Dasilva 5 de novembro de 2006

No geral, o povo brasileiro é muito franco. O que muita gente não enxerga e, talvez não concorde, é nosso jeito de manifestar essa franqueza. O povo sempre acha que é errado mentir, embora tenha um modo próprio de dizer a verdade que sabe e que pensa. Muita gente que acha que o povo não toma posição, não é sincero, poderia aprender a ler (captar) o jeito popular de ser franco, conscientes que, também nesse campo, habita a ambigüidade entre o modo de ser e o utilitarismo.

Lembro-me de uma senhora que importunada por uma visita indesejada, pedia às crianças que atirassem sal ao fogo ou escondessem a vassoura atrás da porta. Só a tonta da visita sorria ao ver o sal pipocar e ver aquele trato da vassoura. Outra vez um agente de pastoral, convencido de sua capacidade de persuasão, gastou o seu latim tentando convencer um paroquiano a comparecer a uma reunião. Claro, a pessoa prometeu que faria o “impossíve”¿ para estar presente, mesmo dizendo que, naquele dia, deveria visitar sua mãe que estava doente, ia pescar… O sabido foi que, ao não entender a linguagem, também não entendeu que ele disse que não ia.

Um clássico exemplo é o do estrangeiro que, na hora de se despedir de uma família, tornou a voltar quando o pessoal falou “não vá ainda, não, espere o café”. Não percebeu que estava sendo despedido. Pior ainda, ficou decepcionado, por não encontrar ninguém na casa, no domingo seguinte, pois, na saída o pessoal dissera com entusiasmo, “venha almoçar conosco”. Diz-se até que o mineiro nunca diz que vai ou que não vai, porque já foi, já voltou e esconde que foi.
Poder-se-ia multiplicar os casos como o do analfabeta que fala que “esqueceu os óculos” para não dizer que não sabe ler; o do eleitor que não acredita no candidato, mas o convence de que foi convencido, o do matuto que “come quieto”, se “finge de morto”, se derrama em elogios, pra melhor se sair. Quem não sabe ler o dialeto por trás dessas palavras, acaba no comício sobre a sinceridade, no discurso sobre a transparência, na condenação ao pecado da mentira e vai achar que o povo é “traíra”. O povo com uma risada porque “pegou mais um trouxa”.

Fora dos vários casos de esperteza e malícia aprendida, se afirma que é preciso buscar na cultura e na história o porquê desse “dialeto popular” para expressar a verdade. Há quem afirme que, tanto na cultura africana como na indígena, matrizes fundantes da cultura brasileira, não existe língua que utilize o advérbio não. Já outros estudiosos encontram na historia de escravidão as razões para o uso de muitas “estratégias de subsistência”. Quando o povo fala que “obedece quem tem juízo”, não está exatamente entregando seu poder, apenas usa uma forma realista de resistir. Como nem sempre é consciente, essa atitude pode esconder, simultaneamente, submissão e reação.

Uma explicação para esse tipo de sabedoria poderia estar na escala de valores. Para o povo brasileiro o valor da amizade é superior ao fato de ser direto e objetivo. No seu interior ele sempre diz o que pensa, mesmo se suas palavras digam o contrário. Se o não agrada, ele usa o não; se o sim garante a amizade, ele diz sim. Por isso, o povo acha uma grosseria ser duro e direto – “quem tem vergonha não faz vergonha pros outros”. Ele não acha que está mentindo quando acha uma desculpa, adoece um parente, inventa uma urgência, desde que não perca o amigo. Mas, quem está ligado vai perceber a sua sinceridade, expressa num gesto de hesitação, de adiamento ou numa anedota e numa metáfora,

24 de outubro de 2006.

Este texto expressa exclusivamente a opinião do autor e foi publicado da forma como foi recebido, sem alterações pela equipe do Entrelaços.


busca
autores

Autores

biblioteca

Biblioteca

Entrelaços do Coração é uma revista online e sem fins lucrativos compartilhada por diversos autores. Neste espaço, você encontra várias vertentes da literatura: atualidades, crônicas, reportagens, contos, poesias, fotografias, entre outros. Não há linha específica a ser seguida, pois acreditamos que a unidade do SER é buscada na multiplicidade de ideias, sonhos, projetos. Cada autor assume inteira responsabilidade sobre o conteúdo, não representando necessariamente a linha editorial dos demais.
Poemas Silenciosos

Flickr do (Entre)laços

ExposiçãoDesenhos

Série "Natureza"

Série Natureza

DeJanelaEmJanela

DeCostas

Série "Detalhes"

Série "MoradaImprovisada"

Série Morada Improvisada

Finados

Tratando de peixe

Série Flores

Série Flores

Esporte na Colônia

Série Natureza 01

Série Natureza 05

Caxambu

Caxambu

Caxambu - 02

Caxambu - 01

Penumbra...

Aglomeração...

Portão florido...

Barra Palace

Conjunto Harmonioso...

Reunião privada...

Espaços ocupados...

Arquitetura Perfeita...

Convergência II

Convergência I