Comentário/ editorial do padre Edilberto Sena no Jornal da Manhã (Rádio Rural AM).

Os números são tão alarmantes que se fica até com a pulga atrás da orelha. 3.235 km² desmatados apenas nos 5 últimos meses de 2007. Mas como pode ter tudo isso acontecido se desde 2005 o governo vinha anunciando a queda vertiginosa no desmatamento da Amazônia? Se estava havendo rigorosa fiscalização, como isso aconteceu assim de repente?

Aí o governo anuncia uma reação espetacular para punir os criminosos. Também aqui um observador atento fica com a pulga atrás das duas orelhas. Primeiro, os maiores desmatamentos ocorreram no Mato Grosso e no Pará. Ora, no Pará estão as mais densas florestas. Junto com o Amazonas, os dois reúnem o maior número de unidades de conservação, criadas justamente nos últimos seis anos.

Na indignação do presidente da República, a promessa de punições aos criminosos são altamente severas. Vão de embargo de propriedade, a bloqueio de financiamentos bancários. Além disso, observe-se esta, o governo estará enviando exatamente 780 policiais federais para as regiões mais desmatadas.

Isso mesmo: o presidente está finalmente indignado e quer fiscalização rigorosa por terra, rios e ar. Fica–se com a impressão de que agora vai haver uma mobilização geral na defesa do meio ambiente na Amazônia. Parece que de repente o Estado acordou para um problema que vem ocorrendo há anos na região.

Mas, pois é, sempre um mas, por que todo esse arsenal não tem sido utilizado desde 2005, quando a quilometragem de floresta arrasada já era enorme? Entre 2002 e 2003 foram 28 mil kms² de desmatamento; de 2003 a 2004, foram 26 mil km² de floresta derrubada.

Aí o governo sentiu o peso das críticas, iniciou uma fiscalização um pouco melhor e a derrubada de floresta amazônica diminuiu para cerca de 16 mil kms² e a ministra do Meio Ambiente cantou vitória). Por que só agora quando o caldo está derramado, chega novo grito indignado do governo?

Até parece com o espetáculo federal após a morte da freira Dorothy, quando, sob pressão nacional e internacional, o governo mandou o Exército ocupar a região do Anapu. Depois que e emoção passou, os soldados foram embora e a vida continuou na rotina de sempre.

Será que esse aparato todo de agora é para acalmar os países do 1º Mundo que se preocupam com o desmatamento da Amazônia? Ou será que todo esse barulho é para justificar a privatização das florestas, através do plano de gestão florestal que já começa a ser leiloado?

Esse plano, aliás, é bem controvertido, mas assumido com entusiasmo pelo governo e a ministra do Meio Ambiente. Um plano que deixa suspeita de ser a privatização das florestas, uma oficialização da grilagem que a partir disso deixa de ser grilagem, pode render alguns reais para o cofre público, mas em vez de se criar uma rigorosa guarda florestal, reforçar o Ibama. Mas não, entrega-se a floresta nas mãos da iniciativa privada.

Tudo isso são hipóteses que a sociedade precisa ficar atenta e conferir daqui a alguns meses.

Este texto expressa exclusivamente a opinião do autor e foi publicado da forma como foi recebido, sem alterações pela equipe do Entrelaços.


busca
autores

Autores

biblioteca

Biblioteca

Entrelaços do Coração é uma revista online e sem fins lucrativos compartilhada por diversos autores. Neste espaço, você encontra várias vertentes da literatura: atualidades, crônicas, reportagens, contos, poesias, fotografias, entre outros. Não há linha específica a ser seguida, pois acreditamos que a unidade do SER é buscada na multiplicidade de ideias, sonhos, projetos. Cada autor assume inteira responsabilidade sobre o conteúdo, não representando necessariamente a linha editorial dos demais.
Poemas Silenciosos

Flickr do (Entre)laços

ExposiçãoDesenhos

Série "Natureza"

Série Natureza

DeJanelaEmJanela

DeCostas

Série "Detalhes"

Série "MoradaImprovisada"

Série Morada Improvisada

Finados

Tratando de peixe

Série Flores

Série Flores

Esporte na Colônia

Série Natureza 01

Série Natureza 05

Caxambu

Caxambu

Caxambu - 02

Caxambu - 01

Penumbra...

Aglomeração...

Portão florido...

Barra Palace

Conjunto Harmonioso...

Reunião privada...

Espaços ocupados...

Arquitetura Perfeita...

Convergência II

Convergência I