Quando contemplamos a nossa realidade, não podemos deixar de sentir o que Jesus sentiu quando viu as multidões de seu tempo. Jesus olhou e sentiu compaixão, porque eram pessoas cansadas e abatidas como ovelhas que não têm pastor.

Quanta miséria humana! Quanto sofrimento, quantos problemas, quanta desilusão, quanta solidão, quanto amor negado! Infelizmente é esse o quadro que se apresenta diante de nossos olhos. Conseqüência da irresponsabilidade humana. “Venham a mim todos vocês que estão cansados de carregar o peso de seu fardo, e eu lhes darei descanso”. (Mt 11, 28). Foi o convite amoroso de Jesus naquele tempo. Esse mesmo convite é feito a todos os sofredores de hoje.

É verdade que há problemas que não tem solução, há dor que nenhum remédio, nenhum analgésico cura. “Aprendam de mim” quer dizer sejam pacientes como eu, aprendam a administrar as situações adversas. Quem melhor do que Jesus pode nos ensinar? Quando ele diz “aprendam de mim”, parece querer dizer: eu passei por todas as situações de sofrimento para compreender toda a dor humana. E nesse sentido temos que ser peritos, especialistas.

Jesus viveu na extrema pobreza, começando por nascer num estábulo. E a dor da paixão? É fácil celebrar a Paixão de Jesus na semana santa. Há toda uma mística própria daquele tempo, mas será que conseguimos pensar na dor que ele experimentou? E seus milagres, quem os reconheceu? Como Jesus sofreu por isso! Diz o Evangelho que ele até censurou as cidades onde realizou a maior parte de seus milagres, porque as pessoas ficaram insensíveis.

Quando falamos de solidão, quem entende disso melhor do que Jesus? Ele foi desprezado, sentiu o fracasso, foi abandonado. Experimentou o abandono até do Pai. “Meu Deus, meu Deus, porque me abandonaste?” (Mt 27, 46). Se falarmos em negação do amor, não podemos esquecer que Jesus fala de experiência e ninguém tem mais autoridade do que ele nesse assunto. No sofrimento Jesus é bastante experimentado. O profeta Isaías até a ele se refere, falando de um “homem das dores, experimentado no sofrimento”.

“Aprendam de mim” é o convite de Jesus a ficarmos unidos a ele, de tal modo que, aos poucos, a sua amizade nos console e nos conforte em todas as nossas dores. Unidos a ele toda dor vai adquirindo sentido profundo. Precisamos dar sentido ao sofrimento, porque sofrer por sofrer não vale a pena. E quando o sofrimento tem sentido ele é uma riqueza para a nossa vida e para a vida dos outros. O apóstolo Paulo, grande referencial para a imitação de Cristo nesse sentido, assim nos ensina: “Agora eu me alegro de sofrer por vocês. Pois vou completando em minha carne o que faltou nas tribulações de Cristo, a favor do seu corpo que é a Igreja” (Col 1, 24). Quando buscamos dar sentido ao sofrimento, a paz volta a nossa alma, muitas vezes conturbada.

É no sofrimento, na dor que nos parecemos mais com Jesus e foi também assim que ele quis parecer-se mais conosco. Foi por isso que ele sofreu. A vida de Jesus é a escola do sofrimento. “Venham e aprendam de mim”.

Este texto expressa exclusivamente a opinião do autor e foi publicado da forma como foi recebido, sem alterações pela equipe do Entrelaços.


busca
autores

Autores

biblioteca

Biblioteca

Entrelaços do Coração é uma revista online e sem fins lucrativos compartilhada por diversos autores. Neste espaço, você encontra várias vertentes da literatura: atualidades, crônicas, reportagens, contos, poesias, fotografias, entre outros. Não há linha específica a ser seguida, pois acreditamos que a unidade do SER é buscada na multiplicidade de ideias, sonhos, projetos. Cada autor assume inteira responsabilidade sobre o conteúdo, não representando necessariamente a linha editorial dos demais.
Poemas Silenciosos

Flickr do (Entre)laços

ExposiçãoDesenhos

Série "Natureza"

Série Natureza

DeJanelaEmJanela

DeCostas

Série "Detalhes"

Série "MoradaImprovisada"

Série Morada Improvisada

Finados

Tratando de peixe

Série Flores

Série Flores

Esporte na Colônia

Série Natureza 01

Série Natureza 05

Caxambu

Caxambu

Caxambu - 02

Caxambu - 01

Penumbra...

Aglomeração...

Portão florido...

Barra Palace

Conjunto Harmonioso...

Reunião privada...

Espaços ocupados...

Arquitetura Perfeita...

Convergência II

Convergência I