Djanira Silva 29 de março de 2008

(djaniras@globo.com)

A mulher amava aquela serra como se fora um prolongamento do seu corpo e uma complementação do seu espírito. Amava tudo quanto estivesse ligado a ela.

Viu-se novamente menina.

Voltou à paisagem antiga e pensou o quanto tudo aquilo era importante. A Catedral plantada no meio da Praça. A Serra, moldura linda, guardiã fiel de tantas e tantas vidas por ali passadas, vividas e acabadas. Só ela – a Serra – sabia quem amava aquele mundo também mágico ali a seu pé. Ninguém poderia ali viver sem amar todas as coisas que estavam no seu reinado: O Convento, velho franciscano encapuzado, fincado no alto do Prado, parecendo nunca haver sido criança. Possuíam – ele e a Catedral – uma sabedoria como se houvessem, naquela cidade, dado vida a todas as gerações. Entrávamos no ventre daqueles templos e, magicamente, saíamos adultos, crescidos, prontos para a vida.

O Colégio de Santa Dorotéia, jovem noviça onde entrávamos crianças e se algum dia voltássemos seríamos crianças novamente.
A antiga e querida escola de D. Marieta, na rua Barão, que era de Vila Vela, mas só o Barão respondia presente.
A Escola de Teca e Bel, na rua Quinze, onde ao som da batida dos saltos altos de Teca e da sua austeridade, recebíamos os primeiros ensinamentos com o beneplácito e a paciência de Bel que sempre estava pronta a justificar nossas trelas de criança.
Hoje, todas essas ruas estão cheias de pensamentos novos e volto eu, com meu baú de recordações como a querer tocar uma seresta de saudade e de melancolia sobre todas as lembranças que ainda marcam o coração de alguns sobreviventes desta saudade incurável.
A imaginação não protege da realidade.
Olha sua pele marcada pelo tempo, os pés cansados das longas estradas, o corpo enfadado das canseiras da vida.
A imaginação não protege das boas lembranças pois a menina despenca da rua quinze e se vê escorregando pela ladeira do Colégio ganha o mundo na sua ansiedade de lembrar e joga milho na frente dos burros do bonde, imita o apito do trem e segura “seu” Lula para ele não bater as nove pancadas malditas que da boca do sino saíam como uma ordem marcial: “meia volta, volver”! A menina feliz inconseqüente, que levava palmada por andar descalça e correr pelas ruas, entrando pela porta da sacristia da igreja e sair correndo pela frente pulando os degraus de quatro em quatro, aqueles mesmos degraus os quais ela ajudava “seu” Zeca Didier a subir todas as manhãs no horário da missa. Aí, como a menina sentiu no dia em que morreu seu amigão que sempre lhe dava um glorioso bom dia, cumprimento que só as pessoas grandes recebiam.
Menina danada e feliz que roubava da despensa de casa – que possuía coisas em abundância – charque, farinha, feijão e arroz para distribuir com quem não tinha despensa cheia, e que depois levava castigo e palmadas por não conseguir entender que “não se tira comida de casa para dar aos outros”. Mas, é que tinha tanta…
A menina feliz deixou de ser criança depois daquele minuto infinito em que percorrera toda a querida cidade sob o olhar mágico da sua querida serra.
Humildemente, recolheu-se à sua Catedral interior.

Obs: Texto extraído do livro da autora – A Magia da Serra –

Este texto expressa exclusivamente a opinião do autor e foi publicado da forma como foi recebido, sem alterações pela equipe do Entrelaços.


busca
autores

Autores

biblioteca

Biblioteca

Entrelaços do Coração é uma revista online e sem fins lucrativos compartilhada por diversos autores. Neste espaço, você encontra várias vertentes da literatura: atualidades, crônicas, reportagens, contos, poesias, fotografias, entre outros. Não há linha específica a ser seguida, pois acreditamos que a unidade do SER é buscada na multiplicidade de ideias, sonhos, projetos. Cada autor assume inteira responsabilidade sobre o conteúdo, não representando necessariamente a linha editorial dos demais.
Poemas Silenciosos

Flickr do (Entre)laços

ExposiçãoDesenhos

Série "Natureza"

Série Natureza

DeJanelaEmJanela

DeCostas

Série "Detalhes"

Série "MoradaImprovisada"

Série Morada Improvisada

Finados

Tratando de peixe

Série Flores

Série Flores

Esporte na Colônia

Série Natureza 01

Série Natureza 05

Caxambu

Caxambu

Caxambu - 02

Caxambu - 01

Penumbra...

Aglomeração...

Portão florido...

Barra Palace

Conjunto Harmonioso...

Reunião privada...

Espaços ocupados...

Arquitetura Perfeita...

Convergência II

Convergência I