Dentro de duas semanas estaremos imersos no tempo do Advento que objetiva ser uma preparação litúrgico-espiritual para o Natal, enquanto celebração da vinda e Encarnação de Cristo. O Advento corresponde a um dos pólos do ciclo litúrgico : Natal e Páscoa permeiam o calendário litúrgico da Igreja Católica. Aquele que nasce tem uma vocação que é a de ser Redentor, isto é, pela sua morte vai redimir, resgatar, religar a humanidade afastada das suas origens. Nessa perspectiva, as duas dimensões se tocam e se unem : Ele vem para nascer , morrer e para viver novamente na esperança da Páscoa.
O Advento, portanto, celebra a vinda do Cristo no tempo e na história – é por isso que, nesse contexto, se fala em História da Salvação.

Do mesmo modo que a Bíblia usa antropomorfismos para falar de Deus : Deus abre as suas mãos sobre seus filhos, Deus viu que tudo era bom, Adão e Eva se espantaram ouvindo os passos de Deus, assim também a Liturgia usa apropriações que vêem de outras culturas para manifestar a sua verdade. Em grego “advento” se chama Parusia e significava a vinda anual da divindade ao Templo para visitar os fiéis. No mundo romano significava a vinda de algum personagem importante mas com atributos divinos – nesse contexto , fala-se no “adventus Augusti”, isto é, na vinda de Augusto, imperador – não havia um limite claro entre o humano e o divino com relação aos imperadores no contexto romano. No âmbito cristão o Advento significa a vinda de Cristo, o Messias esperado, na carne humana – portanto, Advento, Natal e Epifania ( que no mundo bizantino é a festa de Natal) têm uma seqüência natural.

O Advento cristão, historicamente falando, tem origem no Oriente cristão : o mistério do nascimento, apresentação aos Reis Magos e Batismo, tudo era concentrado numa única festa chamada de Epifania, isto é, a festa da Manifestação ou Apresentação aos Povos e Nações, representados pelos Reis Magos.

Estava bastante difundido no Império Romano o culto ao deus sol – era um culto relacionado com o solstício de inverno.Um dos sinais desses antigos cultos que povoaram a Roma dos primeiros séculos do cristianismo, é o templo de Mitra, deus iraniano da antiga Pérsia (atual Irã) e que foi incorporado aos cultos romanos – há no subsolo da igreja de S. Clemente, perto do Coliseu, um templo dedicado a esse culto. E a Igreja Cristã quis ir cristianizando essas festas pagãs dando-lhes títulos e vivências que correspondiam à teologia cristã – desse modo, o culto ao “deus sol invicto”, celebrado nos dias do que seria mais tarde a comemoração do nascimento de Cristo, a Igreja substituiu pela data do Natal, que, como estamos vendo, não é uma celebração que corresponde a uma data histórica, mas simbólica.
E o Advento cristão tem uma história até chegar aos nossos dias. Na Gália e Espanha ele sofre a influência oriental chegando o batismo a ser realizado na Epifania precedido de uma preparação. Stº Hilário de Poitiers (+ 360) fala nas três semanas para a Epifania e elas começavam de 17 de dezembro a 6 de janeiro. No final do século V, na Gália (Tours) já há 40 dias de preparação para a Epifania ” o início se dava na festa de S. Martinho (11 de novembro). Muitas vezes se encontra nos manuscritos antigos o Advento comparado à Quaresma – ambos tempos fortes de preparação para os dois pólos nos quais gira a teologia cristã :Natal( Epifania) e Páscoa. Por isso mesmo, falava-se em “quaresma de S. Martinho” ou “quaresma de inverno” ( por causa do paralelismo dos 40 dias da quaresma). Mas a instituição litúrgica do advento já tem vestígios no final do século VI. O Papa S. Gregório Magno (+640) reduziu para 4 semanas aquele período. A liturgia galicana tinha um caráter penitencial, por isso era omitido o cântico do glória e do aleluia e a cor litúrgica já era o roxo. No século XII esse costume foi assimilado pela liturgia romana – o glória ficou reservado à festa do Natal mas o aleluia foi introduzido e se conserva na liturgia até os nossos dias. O Concílio Vaticano II lembra que o Advento é marcado por duas características : 1ª) Tempo de preparação para a celebração do nascimento de Cristo; 2ª) Mas também é tempo de expectativa da segunda vinda de Cristo. A liturgia desse tempo convoca os fiéis a uma vigilância na fé, na oração e a reconhecer os “sinais” da vinda de Cristo que estão dentro e fora de nós – a palavra chave é “metanoia” , palavra grega que é usada normalmente na linguagem cristã, significando a busca de conversão, no espírito do profeta João Batista que teve como missão “preparar os caminhos do Senhor”.
A liturgia do 1º domingo do Advento, ano C, na primeira leitura diz na palavra de Jeremias, profetizando sobre o Cristo:
“Eis que dias virão em que farei cumprir a promessa de bens futuros para a casa de Israel e de Judá. Naqueles dias , naquele tempo, farei brotar de Davi a semente da justiça, que fará valer a lei e a justiça na terra.”

Professor de antropologia na Uneb, na Cairu e na Faculdade 2 de Julho. Membro do IGHB, da Academia Mater Salvatoris. Coopera nas Paróquias da Vitória e de S. Pedro. 

Obs:Imagem de Claudio Pastro: O Sol que vem do alto

Este texto expressa exclusivamente a opinião do autor e foi publicado da forma como foi recebido, sem alterações pela equipe do Entrelaços.


busca
autores

Autores

biblioteca

Biblioteca

Entrelaços do Coração é uma revista online e sem fins lucrativos compartilhada por diversos autores. Neste espaço, você encontra várias vertentes da literatura: atualidades, crônicas, reportagens, contos, poesias, fotografias, entre outros. Não há linha específica a ser seguida, pois acreditamos que a unidade do SER é buscada na multiplicidade de ideias, sonhos, projetos. Cada autor assume inteira responsabilidade sobre o conteúdo, não representando necessariamente a linha editorial dos demais.
Poemas Silenciosos

Flickr do (Entre)laços

ExposiçãoDesenhos

Série "Natureza"

Série Natureza

DeJanelaEmJanela

DeCostas

Série "Detalhes"

Série "MoradaImprovisada"

Série Morada Improvisada

Finados

Tratando de peixe

Série Flores

Série Flores

Esporte na Colônia

Série Natureza 01

Série Natureza 05

Caxambu

Caxambu

Caxambu - 02

Caxambu - 01

Penumbra...

Aglomeração...

Portão florido...

Barra Palace

Conjunto Harmonioso...

Reunião privada...

Espaços ocupados...

Arquitetura Perfeita...

Convergência II

Convergência I