Edilberto Sena 29 de dezembro de 2007

Comentário/ editorial do padre Edilberto Sena no Jornal da Manhã (Rádio Rural AM)

Vai se chegando ao final do ano, querendo alimentar esperança para um novo, mas a realidade é cruel, mesmo que para o presidente da república pareça céu de brigadeiro, pois “nunca antes neste país…”.

Se há notícias positivas de pessoas generosas que procuram ser solidárias com outros, e entidades e organizações que batalham por justiça e bem comum, por outro lado, chegam notícias de assassinatos, guerras sem fim, empresas gerando lucros fabulosos à custa de trabalho mal pago e até escravo. O ano termina e a sociedade sofre mais mais um abalo na confiança das autoridades.

O congresso nacional é uma casa de oportunismos, compadrios,onde várioscongressistas estão com nomes sujos na corrupção e em processos judiciais intermináveis; o poder executivo se auto elogia por alguns bons feitos, como a bolsa família e a descoberta de mais um poço de petróleo, mas tanto um como o outro se cala quando os ricos ficam mais ricos e o bolsa família revela o auto grau de miséria em que vive grande parte da população; aliás, o presidente ainda elogia os empresários do etanol como heróis da nação, imagine!

E o judiciário? Esse também perde a cada dia a confiança da população. São casos de visível injustiça que não recebem julgamento, como os casos de políticos comprovadamente corruptos, mas que continuam altaneiros na vida pública; como o caso da transposição das águas do rio São Francisco que os juízes da mais alta corte deram sentença favorável, contra todos os argumentos e provas negativas de cientistas e pesquisadores. Os casos de julgamentos feitos por juízes uma vez, serem anulados por outros juízes se repetem, como nos processos do porto da Cargill em Santarém e os processos da superintendência do Incra no Oeste do Pará. Todos anulados, ou postergados em instâncias de Brasília.

E agora, mais um escândalo judicial, no Acre. O assassino do Chico Mendes (lider dos sweringueiros na defesa da floresta de Xapuri), o velho ambicioso Darly Alves foi novamente retirado do presídio, de onde já havia fugido, se escondido, preso novamente. Agora o juiz lhe dá uma prisão domiciliar. Isto é, fica em casa em sua fazenda, nos braços da esposa, dos filhos e netos, o homem que friamente, de tocaia assassinou o seringueiro Chico Mendes 19 anos atrás.

Como confiar em julgamentos de tantos juízes, uns contradizendo outros pares? Quem garante a justeza de seus julgamentos?

É verdade que ainda há alguns juízes que honram a função social e jurídica que assumiram. Errar é humano, mas quando os erros se repetem com tanta freqüência e sempre contra os mais fracos, não dá para se ter confiança e esperança de que as instituições estejam em processo de aperfeiçoamento. As leis são boas, embora sejam elásticas demais, as práticas de quem deveria cumprir as leis é que desanimam os que buscam justiça.

Este texto expressa exclusivamente a opinião do autor e foi publicado da forma como foi recebido, sem alterações pela equipe do Entrelaços.


busca
autores

Autores

biblioteca

Biblioteca

Entrelaços do Coração é uma revista online e sem fins lucrativos compartilhada por diversos autores. Neste espaço, você encontra várias vertentes da literatura: atualidades, crônicas, reportagens, contos, poesias, fotografias, entre outros. Não há linha específica a ser seguida, pois acreditamos que a unidade do SER é buscada na multiplicidade de ideias, sonhos, projetos. Cada autor assume inteira responsabilidade sobre o conteúdo, não representando necessariamente a linha editorial dos demais.
Poemas Silenciosos

Flickr do (Entre)laços

ExposiçãoDesenhos

Série "Natureza"

Série Natureza

DeJanelaEmJanela

DeCostas

Série "Detalhes"

Série "MoradaImprovisada"

Série Morada Improvisada

Finados

Tratando de peixe

Série Flores

Série Flores

Esporte na Colônia

Série Natureza 01

Série Natureza 05

Caxambu

Caxambu

Caxambu - 02

Caxambu - 01

Penumbra...

Aglomeração...

Portão florido...

Barra Palace

Conjunto Harmonioso...

Reunião privada...

Espaços ocupados...

Arquitetura Perfeita...

Convergência II

Convergência I