Lug Costa resomar 20 de dezembro de 2006

Em cada porta,
um gesto travado,
soluço amordaçado…
Em cada janela
um suspiro da alma
acalentando um pensamento profundo.

Na aparência o disfarçado sorriso,
discernimento temido,
lábios enfaixados em um sabor empoeirado…
(Re)contando as poucas lembranças
de momentos considerados felizes
mas adormecidos no coração lacrimante.

Descalço removes restos de pratos,
bebendo o vinho em taças fraturadas…
Arquivas no olhar o descaso cruel…
Perambulas pelas ruas do descaso,
contorcendo-se pela dor da consciência
de ser alguém abandonado.

Onde repousar o cansaço?
Como calar as revoltas sufocadas por tanto tempo?
Onde habitar sem beijar a lama envenenada?
Como reconhecer a trilha perdida no meio da escuridão?
O teu refúgio acolhe a ventania e a solidão embaçada…
mas ainda és capaz de acolher a serenidade
disfarçada na suave brisa da madrugada.

Exposto de pés feridos,
mãos calejadas,
alma transparente,
rosto enternecido,
força indomável,
espírito vigilante,
mostras a sabedoria dos marginalizados…
que trilham caminhos suspeitos e perigosos
Derrubas os poderosos,
saciando os famintos…
com as suas misérias e podridões
recolhidas nas calçadas e no meio da rua.

Purificas a oferenda dilacerada
sem intervalo,
com o suor do rosto
e o cheiro da humilhação

na escuta atenta,
de vozes rebeldes e incompreensíveis
palavra bebida na sofreguidão de prosseguir…
sem destino, sem repouso, sem alívio.

Na escuridão a LUZ explode fazendo crescer Tua presença…
presença delicadamente (des)percebida pela sensibilidade de quem ama
Nasceste como príncipe embalado no aconchego de folhas e ferrugens…
para ser na cidade dos homens um número, um nome, um menino pobre e abandonado.

No cotidiano dolorido és o Amor que canta a paz
que incomoda e profetiza tempos de serenidade e compreensão entre os homens
e anuncia nova sociedade,
herança dos que se libertam da vaidade opressora,
construção e luta para resgatar o caminho que se abre em pétalas entrelaçadas,
compromisso selado no testemunho de ser…
ser de Deus,
ser da divindade que espiritualiza a existência humana
numa noite qualquer
através da dor do parto.

30.11.2006 –  (resomar)
Natal de 2006
LugCosta –  – 18.12.2006 – Natal/RN

Este texto expressa exclusivamente a opinião do autor e foi publicado da forma como foi recebido, sem alterações pela equipe do Entrelaços.


busca
autores

Autores

biblioteca

Biblioteca

Entrelaços do Coração é uma revista online e sem fins lucrativos compartilhada por diversos autores. Neste espaço, você encontra várias vertentes da literatura: atualidades, crônicas, reportagens, contos, poesias, fotografias, entre outros. Não há linha específica a ser seguida, pois acreditamos que a unidade do SER é buscada na multiplicidade de ideias, sonhos, projetos. Cada autor assume inteira responsabilidade sobre o conteúdo, não representando necessariamente a linha editorial dos demais.
Poemas Silenciosos

Flickr do (Entre)laços

ExposiçãoDesenhos

Série "Natureza"

Série Natureza

DeJanelaEmJanela

DeCostas

Série "Detalhes"

Série "MoradaImprovisada"

Série Morada Improvisada

Finados

Tratando de peixe

Série Flores

Série Flores

Esporte na Colônia

Série Natureza 01

Série Natureza 05

Caxambu

Caxambu

Caxambu - 02

Caxambu - 01

Penumbra...

Aglomeração...

Portão florido...

Barra Palace

Conjunto Harmonioso...

Reunião privada...

Espaços ocupados...

Arquitetura Perfeita...

Convergência II

Convergência I