Dasilva 24 de julho de 2007


“…pau que nasce torto, não tem jeito, morre torto…”

1. Um pouco da prática

No funcionamento de qualquer grupo humano, é fácil constatar que, de forma esquemática, existem quatro tipos marcantes de pessoas. Sem ainda tentar explicar as razões, o fato é que todo grupo humano caminha, enrola-se ou definha pela atua-ção maior ou menor dessas quatro personalidades típicas:

 Militantes com iniciativa – São pessoas que, no meio da crise, vislumbram o futu-ro porque lêem os sinais dos tempos e as entrelinhas; por isso, denunciam tramas, sonham, formulam projetos, traçam planos, assumem o comando, provocam, ani-mam, ousam, desafiam o impossível… Às vezes, são chamados de visionários, loucos, profetas, revolucionários. Seu entusiasmo e exemplo arrastam seguidores. Em geral, têm pressa, insatisfação, impaciência e pensam grande, inclusive mega-lomanias. Se egoístas, viram tiranos; se educadores, ajudam a despertar oprimidos e desanimados. Pela capacidade de elaboração e dedicação, nos movimentos se tornam dirigentes e estrategistas, mesmo que não tenham sido eleitas. Em boa medida, são incompreendidos e perseguidos.

 Militantes sem iniciativa – Porque são comprometidas, entendem e organizam as propostas e estratégias. Seu forte é a capacidade de dar carne às intuições, de so-nhar sem tirar os pés do chão. São de confiança e sabem administrar recursos, en-caminhamentos e pessoas que dão suporte e acompanhamento aos projetos. A-gem com diplomacia nas negociações e articulações e contribuem na superação de conflitos desnecessários. Por serem mais objetivas e metódicas, não tomam a ofensiva de propor rupturas e inovações e buscam sempre os fundamentos das proposições. Na sua paciência, precisam esforçar-se para não cair na rotina, aco-modamento e burocratismo. Nos movimentos se tornam coordenadores.

 Militantes ativistas – Estas pessoas não perguntam os porquês. Não são dadas a análises, preparações, planejamentos. Cansam-se com as longas deliberações e estudos. Na confiança, recebem e realizam tarefas. Ativistas, comprazem-se em ter a agenda cheia, em fazer coisas. São pau pra toda obra e, sobretudo, corajosas, disponíveis e incansáveis, na linha do enfrentamento. No seu espírito pragmático e apaixonado, preferem atuar e, logo, ver resultados concretos e imediatos. Nos mo-vimentos, são os soldados rasos que devem se cuidar para não virar tarefeiros.

 “Militontos” com iniciativa – Acham-se sabidos e preparados. Nas suas “elabo-rações”, propostas e comandos, quase sempre, metem os pés pelas mãos. Só eles não percebem que estão fora do compasso e, na sua arrogância ingênua, se sen-tem ofendidos quando não são ouvidos e obedecidos. Convictos de sua importân-cia, analisam erradamente, cultivam uma atitude centralizadora, sugerem iniciativas equivocadas e agem fora de hora. Nos grupos e movimentos são um desastre. Às vezes, é precisa gastar mais energias cuidando deles que realizando a missão.
É óbvio que toda tipologia realça as características que se destacam. Na prática todos os tipos, ao se relacionarem, entram em tensão e se influenciam, mu-tuamente. Da mesma forma, os tipos assumem ou negam suas características, mi-gram de um tipo para outro e até a mesclam diferentes características, em uma só pessoa. Ainda bem que a referida canção popular quando, antes de concluir, filoso-ficamente arremata… eu não sou pau posso me regenerar.

2. Um pouco da teoria

A conhecida canção popular citada, no seu início, repete a velha doutrina calvi-nista da predestinação – as pessoas já nascem com seu destino traçado por desígnios insondáveis de alguma divindade. A repetição dessa “verdade” por gerações, formata na mente das pessoas a idéia fatalista e conformada de que não adianta investir nelas, nem em ninguém, pois o determinismo predestina as pessoas para a vida. Afinal, quem em sã consciência enfrentaria seu Deus? Por outro lado, essa crença na “culpa” do divino gera uma comodidade – não responsabiliza as pessoas pelos problemas, seus e do mundo, nem as envolve e nem os obriga a batalhar por soluções.
Ao comparar as pessoas sempre se verifica a existência de diferenças e peculia-ridades que as tornam únicas e inimitáveis. No ser humano em geral, se pode encon-trar características universais, mas em cada um estes traços se combinam de maneira singular. As teorias, discussões e controvérsias sobre a personalidade foram temas sempre presentes em toda história da filosofia, psicologia, sociologia, antropologia e medicina geral. Entre tantas tendências, destaca-se um tronco ideológico, segundo o qual os seres humanos foram criados iguais quanto sua capacidade potencial. A ocor-rência das diferenças individuais seria interpretada como uma decisiva influência am-biental sobre o desenvolvimento da Personalidade.
As tendências ideológicas que enfatizam a igualdade dos seres humanos, num total descaso para com as diferenças funcionais, ecoam com eloqüente beleza retóri-ca, romântica, ética e moral. Tais ideais, na prática, sucumbem diante de incontáveis evidências em contrário e não resistem à constatação das flagrantes e involuntárias diferenças entre os indivíduos. De acordo com tal enfoque, com uma hipotética igual-dade de oportunidades, seríamos iguais quanto as nossas realizações, já que, poten-cialmente, somos iguais. Neste caso, o jeito de cada pessoa, sua inteligência, vocação e limites seriam questões exclusivamente ambientais.

3. Como se fossem conclusões

a) Os seres humanos são essencialmente iguais e funcionalmente diferentes – iguais quanto à essência humana; funcionam diferentemente uns dos outros e podem sur-preender modificando-se, como se defina, para melhor ou para pior.

b) Nunca se pode dissociar as pessoas de sua herança genética e cultural, seu senso de oportunidade e seu empenho pessoal. Uma pessoa que tem clareza de rumo, sabe distribuir o poder, sente a conjuntura e a disposição das pessoas, será mais reconhecida que alguém que, em vez de se esforçar, vai e enterra seus talentos.

c) A vocação de uma pessoa se define pela soma das qualidades e limites que traz ao nascer, as influências e oportunidades do contexto em que vive, seu empenho pessoal e a capacidade de articular seu projeto de vida com a necessidade do seu tempo.

Junho de 2007.

Este texto expressa exclusivamente a opinião do autor e foi publicado da forma como foi recebido, sem alterações pela equipe do Entrelaços.


busca
autores

Autores

biblioteca

Biblioteca

Entrelaços do Coração é uma revista online e sem fins lucrativos compartilhada por diversos autores. Neste espaço, você encontra várias vertentes da literatura: atualidades, crônicas, reportagens, contos, poesias, fotografias, entre outros. Não há linha específica a ser seguida, pois acreditamos que a unidade do SER é buscada na multiplicidade de ideias, sonhos, projetos. Cada autor assume inteira responsabilidade sobre o conteúdo, não representando necessariamente a linha editorial dos demais.
Poemas Silenciosos

Flickr do (Entre)laços

ExposiçãoDesenhos

Série "Natureza"

Série Natureza

DeJanelaEmJanela

DeCostas

Série "Detalhes"

Série "MoradaImprovisada"

Série Morada Improvisada

Finados

Tratando de peixe

Série Flores

Série Flores

Esporte na Colônia

Série Natureza 01

Série Natureza 05

Caxambu

Caxambu

Caxambu - 02

Caxambu - 01

Penumbra...

Aglomeração...

Portão florido...

Barra Palace

Conjunto Harmonioso...

Reunião privada...

Espaços ocupados...

Arquitetura Perfeita...

Convergência II

Convergência I