“A raça humana vem saqueando a Terra de forma insustentável e dar às mulheres maior poder de decisão sobre seu futuro pode salvar o Planeta da destruição”.
Será isso um exagero? Ou um desafio ao pretenso poderoso homem?

Talvez muitas pessoas pensem que as palavras acima foram proferidas pretensiosamente por uma feminista. Enganam-se…
O pequenino texto está registrado no Relatório 2001 do Fundo das Nações Unidas para População (FNUAP), como reconhecimento da máxima confiança NAQUELA que durante anos e até séculos foi relegada à condição de escrava, de ser inferior, sem nenhum direito cívico, político e até humano.
Foram os países nórdicos os primeiros a admitirem à MULHER o poder maior de Chefe de Estado e também o direito ao voto.
Os países árabes são os que menos concedem prerrogativas públicas à MULHER e alguns eslavos e latinos, inclusive o Brasil, dão ainda prova do seu machismo.

Vejamos atualmente a rejeição de políticos, simples eleitores, povo em geral e até mulheres despeitadas, com certeza, à candidatura de Reseana Sarney à presidência da República. É MULHER!…
Aparentemente a discriminação à MULHER desapareceu, mas de fato ela continua.
A MULHER, no decorrer do tempo, já deu provas suficientes de sua capacidade administrativa, política e sobretudo econômica.
ELA possui o dom privilegiado de economizar, multiplicar recursos e aplicá-los quase milagrosamente.

Esquecer a figura da MULHER como mera consumista, vaidosa, cultuando apenas a beleza física, ou ainda confinada entre quatro paredes, vivenciando as palavras da marchinha “xô, galinha!… Cala boca, menino!…” é fazer-lhe a maior e mais verdadeira justiça. Ela é apta a tudo que a ocasião e a necessidade lhe apresentarem.

A MULHER hoje se vê diante de uma penosa aprendizagem de fazer um difícil malabarismo tentando harmonizar trabalho, amor, lar e filhos.
Já foi provado e comprovado cientificamente que a MULHER é aquinhoada equitativamente com as potencialidades físicas, psíquicas, emocionais, do homem.
Homem e MULHER equiparam-se e longe está a veracidade daquele obsoleto conceito do sexo fraco.

A MULHER não quer competir com o homem, quer sim, e o é, ser capaz de idealizar e concretizar de imediato seus projetos, não sendo atingida, pela expressão “Obra de Santa Engrácia” usada em Portual como crítica ao Brasil por suas numerosas obras inacabadas.
Enfm, homem e MULHER, obra-prima da Criação, sem preconceito e inveja marchem juntos, em busca de um mundo melhor, mais justo, mais feliz, mais humano.
E cada MULHER, cônscia do valor de si mesma, prossiga heroicamente no seu desempenho seja público ou privado, lembrando-se sempre de que para o ser bem sucedida deve primeiramente apaixonar-se pelo seu TRABALHO, acrescentando e apregoando ainda firmemente como louvor e Graças ao Pai:
“SOU FORTE, SOU INVENCÍVEL, SOU MULHER!…”

(autora de Retalhos do Cotidiano)

Este texto expressa exclusivamente a opinião do autor e foi publicado da forma como foi recebido, sem alterações pela equipe do Entrelaços.


busca
autores

Autores

biblioteca

Biblioteca

Entrelaços do Coração é uma revista online e sem fins lucrativos compartilhada por diversos autores. Neste espaço, você encontra várias vertentes da literatura: atualidades, crônicas, reportagens, contos, poesias, fotografias, entre outros. Não há linha específica a ser seguida, pois acreditamos que a unidade do SER é buscada na multiplicidade de ideias, sonhos, projetos. Cada autor assume inteira responsabilidade sobre o conteúdo, não representando necessariamente a linha editorial dos demais.
Poemas Silenciosos

Flickr do (Entre)laços

ExposiçãoDesenhos

Série "Natureza"

Série Natureza

DeJanelaEmJanela

DeCostas

Série "Detalhes"

Série "MoradaImprovisada"

Série Morada Improvisada

Finados

Tratando de peixe

Série Flores

Série Flores

Esporte na Colônia

Série Natureza 01

Série Natureza 05

Caxambu

Caxambu

Caxambu - 02

Caxambu - 01

Penumbra...

Aglomeração...

Portão florido...

Barra Palace

Conjunto Harmonioso...

Reunião privada...

Espaços ocupados...

Arquitetura Perfeita...

Convergência II

Convergência I