza de expressão. De tão ásperos, arranhavam, feriam, machucavam. Não os conseguia fitar por muito tempo.
Usava colírios especiais, protegia-os contra o sol.
Quando Luzia veio morar conosco, eu ainda não esquecera a morte da minha mãe. A presença de outra mulher em nossa casa me deixou mais triste ainda. Logo, seus olhos despertaram-me a atenção. Nunca havia visto nada tão azul. Nem o céu. Senti finda minha liberdade no momento em que me fitaram. Aquele azul me encarcerou, limitou meu mundo.
Minha vida tornou-se um inferno, azulado, mas um inferno.
Véspera de Natal. Esperávamos visitas. Antes de subir para trocar de roupas, Luzia pôs ordem na casa toda. Bom gosto e elegância marcavam a decoração, da mesa em particular. Certificou-se de que tudo estava nos devidos lugares. Eu, a um canto, procurava não ser notado, mas não consegui escapar à revista.
Chegaram os convidados. Meu pai colocou vinho nos copos. Acendi as luzes da árvore. Luzia demorava a descer.
Ouvimos um grito de dor, de desespero. Meu pai acudiu apressado, seguimos até o quarto. Caída sobre a cama, as mãos comprimindo os olhos, ela se contorcia de dor.
Alguém havia colocado ácido no vidro de colírio.

Obs: Texto extraído do livro da autora – O olho do girassol –

Este texto expressa exclusivamente a opinião do autor e foi publicado da forma como foi recebido, sem alterações pela equipe do Entrelaços.


busca
autores

Autores

biblioteca

Biblioteca

Entrelaços do Coração é uma revista online e sem fins lucrativos compartilhada por diversos autores. Neste espaço, você encontra várias vertentes da literatura: atualidades, crônicas, reportagens, contos, poesias, fotografias, entre outros. Não há linha específica a ser seguida, pois acreditamos que a unidade do SER é buscada na multiplicidade de ideias, sonhos, projetos. Cada autor assume inteira responsabilidade sobre o conteúdo, não representando necessariamente a linha editorial dos demais.
Poemas Silenciosos

Flickr do (Entre)laços

ExposiçãoDesenhos

Série "Natureza"

Série Natureza

DeJanelaEmJanela

DeCostas

Série "Detalhes"

Série "MoradaImprovisada"

Série Morada Improvisada

Finados

Tratando de peixe

Série Flores

Série Flores

Esporte na Colônia

Série Natureza 01

Série Natureza 05

Caxambu

Caxambu

Caxambu - 02

Caxambu - 01

Penumbra...

Aglomeração...

Portão florido...

Barra Palace

Conjunto Harmonioso...

Reunião privada...

Espaços ocupados...

Arquitetura Perfeita...

Convergência II

Convergência I