Mais uma celebração de Natal. Como cultivar a tradição religiosa sem fugir do significado da presença de Jesus Cristo, o Filho do Pai Eterno, que esteve fisicamente aqui na humanidade, em tudo igual a qualquer um de nós, menos no pecado.

Lembre que pecado, no sentido de Jesus, é não amar, ou só amar a si mesmo. A tradição do Natal cristão: o presépio, o Noite Feliz, o menino na manjedoura. Nada a ver com profanação do Papai Noel, o jingle bells e a árvore enfeitada com bolas coloridas e algodão. Tudo isto imposição da cultura européia, pelos missionários que aqui vieram e não se aculturaram e que infelizmente continua a ser cultivada até por igrejas cristãs. Pior ainda, a profanação consumista das compras de presentes, que não são para o aniversariante e sim para outras pessoas.

O significado maior do Natal é o aniversário, para nós cristãos, o mais importante aniversário, por ser da pessoa que trouxe à humanidade um caminho novo, que se levado a sério, transformará a humanidade numa convivência solidária, que para nós, cristãos é a construção do Reino de Deus, iniciado aqui em nosso tempo.

O aniversariante é Jesus, o filho de Maria de Nazaré, gerado pelo Espírito de Deus, tendo como padrasto um homem justo, José, o carpinteiro. Só tendo claro a compreensão da pessoa e da missão de Jesus em seus trinta e três anos de vida entre nós, só assim se pode viver e celebrar dignamente seu aniversário. Essa auto-definição dele está em Lucas 4.16-21, quando ele leu a livro do profeta Isaías na comunidade de Nazaré.

O menino apresentado na manjedoura cresceu, aprendeu a conhecer sua cultura, seu povo e a realidade cruel da desigualdade da sociedade da Palestina e a partir dela ele compreendeu que o mesmo acontecia no mundo todo.

Aos trinta anos, ele iniciou sua vida missionária, consciente de que não iria durar muito, já que seu projeto dividiria a sociedade, até famílias se dividiriam por causa de sua proposta. Ele radicalizou sua missão arriscando a vida e confirmando que amar o outro é o segredo da felicidade. Não há outro caminho, por isso ele se disse ser o caminho.

Ele não precisava ser Deus para saber que sua ousadia terminaria em processo e morte, como aconteceu de fato. A hipocrisia dos “donos” do mundo se incomoda com quem propõe o amar o próximo de verdade. Mas ele tinha clareza que da morte surge a vida nova, por isso, embora tremendo e pedindo ao Pai para afastar o cálice amargo do processo doloroso, ele enfrentou a morte e ressuscitou ao terceiro dia.

Daí, celebrar o Natal de verdade é confrontar-se cada um e cada uma que deseja ser feliz e não encontrou o caminho ainda. O aniversariante fica como um espelho que a gente ao olhar o presépio precisa ampliar o horizonte, chegar até a Cruz e ao terceiro dia após. O encontro do Natal deve ser pessoal de mim e de você, desarmado e de busca: Quem é Ele? O que fez, por que Ele atrai pessoas até hoje? O que espera Ele de mim e de você?

Nossa cidade, nosso bairro não é diferente de Jerusalém, ou de Belém de Judá. Hoje, como lá, o povo carece de sentir Jesus, o libertador. Como lá, aqui há pessoas sem rumo, pessoas carentes, pessoas na fossa, outras desesperadas, há os cínicos e os oportunistas. Como lá, hoje há muitas pessoas infelizes. E você e eu bem que podemos sair da contemplação do presépio e ser a presença de Jeus, o aniversariante para tantas pessoas.

Aliás, foi isso que Ele pediu aos seguidores no momento de seu retorno à casa do Pai: vão pelo mundo todo e dêem testemunho de mim, mostrando que um outro mundo é possível.

Você é eu, cantando ou não o Noite Feliz, olhando ou não o presépio, crendo ou não no mistério de Cristo podemos contribuir para o mundo, a cidade e o bairro, ou talvez sua própria casa ser diferente, mais humana e solidária. De qualquer forma, te desejo um Natal alegre, que já é um bom presente ao aniversariante.

Este texto expressa exclusivamente a opinião do autor e foi publicado da forma como foi recebido, sem alterações pela equipe do Entrelaços.


busca
autores

Autores

biblioteca

Biblioteca

Entrelaços do Coração é uma revista online e sem fins lucrativos compartilhada por diversos autores. Neste espaço, você encontra várias vertentes da literatura: atualidades, crônicas, reportagens, contos, poesias, fotografias, entre outros. Não há linha específica a ser seguida, pois acreditamos que a unidade do SER é buscada na multiplicidade de ideias, sonhos, projetos. Cada autor assume inteira responsabilidade sobre o conteúdo, não representando necessariamente a linha editorial dos demais.
Poemas Silenciosos

Flickr do (Entre)laços

ExposiçãoDesenhos

Série "Natureza"

Série Natureza

DeJanelaEmJanela

DeCostas

Série "Detalhes"

Série "MoradaImprovisada"

Série Morada Improvisada

Finados

Tratando de peixe

Série Flores

Série Flores

Esporte na Colônia

Série Natureza 01

Série Natureza 05

Caxambu

Caxambu

Caxambu - 02

Caxambu - 01

Penumbra...

Aglomeração...

Portão florido...

Barra Palace

Conjunto Harmonioso...

Reunião privada...

Espaços ocupados...

Arquitetura Perfeita...

Convergência II

Convergência I