Djanira Silva 15 de abril de 2008

(djaniras@globo.com)

Por mais que pensemos serem insignificantes os fatos que ocorrem no dia-a-dia, eles fazem parte de toda uma trama que bem poderia servir para escrever nossos romances, novelas ou simples histórias de amor, cheias de afetividade, ternura e emoção.
Um acontecimento comum que corriqueiramente observamos, leva-nos de volta a determinadas épocas fazendo-nos evocar fatos aparentemente sem valor, mas que, na realidade podem marcar os melhores momentos de nossas vidas.
Vem-nos à memória uma criança sendo levada pela mão, vestindo uma blusa muito branca e engomada, com um monograma no bolso, a calcinha azul, a bolsa escolar, uma lancheira e, o que é mais importante, um coração cheio de uma ingênua confiança num futuro que está inteiramente guardado na alma daquela que o leva pela mão para ajudá-lo a atravessar a rua e a vida, a caminho da escola e do desconhecido.
É o filho pequenino, cercado de todos os mistérios que envolvem o futuro, sendo levado orgulhosamente, para um lugar onde sequer sabe onde fica, mas que maternalmente está cheio de coisas muito boas, de virtude e sabedoria à espera do descobridor inocente e simples que irá aos poucos tomando conhecimento dos mistérios que surgem à sua frente.
A criança caminha pela mão da jovem mãe. Ambas cheias de esperanças. Uma, com essas esperanças firmadas, sabidas, sonhadas. A outra servindo apenas de repositório para elas. É, como diz Raul de Leoni “Todo um mundo a começar de novo”.
Quanto tempo passou?
Do outro lado da rua um jovem ajuda uma mulher a descer a calçada. É o filho quem agora estende a mão. No entanto, as diferenças são enormes. Ele não a leva a descobrir mundo algum e sim a prosseguir num caminho sem finalidade, sofrido e cansado. Leva-a a andar por um mundo que possivelmente desejaria esquecer. A conduz não para uma nova estrada, mas para a continuação de uma experiência de vida na qual não aprendemos a amar sem sofrer. Os filhos sempre nos levam de volta.

Hoje lembrei o tempo em que você andava pela minha mão e tinha um destino certo.Agora, existe, bem clara a evidência de que a velhice é um fato doloroso e cruel. Uma estrada sem fim e sem finalidade. É o ponto que encerra qualquer história.
Mas, não importa, alegra-nos o coração saber que no amor de todas as mães os filhos permanecem crianças.
Infelizmente sabemos ajudar nossos filhos a crescer. Eles sequer sabem nos ajudar a envelhecer.

Obs: Texto extraído do livro da autora – A MAGIA DA SERRA.

Este texto expressa exclusivamente a opinião do autor e foi publicado da forma como foi recebido, sem alterações pela equipe do Entrelaços.


busca
autores

Autores

biblioteca

Biblioteca

Entrelaços do Coração é uma revista online e sem fins lucrativos compartilhada por diversos autores. Neste espaço, você encontra várias vertentes da literatura: atualidades, crônicas, reportagens, contos, poesias, fotografias, entre outros. Não há linha específica a ser seguida, pois acreditamos que a unidade do SER é buscada na multiplicidade de ideias, sonhos, projetos. Cada autor assume inteira responsabilidade sobre o conteúdo, não representando necessariamente a linha editorial dos demais.
Poemas Silenciosos

Flickr do (Entre)laços

ExposiçãoDesenhos

Série "Natureza"

Série Natureza

DeJanelaEmJanela

DeCostas

Série "Detalhes"

Série "MoradaImprovisada"

Série Morada Improvisada

Finados

Tratando de peixe

Série Flores

Série Flores

Esporte na Colônia

Série Natureza 01

Série Natureza 05

Caxambu

Caxambu

Caxambu - 02

Caxambu - 01

Penumbra...

Aglomeração...

Portão florido...

Barra Palace

Conjunto Harmonioso...

Reunião privada...

Espaços ocupados...

Arquitetura Perfeita...

Convergência II

Convergência I