Djanira Silva 8 de maio de 2008

(djaniras@globo.com)

Alice levantou-se. Aproximou-se da janela. Olhou a rua. Avistou a ponte deserta, a rua escura o silêncio. Olhou para a cama onde o marido dormia.
Voltou a olhar a rua. Madrugada.
Bandolins, violões, o som das serenatas. Os passos no baile, valsas, tangos. Silêncio.
Abriu a porta. Na calçada molhada pela chuva fina que caía, ela parou. As sombras tomavam formas. O silêncio sobre todas as coisas. A escuridão menos forte. O corvo de Pöe esvoaçando, prevendo, anunciando. Rembrandt nas cores profundas pintadas sobre um azul sombrio, escuro, indefinido.
Com as mãos nos bolsos do casaco ela caminha. Ninguém àquela hora. Não tinha medo. Acabara. Sua mão tocou em alguma coisa que a fez estremecer. Uma carta que deveria ter deixado sobre a cômoda.
Debruçada sobre a grade acompanha o movimento das águas. Ondas do Danúbio, primeira valsa. Girava, dançava, ria, dançava. Um mundo novo se insinuando.
O rio estendia-se no silêncio. Ruas arborizadas, estreitas. O passado diante dos seus olhos. A dor profunda, a certeza do nunca mais. O corvo. A saudade, o desespero.
“De quê sentir saudade? De quê, meu Deus?”
O cheiro da madrugada. Das mangueiras floridas o gosto adocicado do fruto maduro. O perfume das flores do limoeiro. A menina embaixo da mangueira. Entardecer. Melancolia.
Se saísse da vida, teria outra infância?
Chorava. Por quê? Por quem? A dor, sem rosto e sem forma absorvia tudo. Partiria.
Sumiu na escuridão.
A ponte deserta. O silêncio. O corvo calara.
Quando Alfredo acordou procurou Alice na cama, no banheiro, na sala. por toda a casa.
Chegou à janela. Olhou a rua. Amanhecia. Na ponte as pessoas paravam curiosas para olhar o rio. Desceu. Foi lá.
Retiravam o corpo de uma mulher. Reconheceu o casaco dc Alice. Com dificuldade aproximou-se. Segurou sua mão. Presa entre os dedos a carta.
As letras, manchadas pela água, não diziam nada.

Obs: Texto extraído do livro da autora – O olho do girassol –

Este texto expressa exclusivamente a opinião do autor e foi publicado da forma como foi recebido, sem alterações pela equipe do Entrelaços.


busca
autores

Autores

biblioteca

Biblioteca

Entrelaços do Coração é uma revista online e sem fins lucrativos compartilhada por diversos autores. Neste espaço, você encontra várias vertentes da literatura: atualidades, crônicas, reportagens, contos, poesias, fotografias, entre outros. Não há linha específica a ser seguida, pois acreditamos que a unidade do SER é buscada na multiplicidade de ideias, sonhos, projetos. Cada autor assume inteira responsabilidade sobre o conteúdo, não representando necessariamente a linha editorial dos demais.
Poemas Silenciosos

Flickr do (Entre)laços

ExposiçãoDesenhos

Série "Natureza"

Série Natureza

DeJanelaEmJanela

DeCostas

Série "Detalhes"

Série "MoradaImprovisada"

Série Morada Improvisada

Finados

Tratando de peixe

Série Flores

Série Flores

Esporte na Colônia

Série Natureza 01

Série Natureza 05

Caxambu

Caxambu

Caxambu - 02

Caxambu - 01

Penumbra...

Aglomeração...

Portão florido...

Barra Palace

Conjunto Harmonioso...

Reunião privada...

Espaços ocupados...

Arquitetura Perfeita...

Convergência II

Convergência I