Dasilva 29 de março de 2008

( março de 2008)

Uma coisa que me fascinava como criança, era ouvir a conversa dos mais velhos. Apanhei, diversas vezes, por ficar escondido para saber os que os adultos proseavam. Hoje, continuo achando prazeroso ouvir o que o senso comum confabula quando viaja nos transportes coletivos, quando gasta seu tempo nas incontáveis filas desse País e quando usa os corredores das reuniões. Aí, as pessoas, além de conchavarem, aproveitam para falar mal de alguém, contar piadas e jogar conversa fora.

Pretendo seguir o conselho de Cora Coralina – “Feliz quem transfere o que sabe e aprende o que ensina” – e partilhar, em pequenas doses, vários conhecimentos que a gente vai aprendendo pela vida e, quem sabe, acabo por aprender a encarná-las na minha vivência cotidiana. Esses saberes são saborosos e densos e, por isso, puderam ser sintetizados em expressões simples e fáceis de memorizar como: a água sempre procura o caminho mais fácil, ninguém tropeça numa montanha, o inimigo do meu inimigo não pode ser meu amigo.

Quando falo em conhecimento, me lembro de Sofia que, com apenas seis meses, sabe nadar e envergonha muitos técnicos de natação que se especializaram em transmitir informações de como nadar. Ela não sabe que sabe e com mais informações vai saber nadar melhor – quem faz já sabe, quem pensa sobre o que faz, faz melhor. Certamente, há ligação entre informação e conhecimento, mas também profundo abismo porque erudição nem sempre vira força material para transformar a realidade.
Tenho um colega que, de vez em quando se pergunta qual foi a vantagem de, aos doze anos, ter lido toda a Enciclopédia Barsa. Pelo jeito, há muitos arquivos e neurônios entulhados de cultura inútil como a informação de que a soma do quadrado dos catetos é igual ao quadrado da hipotenusa. Não se trata de duvidar da afirmação, mas de se perguntar que estudos são importantes para a realização da vida. Pois, se a informação não é entendida, assimilada e, sobretudo, aplicada não se torna conhecimento vital.
Vamos a um primeiro ensino:

1. Só quando a gente conhece o mapa, pode fazer atalhos.
Parece que todo mundo tem essa experiência. Ao chegar a um novo território, seja ele uma cidade, uma escola, o espaço de um grupo… a tendência comum é seguir a trilha indicada, é copiar o ritual observado. Pela insegurança de quem é estranho, o calouro crê e segue os veteranos. Também vale para os erros. Minha mãe sempre ia direto aos mais velhos porque, segundo ela, onde há discípulos também há mestres. Não é à toa que se reforça a pedagogia do exemplo – nada pior do que uma linda pregação seguida de um mau exemplo. Quando se alcança o domínio do ambiente, então, nos sentimos livres para desobedecer, criar, atalhar… E, olhando para trás, ver como éramos crédulos, ingênuos e seguidistas.

Esse saber é um ensino de caráter pedagógico. E, porque toda pessoa já sabe, é necessário relembrar que pedagogia é repetição – repetitio mater studiorum. As crianças imitam os pais no jeito, nos gestos e nos sestros. A medalha olímpica, como as diversas artes, além da vontade e talento, resume as intermináveis horas e meses de repetição. É claro que quem vê os goles que tomo, não vê os tombos que levo. Por tudo isso, é que a ideologia capitalista que prega o fast em tudo, hoje, é contestada pelo convite a andar de devagar porque já se teve pressa e já se chorou demais.
Então, vamos repetir:
 a gente não apreende (=capta), de uma só vez. Roma não foi feita num só dia. A gente grava quando associa a uma experiência, idéia, objeto ou interesse.
 o saber é cumulativo – água mole em pedra dura, tanto bate até que fura. De tanto fazer, de novo, e de forma nova e eliminando movimentos inúteis, a pessoa se torna sabida que pode até chegar a fazer coisas de olhos fechados.
 aprender e ensinar é um exercício de paciência. Basta olhar o esforço da criança para dizer as primeiras palavras, usar o talher ou controlar seus instrumentos de rabiscar.
 o entendimento do que é dito é uma condição para poder assimilá-lo e, então, aplicá-lo, reformá-lo, negá-lo, recriá-lo… Inventar atalhos é indispensável. Mas, o atalho é o salto de qualidade descoberto por quem fez o processo aparentemente repetido.
 pra que ansiedade, pressa? Quem à força de preocupação poderá acrescentar uma polegada sequer à sua estatura?
Dizer tudo isso, de novo e, de forma bonita e cheio de sabor, aí vai um poema:

Aula de vôo – Mauro Iasi

O conhecimento caminha lento feito lagarta.
Primeiro não sabe que sabe e,
voraz, contenta-se com cotidiano orvalho
deixado nas folhas vividas das manhãs.
Depois pensa que sabe e
se fecha em si mesmo:
faz muralhas, cava trincheiras,
ergue barricadas.
Defendendo o que pensa saber
levanta certeza na forma de muro
orgulhando-se do seu casulo.
Até que maduro explode em vôos
rindo do tempo que imaginava saber
ou guardava preso o que sabia.
Voa alto sua ousadia
reconhecendo o suor dos séculos,
no orvalho de cada dia.
Mesmo o vôo mais belo,
descobre um dia não ser eterno.
É tempo de acasalar,
voltar à terra com seus ovos,
à espera de novos e prosaicos lagartos
O conhecimento é assim ri de si mesmo
e de suas certezas.
É meta da forma, metamorfose,
movimento, fluir do tempo
que tanto cria como arrasa.
Ele nos mostra que para o vôo
é preciso tanto o casulo como a asa.

Este texto expressa exclusivamente a opinião do autor e foi publicado da forma como foi recebido, sem alterações pela equipe do Entrelaços.


busca
autores

Autores

biblioteca

Biblioteca

Entrelaços do Coração é uma revista online e sem fins lucrativos compartilhada por diversos autores. Neste espaço, você encontra várias vertentes da literatura: atualidades, crônicas, reportagens, contos, poesias, fotografias, entre outros. Não há linha específica a ser seguida, pois acreditamos que a unidade do SER é buscada na multiplicidade de ideias, sonhos, projetos. Cada autor assume inteira responsabilidade sobre o conteúdo, não representando necessariamente a linha editorial dos demais.
Poemas Silenciosos

Flickr do (Entre)laços

ExposiçãoDesenhos

Série "Natureza"

Série Natureza

DeJanelaEmJanela

DeCostas

Série "Detalhes"

Série "MoradaImprovisada"

Série Morada Improvisada

Finados

Tratando de peixe

Série Flores

Série Flores

Esporte na Colônia

Série Natureza 01

Série Natureza 05

Caxambu

Caxambu

Caxambu - 02

Caxambu - 01

Penumbra...

Aglomeração...

Portão florido...

Barra Palace

Conjunto Harmonioso...

Reunião privada...

Espaços ocupados...

Arquitetura Perfeita...

Convergência II

Convergência I