(djaniras@globo.com)

Conta-se que, certa vez em Samaria, enquanto passeava com seus discípulos, Jesus, para espanto deles, traçou na areia algumas letras com a ponta do cajado. Mal terminara de escrever, um vento forte, enviado por Deus, soprou apagando rapidamente os traços desenhados pelo Mestre como a libertar a palavra Divina da limitação das
letras, ficando assim, dispersa pelo mundo, o que deveria ter sido a primeira mensagem escrita por Jesus. Eram claros os desígnios do Pai: o Filho teria que se comunicar pela palavra falada e não pela escrita.

É possível, que a partir daquele momento, O Divino Mestre tenha dado aos seus discípulos a missão de encontrar e resgatar as palavras sopradas pelo vento. Aí estão os Evangelhos, escritos pelos apóstolos, anunciado: Jesus disse, e nunca, Jesus escreveu.
Esta difícil missão tem-na também o escritor. É um legado com ares de castigo: o de desvendar o mistério da palavra dando-lhe, no momento exato, o verdadeiro sentido. Há uma inquietude que visita constantemente sua alma, um desassossego e, muitas vezes, até o desespero de não conseguir saber como e quando lhe chegará a idéia trazendo consigo a palavra certa. Quantas vezes pensa estar certo do que realmente deseja dizer, mas fortes ventos sopram apagando, confundido, deixando um vazio como se o nada fosse o outro lado do ser. O ato de escrever é, sem dúvida, um ato solitário de busca.

Hoje, nós os que lidamos com a insubordinação das letras, com a resistência das idéias, sabemos que a palavra falada alcança mais homens do que a palavra escrita.
Aos poetas são concedidos dons especiais e um deles é a intimidade com as dores do mundo.
É preciso, pois, que o escritor, poeta ou não, acredite que as palavras espalhadas pelo vento estão no Universo à nossa espera.

Obs: Texto extraído do livro da autora – Memórias do Vento –

Este texto expressa exclusivamente a opinião do autor e foi publicado da forma como foi recebido, sem alterações pela equipe do Entrelaços.


busca
autores

Autores

biblioteca

Biblioteca

Entrelaços do Coração é uma revista online e sem fins lucrativos compartilhada por diversos autores. Neste espaço, você encontra várias vertentes da literatura: atualidades, crônicas, reportagens, contos, poesias, fotografias, entre outros. Não há linha específica a ser seguida, pois acreditamos que a unidade do SER é buscada na multiplicidade de ideias, sonhos, projetos. Cada autor assume inteira responsabilidade sobre o conteúdo, não representando necessariamente a linha editorial dos demais.
Poemas Silenciosos

Flickr do (Entre)laços

ExposiçãoDesenhos

Série "Natureza"

Série Natureza

DeJanelaEmJanela

DeCostas

Série "Detalhes"

Série "MoradaImprovisada"

Série Morada Improvisada

Finados

Tratando de peixe

Série Flores

Série Flores

Esporte na Colônia

Série Natureza 01

Série Natureza 05

Caxambu

Caxambu

Caxambu - 02

Caxambu - 01

Penumbra...

Aglomeração...

Portão florido...

Barra Palace

Conjunto Harmonioso...

Reunião privada...

Espaços ocupados...

Arquitetura Perfeita...

Convergência II

Convergência I