Só aprendi,
Como persistente artesão,
Poesia.
Imito o poeta parnasiano.
Quando estou triste,
Faço baladas como John Donne.
Apuro a forma,
Procuro a palavra no fundo do abismo,
E não há palavra.
Preso, incomunicável,
Não me ofertam palavras,
Senão o concreto lavrar a terra,
A liberdade de navegar
Singrando apenas sonho.
Necessito da palavra
Como do rio corrente,
Tão incomunicáveis
No meu silêncio.
Esmago o alfabeto
Como se esmagasse flores
No desespero contingente
De alcançar o absoluto.

Este texto expressa exclusivamente a opinião do autor e foi publicado da forma como foi recebido, sem alterações pela equipe do Entrelaços.


busca
autores

Autores

biblioteca

Biblioteca

Entrelaços do Coração é uma revista online e sem fins lucrativos compartilhada por diversos autores. Neste espaço, você encontra várias vertentes da literatura: atualidades, crônicas, reportagens, contos, poesias, fotografias, entre outros. Não há linha específica a ser seguida, pois acreditamos que a unidade do SER é buscada na multiplicidade de ideias, sonhos, projetos. Cada autor assume inteira responsabilidade sobre o conteúdo, não representando necessariamente a linha editorial dos demais.
Poemas Silenciosos

Flickr do (Entre)laços

ExposiçãoDesenhos

Série "Natureza"

Série Natureza

DeJanelaEmJanela

DeCostas

Série "Detalhes"

Série "MoradaImprovisada"

Série Morada Improvisada

Finados

Tratando de peixe

Série Flores

Série Flores

Esporte na Colônia

Série Natureza 01

Série Natureza 05

Caxambu

Caxambu

Caxambu - 02

Caxambu - 01

Penumbra...

Aglomeração...

Portão florido...

Barra Palace

Conjunto Harmonioso...

Reunião privada...

Espaços ocupados...

Arquitetura Perfeita...

Convergência II

Convergência I