Entre o Presidente Lula e o Bispo D. Luís não pode haver diálogo. Os dois defendem projetos antagônicos e, como se sabe, dois bicudos não se beijam. O nascido em Pernambuco veste a camisa de um modelo de desenvolvimento, patrocinado pelo capital, onde o povo é beneficiário e seu método é autoritário com viés populista. O nascido em São Paulo se entrega por um modelo de desenvolvimento cujo centro é o social, onde o povo é protagonista e que tem como método o convencimento e a participação de todos os atores envolvidos.

Aprendemos que diálogo é a palavra que vai-e-vem. Por isso, diálogo exige que:
1. As pessoas tenham “suas verdades” – Significa que duas pessoas, olhando o mesmo copo de água, podem afirmar que ele está meio vazio ou meio cheio e não estar blefando. São gente sincera que miram a partir de um ponto e se baseiam no chão onde seus pés pisam. Quando posturas e palavras dão a impressão que temos a verdade completa, matamos pela raiz qualquer possibilidade de diálogo.

2. As partes se respeitem – É preciso que os diferentes lados tenham a mesma disposição e estejam imbuídos do mesmo propósito. Senão, vai funcionar a esperteza de falar da boca pra fora com palavras pra inglês ver que usa a ingenuidade de quem acha que a raposa vai cuidar do galinheiro. O diálogo “verdadeiro” só acontece se as pessoas acreditam na soma de potenciais e que, sendo diferentes não são desiguais, são paritários.

3. Pessoas com objetivo comum – Isto significa que as pessoas seguem na mesma direção, ainda que, até agora, por caminhos diferentes. Podem ser companheiras porque são capazes de repartir o pão, de pensar juntas e decidir ser parte de uma mesma trajetória. A água não se mistura com o óleo e a panela de ferro sempre vai quebrar a panela de barro. Quando alguém reverencia e se referencia na elite, nunca vai dialogar com quem opta pelos pobres. No máximo, farão o pacto da mediocridade – um faz que diz e o outro finge que acredita.

4. Um intercâmbio profundo – Quando alguém veste e incorpora a personagem do superior ou, ao contrário, se humilha como vítima inferior, não vai dar samba. Pois, o diálogo é uma troca de experiência, de pensamento e de sentimento entre pessoas que se encontram. Nesse encontro, elas se conversam, se completam, se convertem e, por consenso, também se apartam, se não é possível negociar as diferenças.

5. A prática do convencimento – Convencer, na metodologia autoritária, é impor um ponto de vista para alguém que foi dominado e que aprendeu a obedecer e a reproduzir idéias, modelos e valores. Para os populistas convencer é manipular, é vender gato por lebre, é vencer por meio de ardil, de marketing, de ilusão. O “verdadeiro” convencimento é um processo onde não há perdedores e vencedores; todos vencem porque a causa de todos é que vence.

Em resumo – para o diálogo é preciso:
 Distinguir o que é convicção, portanto, o que não se pode abrir mão.
 Juntar concordâncias e convicções que as pessoas já possuem.
 Conhecer e negociar diferenças/ divergências que não são princípios

No caso do Lula e do Bispo – ou das causas coletivas que defendem – não pode haver diálogo. Há xingamentos mútuos, pressões, conversações educadas, negociação de apêndices… Não há diálogo porque existe uma divergência de fundo radical e intransigente. É uma disputa de projeto e de visão de mundo diante da qual é preferível morrer (física ou politicamente) do que ceder. Só termina quando uma das partes vencer ou for eliminada. É, como um jogo de xadrez, o que há é uma relação de força entre imperadores, governos, cavalos, bispo e peões. Qualquer melhoramento da proposta não significa convencimento profundo. São apenas “vitórias” ou táticas para entregar o anel sem perder o dedo ou como uma cunha que permite seguir lutando, até que se mude a correlação de forças.

dezembro de 2007.

Este texto expressa exclusivamente a opinião do autor e foi publicado da forma como foi recebido, sem alterações pela equipe do Entrelaços.


busca
autores

Autores

biblioteca

Biblioteca

Entrelaços do Coração é uma revista online e sem fins lucrativos compartilhada por diversos autores. Neste espaço, você encontra várias vertentes da literatura: atualidades, crônicas, reportagens, contos, poesias, fotografias, entre outros. Não há linha específica a ser seguida, pois acreditamos que a unidade do SER é buscada na multiplicidade de ideias, sonhos, projetos. Cada autor assume inteira responsabilidade sobre o conteúdo, não representando necessariamente a linha editorial dos demais.
Poemas Silenciosos

Flickr do (Entre)laços

ExposiçãoDesenhos

Série "Natureza"

Série Natureza

DeJanelaEmJanela

DeCostas

Série "Detalhes"

Série "MoradaImprovisada"

Série Morada Improvisada

Finados

Tratando de peixe

Série Flores

Série Flores

Esporte na Colônia

Série Natureza 01

Série Natureza 05

Caxambu

Caxambu

Caxambu - 02

Caxambu - 01

Penumbra...

Aglomeração...

Portão florido...

Barra Palace

Conjunto Harmonioso...

Reunião privada...

Espaços ocupados...

Arquitetura Perfeita...

Convergência II

Convergência I