A greve de fome do bispo e a atitude do governo Lula e da imprensa empresarial de silenciar o protesto, coloca para o momento, a discussão do que é diálogo. D. Luís Cappio, quando mencionado, aparece aos olhos do País, como radical e intransigente e não se diz que muita gente, ao redor do mundo, se junta a ele por considerar sua entrega legítima porque a causa é justa.

Para discutir o diálogo, prefiro, primeiro, falar do sentido do “verdadeiro”.
1. Antigamente, o café, em casa ou no restaurante, já vinha adoçado. Hoje, por questões de saúde ou porque muita gente aprendeu a saborear o café, ele já aparece nas mesas com um aviso: “café” e “café sem açúcar”. A minúscula preposição sem insinua que o “verdadeiro café” é aquele que deixou de ser natural e adicionou outro componente. O café “puro” serviu apenas de trampolim.

2. Certa vez, um conhecido apresentador de televisão, ao receber um vistoso bouquet de rosas, para agradecer e mostrar sensibilidade, declarou: essas rosas são tão bonitas e perfeitas que parecem artificiais. Além da “grosseria” do comentário, há a afirmação inconsciente que de tanto triunfar a maquiagem, é a verdade que precisa provar que “este homem sim é um verdadeiro israelita no qual não há fingimento” ou tal coisa é original, não é “cópia”, é autêntica. A rosa original seria, então, embuste e sombra da bela rosa artesanal, até que a primeira prove sua veracidade.

3. Se, por acaso, o coffea arábica assumisse sua identidade poderia reivindicar que se mudasse a inscrição e se colocasse “café” e “café com açúcar”. Essa aparente pequena mudança seria revolucionária porque resgataria a “ordem natural das coisas”. Faria isso sem discriminar a evolução posterior do café, acontecida pelos mais variados interesses, no decorrer dos séculos e das culturas. Se a moda pega, todos os outros sabores naturais – o doce, o salgado, o ácido, o apimentado… – poderiam, por sua vez, pegar carona e exigir que lhes fosse reconhecida a identidade e dignidade original.

4. Desde tempos imemoriais, o princípio professado é que “de gustibus et coloribus non est disputandum” (de cor e gosto não se discute). Na prática, o que se aceita “mesmo”, “de verdade”, é o tácito consenso de que “não se discute, mas lamenta-se”. Quer dizer, não vale a verdade que eu digo, vale a versão que dou da verdade, a versão tornada paradigma, óculos, idéia comum… que reproduzida serve para reforçar o poder de alguém que lucra com a falsificação ou a modificação.

5. Parece que o aparente e o verdadeiro nasceram e seguem agarrados, em uma eterna luta dos contrários. No momento, vence o que representa a personagem, a maquiagem que, se possível, ao tomar existência própria, convence até gente iniciada. Quando a máscara (personna) adquire identidade e trajetória própria, se distancia e chega a negar a pessoa que lhe deu sentido e molde. Invertem-se, assim, os papéis: a fantasia vira realidade, o comercial vende sensação, a cortesia toma o lugar da amizade, o ritual substitui a crença, a mentira se torna a verdade pela repetição e o Papai Noel da Coca-cola vira pura bondade.

6. Que aconteceria se o resgate da originalidade dos vegetais se aplicasse também aos animais e, sobretudo, aos humanos? A pseudo superioridade de determinado biotipo, dom individual, cor, lugar de nascimento, oportunidade histórica…, sem diminuir os diversos cruzamentos e matizes, romperiam com a ditadura do padrão que, por um lado, foi imposta e, por outro, foi introjetada pelos setores que aprenderam e aceitaram a inferioridade. Aliás, já houve quem proclamasse: que seria do verde se não fosse o amarelo, o vermelho…!

7. Em geral, existe verdade quando se pode comprovar se há coerência entre um objeto e sua descrição, entre o fato e a notícia que dele se faz, entre a prática e o discurso que a legitima, entre a intenção que se quer e a finalidade que se declara. A comparação feita, em qualquer latitude, precisa sempre levar em conta o momento, a cultura e o ponto de vista de quem está falando. Quando há sinceridade (sine+cera = sem cera, sem mascaramento), quando se age como se professa, pode, então, haver diálogo porque existem verdades para entrar em um processo de intercâmbio.

dezembro 2007

Este texto expressa exclusivamente a opinião do autor e foi publicado da forma como foi recebido, sem alterações pela equipe do Entrelaços.


busca
autores

Autores

biblioteca

Biblioteca

Entrelaços do Coração é uma revista online e sem fins lucrativos compartilhada por diversos autores. Neste espaço, você encontra várias vertentes da literatura: atualidades, crônicas, reportagens, contos, poesias, fotografias, entre outros. Não há linha específica a ser seguida, pois acreditamos que a unidade do SER é buscada na multiplicidade de ideias, sonhos, projetos. Cada autor assume inteira responsabilidade sobre o conteúdo, não representando necessariamente a linha editorial dos demais.
Poemas Silenciosos

Flickr do (Entre)laços

ExposiçãoDesenhos

Série "Natureza"

Série Natureza

DeJanelaEmJanela

DeCostas

Série "Detalhes"

Série "MoradaImprovisada"

Série Morada Improvisada

Finados

Tratando de peixe

Série Flores

Série Flores

Esporte na Colônia

Série Natureza 01

Série Natureza 05

Caxambu

Caxambu

Caxambu - 02

Caxambu - 01

Penumbra...

Aglomeração...

Portão florido...

Barra Palace

Conjunto Harmonioso...

Reunião privada...

Espaços ocupados...

Arquitetura Perfeita...

Convergência II

Convergência I