Saulo Marden 16 de fevereiro de 2008


“… ainda não havia sentido a premonição do seu destino.”
Gabriel Garcia Marques

Flores amarelas caiam da Caraibeira. Entre as árvores uma edificação em forma de cilindro deitado quebrava a harmonia do lugar. Duas eram as entradas laterais que davam acesso ao prédio. Ele se desenvolvia em sentidos opostos em perfeita simetria. Junto às portas um móvel em madeira disciplinava a entrada. Sobre ele lírios brancos.

Caminhei um pouco até encontrar as primeiras cadeiras vazias. A claridade no interior do prédio era intensa. As paredes e o teto em arco pareciam ter luz própria. O contraste da cor azul celeste com a branca dava a impressão de se estar num imenso funil. Não consegui ver se havia mesmo uma parede de fundo ou se prosseguia sem fim até aquele minúsculo ponto de intenso brilho. Na tentativa de identificá-lo fiquei confuso. Senti meu corpo levitar e sair em velocidade lenta na direção dele. Foi quando ouvi uma voz:

− Venha, caminhe, sente-se aqui na frente.
− Aqui estou bem.
− Precisamos conversar.
− O que deseja de mim?
− Por que mais dúvidas agora? Logo você que gosta de trocar idéias sobre estes assuntos?
− Que assuntos?
−Esqueceu deles? Quantos não foram seus questionamentos? Muitos tinham sido aceitos, lembra-se?
− Sim. Jamais esquecerei. Estou passando por uma fase de descrença.
− É difícil acreditar no que estou ouvindo.
− Não, não é. Há coisas acontecendo que me deixa triste e desiludido. Estou sem encontrar respostas aos meus questionamentos.
− Ah! Quer uma explicação lógica, não é isso? Esqueceu também o que disse em outras ocasiões? “Nada acontece sem a vontade Dele”. Você mesmo comentou, lembra-se?
− Os acontecimentos eram outros. Não machucava tanto. E faz tanto tempo.
− O tempo passa, mas as coisas Dele continuam válidas. Por mais que o homem evolua na ciência nunca as entenderá. Elas não foram feitas para a compreensão humana e sim para a aceitação sem questionamentos.
− Como então evoluir se não aceitamos porque não entendemos?
− Esqueceu que também já falou sobre isso? Para evoluir não precisa de entendimento. Apenas boas e simples ações são necessárias.

− De que adiantou ter falado noites a fio com as pessoas com quem convivo se as teorias estão em conflito. Elas continuam sem entender e a desacreditar também.

− Um dia acontecerá com eles o mesmo que aconteceu a você.

− E o que aconteceu comigo?

− Não acredito! Ainda não sabe? Em poucas e curtas palavras vou dizer o que houve. Os outros que ainda estão neste recinto, já tomaram conhecimento:

Mundo velho
Mundo novo
Solo cansado
Solo fértil
Ar morto
Ar puro
Parentes, amigos
Partida saudosa
Chegada feliz
Desencontro
Reencontro

* * *

([email protected])

Obs: Imagem enviada pelo autor.

Este texto expressa exclusivamente a opinião do autor e foi publicado da forma como foi recebido, sem alterações pela equipe do Entrelaços.


busca
autores

Autores

biblioteca

Biblioteca

Entrelaços do Coração é uma revista online e sem fins lucrativos compartilhada por diversos autores. Neste espaço, você encontra várias vertentes da literatura: atualidades, crônicas, reportagens, contos, poesias, fotografias, entre outros. Não há linha específica a ser seguida, pois acreditamos que a unidade do SER é buscada na multiplicidade de ideias, sonhos, projetos. Cada autor assume inteira responsabilidade sobre o conteúdo, não representando necessariamente a linha editorial dos demais.
Poemas Silenciosos

Flickr do (Entre)laços

ExposiçãoDesenhos

Série "Natureza"

Série Natureza

DeJanelaEmJanela

DeCostas

Série "Detalhes"

Série "MoradaImprovisada"

Série Morada Improvisada

Finados

Tratando de peixe

Série Flores

Série Flores

Esporte na Colônia

Série Natureza 01

Série Natureza 05

Caxambu

Caxambu

Caxambu - 02

Caxambu - 01

Penumbra...

Aglomeração...

Portão florido...

Barra Palace

Conjunto Harmonioso...

Reunião privada...

Espaços ocupados...

Arquitetura Perfeita...

Convergência II

Convergência I